Yab-yum (tibetano literalmente, "pai-mãe") é um símbolo comum na arte budista da Índia, Butão, Nepal e Tibete. Representa a união primordial de sabedoria e compaixão, representada como uma divindade masculina em união com sua consorte feminina. A figura masculina representa compaixão e meios hábeis, enquanto a parceira representa insight (Prajna). Em yab-yum, a fêmea está sentada no colo do homem. Há uma apresentação rara de uma figura semelhante, mas invertida, com o homem sentado no colo da mulher, chamada yum-yab.[1]

Heruka em forma de Yab-Yum. Em exposição no Museu do Templo Gangaramaya.

OrigensEditar

O simbolismo está associado ao tantra de Anuttarayoga e, embora existam várias interpretações do simbolismo na linguagem crepuscular, a figura masculina geralmente está ligada à compaixão (karuṇā ) e a meios hábeis (upāya-kauśalya), enquanto a parceira está ligada à "sabedoria "(prajñā).[2]

IconografiaEditar

Yab-yum é geralmente entendido como representando a união primordial (ou mística) de sabedoria e compaixão.[3] No budismo, a forma masculina é ativa, representando a compaixão e os meios hábeis (upaya[4]) que precisam ser desenvolvidos para alcançar a iluminação. A forma feminina é passiva e representa a sabedoria (prajna), que também é necessária para a iluminação. Unidos, as figuras simbolizam a união necessária para superar os véus de Maya, a falsa dualidade de objeto e sujeito.

Essas figuras são frequentemente trabalhadas na forma de estátuas[5] ou relevos, ou são pintadas em thangkas. Yab-yum também pode ser representado através da significação anicônica de yantra e mandala.

Budismo tibetanoEditar

No budismo tibetano, as mesmas ideias são encontradas sobre o sino e o dorje, que, como o yab-yum, simbolizam o dualismo que deve ser transcendido. A prática tântrica sagrada leva ao rápido desenvolvimento da mente, usando a experiência de bem-aventurança, não dualidade e êxtase, enquanto em comunhão com o parceiro, visualizado, ou no caso de praticantes avançados, em alguns casos físicos. Em um texto importante de Anuttarayoga, onde Tilopa expõe o significado para Naropa, diz-se:

"Quando você confia em um consorte, a sabedoria da felicidade da vacuidade surgirá, então entre em união—a bênção do método e sabedoria. Abaixe-a [a bênção da felicidade sábia da vacuidade] lentamente, retenha-a, inverta-a e leve-a de volta para cima. Traga-a para os lugares do corpo e deixe espalhar em tudo. Quando você permanecer livre do desejo, a sabedoria da felicidade da vacuidade aparecerá."[6]

Indicando a natureza avançada da prática real com consorte, os versos são os últimos do que já é amplamente considerado como um texto para os praticantes mais avançados, fato claramente evidente na história sobre Naropa receber o ensinamento.[7]

HinduísmoEditar

 
Bhairava e Kali em união.

No hinduísmo, o yab-yum tem um significado ligeiramente diferente. Lá, a postura adotada representa a força divina da criação. O conceito hindu é de uma divindade masculina passiva que abraça sua esposa, chamada shakti, que representa sua atividade ou poder. O yab-yum de Chakrasamvara-Vajravarahi é diretamente influenciado pela representação hinduísta de Kali e Bhairava em união.

SadhanaEditar

O simbolismo da união e da polaridade sexual é um ensinamento central no budismo tântrico, especialmente no Tibete. A união é realizada pelo praticante como uma experiência mística dentro do próprio corpo.[8]

Como uma prática tântrica, o Yab-yum é semelhante ao Karmamudrā ou "selo de ação". Este é o yoga tântrico envolvendo um parceiro físico. No entanto, o objetivo da prática é controlar os próprios ventos. Esse sadhana faz parte do estágio de conclusão.

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Simmer-Brown, J. (2002). Dakini's Warm Breath: The Feminine Principle in Tibetan Buddhism. Shambhala. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8348-2842-1 
  2. Keown, Damien. (2003). A Dictionary of Buddhism, p. 338. Oxford University Press. ISBN 0-19-860560-9.
  3. The Marriage of Wisdom and Method By Marco Pallis
  4. upaya Encyclopædia Britannica
  5. Paramasukha-Chakrasamvara and Vajravarahi
  6. «Natural Awareness: Mahamudra texts». www.naturalawareness.net 
  7. «Life of Tilopa & The Ganges Mahamudra Thrangu Rinpoche». www.namsebangdzo.com 
  8. Herrmann-Pfandt, Adelheid. "Yab Yum Iconography and the Role of Women in Tibetan Tantric Buddhism." The Tibet Journal. Vol. XXII, No. 1. Spring 1997, pp. 12-34.