Abrir menu principal
Year Zero
Álbum de estúdio de Nine Inch Nails
Lançamento União Europeia 16 de abril de 2007
Estados Unidos 17 de abril de 2007
Japão 25 de abril de 2007
Gravação "ao redor do mundo"
Setembro - 13 de dezembro de 2006
Gênero(s) Rock industrial, glitch music
Duração 63:51
Gravadora(s) InterscopeHALO 24
Produção Trent Reznor, Atticus Ross
Cronologia de Nine Inch Nails
With Teeth
(2005)
Year Zero Remixed (2007)

Year Zero (também conhecido como Halo 24 e no Japão com o sub-título Zero-Gen-Ten[1]) é o quinto álbum de estúdio da banda de rock industrial estado-unidense Nine Inch Nails, lançado em 16 de abril de 2007 pela Interscope Records, e foi composto por Trent Reznor durante a turnê em suporte do lançamento anterior do grupo, With Teeth (2005). Em contraste com o estilo introvertido de composição que Reznor utilizava em discos anteriores, Year Zero é um álbum conceitual que critica políticas contemporâneas do governo dos Estados Unidos ao apresentar uma visão distópica do ano 2022, e faz parte de um projeto Year Zero mais amplo que inclui um álbum de remixagens, um alternate reality game, um potencial projeto televisivo ou cinematográfico e uma possível seqüência.[2] O alternate reality game de Year Zero expandiu sobre a linha narrativa do álbum usando mídias como websites, mensagens de telefone pré-gravadas, e murais.

Year Zero recebeu análises geralmente positivas, muitas das quais também foram favoráveis ao alternate reality game acompanhante. O álbum produziu dois singles, "Survivalism" e "Capital G", o último sendo um single promocional. Disputas surgiram entre Reznor e a Universal Music Group, a companhia que detém a Interscope Records, quanto ao preço do álbum no exterior. Seguindo o lançamento de Year Zero, Nine Inch Nails cumpriu seu contrato com a Interscope, e a banda procedeu como independente de qualquer representação de gravadoras.

GravaçãoEditar

 
Reznor e Atticus Ross em um quarto de hotel gravando Year Zero em 2006, durante a turnê em suporte à With Teeth.

Em uma entrevista para a Kerrang! em 2005, Trent Reznor expressou suas intenções de escrever material para um novo lançamento enquanto em turnê em suporte do quinto álbum do grupo, With Teeth (2005).[3] Reznor, segundo boatos, teria começado a trabalhar no novo álbum em setembro de 2006.[4] Durante a turnê, Reznor delineou grande parte da direção musical do álbum em seu laptop.[5] Reznor contou a Kerrang! numa entrevista posterior, "Quando eu estava na turnê [Live: With Teeth], para me manter ocupado eu apenas realmente fiquei recluso e estava trabalhando com música o tempo inteiro, então isto me manteve num modo criativo e quanto eu terminei a turnê eu senti como se não estivesse cansado e queria continuar com isso".[6] As limitações do delineamento da direção musical do álbum em um ônibus de turnê forçou Reznor a trabalhar diferentemente de como ele teria em outra situação. Reznor disse, "Eu não tinha guitarras ao redor porque era muita confusão … Foi outra limitação criativa … Se eu estivesse em meu estúdio, eu teria feito as coisas da maneira que eu normalmente as faço. Mas não ter tido a habilidade de fazer isso me forçou a tentar algumas coisas que eram divertidas de fazer".[7]

Ao final da turnê, Reznor começou o trabalho dos conceitos líricos do álbum, tentando fugir de sua abordagem tipicamente introspectiva. Reznor tomou como inspiração suas preocupações com o estado de assuntos nos Estados Unidos e o que ele envisionava como a direção política, espiritual e social do país.[8] Year Zero foi mixado em janeiro de 2007,[9] e Reznor comentou em seu blog que o álbum estava terminado a partir de 5 de fevereiro.[10] O orçamento do álbum foi estimados US$2 milhões, porém uma vez que Reznor compôs a maior parte do álbum sozinho em seu laptop e em seu próprio estúdio, a maioria do orçamento ao invés foi para a extensa campanha promocional acompanhante.[7]

MúsicaEditar

Reznor chamou Year Zero de uma "mudança na direção" no sentido de que "não soa como With Teeth".[10] Ele também disse que quando termina um novo álbum, ele tem que "entrar em conflito com as pessoas cujo trabalho é descobrir como vender o disco. A única vez em que isso não aconteceu foi com 'With Teeth'. Desta vez, no entanto, [eu estava] esperando uma batalha épica. Este não é um álbum amigável e ele certamente não soa como nada que esteja por aí agora".[11][12]

Quinze faixas originais foram consideradas para inclusão no álbum, que Reznor descreveu como "Altamente conceitual. Bem barulhento. Legal pra caramba".[13] Reznor também descreveu o álbum como uma "coisa tipo colagem-de-som", citando como inspiração musical os primeiros discos do Public Enemy,[14] especificamente as técnicas de produção de The Bomb Squad..[15][16][17] A maior parte dos elementos musicais de Year Zero foram criados por Reznor somente no seu laptop, ao contrário do cheio de instrumentos With Teeth.[5] A análise da All Music Guide descreveu o som de laptop mixado do álbum: "guitarras gritantes contra glitches, bips, estalos, e manchas de ataques sônicos embaçados. Percussão aparece vasta, distorcida, orgânica, em loops, fodida, enrolada e quebrada".[16] Muitas análises do álbum compararam seu som eletrônico com lançamentos prévios do Nine Inch Nails como The Downward Spiral e The Fragile, enquanto contrastando seus sons altamente modificados para a abordagem mais "orgânica" de With Teeth.[18][19][20] Muitos críticos também comentaram no tom geral do álbum, incluindo descrições como "muitos ambientes prata e cinza" e referências ao "tom oblíquo" do álbum.[19][20]The New York Times analisou descrevendo o som dizendo "batidas pesadas são suavizadas com distorção, a amortece o furor, sorrateiras linhas de baixo flutuam entre a superfície". O artigo continuou descrevendo faixas individuais: "E como sempre, a música é cheia de detalhes: "Meet Your Master" passa por pelo menos três ciclos de decadência e renascimento; parte da diversão de "The Warning" é rastrear os timbres sempre mutáveis".[21]

Muitas das canções no álbum mostram um final instrumental estendido, que inclui a segunda parte inteira da música de três minutos "The Great Destroyer". O álbum foi co-produzido por Reznor e Atticus Ross, mixado pelo colaborador de longa data Alan Moulder, e masterizado por Brian Gardner.[22] O álbum mostra contribuições instrumentais pelo membro da banda ao vivo Josh Freese e vocais de apoio por Saul Williams.

PromoçãoEditar

 Ver artigo principal: Year Zero (Alternate Reality Game)

Em uma entrevista para a revista Kerrang!, Reznor deu a entender que o álbum era "parte de um cenário maior de um número de coisas em que eu estou trabalhando".[6] Em fevereiro de 2007 fãs descobriram que uma nova camisa de turnê do Nine Inch Nails continha letras destacadas que formavam as palavras "I am trying to believe".[5] Esta frase foi registrada como uma URL de website, e logo diversos sites relacionados também foram descobertos na extensão do IP, todos descrevendo uma visão distópica do ficcional "year 0000".[5] Foi mais tarde reportado que a 42 Entertainment havia criado estas páginas para promover Year Zero como parte de um alternate reality game.[23]

A história de Year Zero se situa nos Estados Unidos no ano 2022; ou "Year 0" (Ano 0) segundo o governo estado-unidense, sendo o ano que os Estados Unidos foram renascidos. Os Estados Unidos sofreram vários ataques terroristas, e em resposta o governo tomou o controle absoluto do país e reverteu a uma teocracia fundamentalista cristã. O governo mantém controle da população através de instituições como o Bureau of Morality e a First Evangelical Church of Plano, assim como aumentou a vigilância e entorpecimento secreto da água de torneira com um sedativo suave. Em resposta à opressão crescente do governo, diversos websites corporativos, governamentais e subversivos foram transportados de volta no tempo ao presente por um grupo de cientistas trabalhando clandestinamente contra o governo autoritário. Os websites-do-futuro foram enviados ao ano 2007 para alertar o povo estado-unidense do futuro distópico iminente e impedi-lo de ser formado em primeiro lugar.[24]

O jogo de Year Zero consiste de uma série de websites, números de telefone, e-mails, vídeos, MP3s, murais, e outras mídias que expandiram sobre a narrativa ficcional do álbum. Cada novo pedaço de mídia continha várias dicas e pistas para descobrir a próxima, dependendo da participação de fãs para descobrir cada nova faceta do jogo expansivo. Rolling Stone descreveu o envolvimento dos fãs nesta promoção como "o sonho de uma equipe de marketing".[25] Reznor, entretanto, argumentou que "marketing" era uma descrição imprecisa do jogo, e que isso "não era algum tipo de truque para fazer você comprar um álbum – isso É a forma da arte"[26] (sic).

 
Um espectrograma do barulho no final de "My Violent Heart", uma das faixas no USB drive encontrado em um concerto em Portugal.[27]

Parte desta campanha promocional envolveu USB drives que foram deixados nos locais de concerto para fãs encontrarem durante a turnê européia de 2007 do Nine Inch Nails. Durante um concerto em Lisboa, Portugal, um USB flash drive foi encontrado em um assento de banheiro contendo uma MP3 de alta qualidade da faixa "My Violent Heart", uma canção do então-inédito álbum.[27] Outros USB drives foram encontrados em concertos em Barcelona, Espanha, contendo a faixa "Me, I'm Not",[28] e em Manchester, Inglaterra, com a faixa "In This Twilight".[29][30] As mensagens encontradas nos drives e roupas de turnê levaram a websites adicionais e imagens do jogo, e o lançamento prévio de várias canções inéditas do álbum.[31] Seguindo a descoberta dos USB drives, os arquivos de áudio em alta qualidade rapidamente circularam a internet. Donos dos websites que hospedavam os arquivos logo receberam mandados de tutela inibitória da Recording Industry Association of America, ainda que a Interscope houvesse sancionado a campanha viral e o lançamento prévio das faixas.[26][32] Reznor falou ao The Guardian:

O USB drive foi simplesmente um mecanismo de vazar a música e os dados que nós queríamos que estivessem por aí. O veículo do CD está ultrapassado e é irrelevante. É mesmo dolorosamente óbvio o que as pessoas querem – música livre de GDD com as quais eles possam fazer o que quiser. Se a gananciosa indústria fonográfica abraçasse esse conceito eu verdadeiramente acho que as pessoas pagariam por música e consumiriam mais dela.[31]

Em 22 de fevereiro de 2007 um teaser trailer foi lançado através da página oficial do Year Zero. Mostrava um relance rápido de uma placa de rodovia azul que dizia "I AM TRYING TO BELIEVE", assim como um relance distorcido de "The Presence" da capa do álbum. Um frame no teaser levou os fãs a uma URL contendo a capa do álbum completa.[33] Em março, os arquivos de áudio em multi-track do primeiro single de Year Zero, "Survivalism", foram lançados no formato GarageBand para os fãs remixarem. Os arquivos multitrack para "Capital G", "My Violent Heart" e "Me, I'm Not" foram lançados em 26 de abril;[34] "The Beginning of the End", "Vessel" e "God Given" foram lançados em 12 de junho.[35] Em resposta a um vazamento antecipado do álbum, ele foi inteiramente disponibilizado para streaming no MySpace da banda em 10 de abril.[36]

TemasEditar

Os designs de merchandise da turnê de 2006 do Nine Inch Nails apresentava referências evidentes ao Exército dos Estados Unidos, as quais Reznor afirmou "refletia direções futuras".[10] Reznor mais tarde descreveu Year Zero como "a trilha sonora de um filme que não existe".[20] O álbum critica as políticas do governo estado-unidense,[37] e "pode ser sobre o fim do mundo".[10] Reznor especificamente citou o que ele rotulava como a "erosão das liberdades" e "a maneira como nós tratamos o resto do mundo e nossos próprios cidadãos".[8] Reznor havia previamente chamado os resultados das eleições de 2004 nos Estados Unidos como "um passo mais próximo ao fim do mundo".[38]

Apesar de a história ficcional começar em janeiro de 2007, a linha do tempo do álbum e alternate reality game menciona eventos históricos, como os ataques de 11 de setembro e a Guerra do Iraque. A partir disso, eventos ficcionais levam ao caos mundial, incluindo ataques bioterroristas, os Estados Unidos engajando uma guerra nuclear com Irã, e a eliminação das liberdades civis estado-unidenses nas mãos da agência governamental ficcional The Bureau of Morality. Embora seja ficcional, um colunista do The Hartford Courant comentou "O que é assustador é que isto não parece tão faz-de-conta quanto deveria, dadas recentes revelações sobre o abuso do Patriot Act pelo FBI e as declarações com duplo sentido de discordância-iguala-deslealdade vindas de Washington em anos recentes".[39][40]

Performance 2007Editar

 
Nine Inch Nails durante concerto da turnê Performance 2007, em Munique, Alemanha.

Após dar um tempo das turnês para completar o trabalho em Year Zero, a banda ao vivo embarcou em uma turnê mundial em 2007 chamada Performance 2007, que incluiu a primeira performance na China[41] e a segunda passagem da banda por um país lusófono - desta vez Portugal, com três concertos seguidos em Lisboa,[42] nos quais foram apresentadas três canções inéditas em sua forma ao vivo: "Last",[43] "We're In This Together"[44] e a versão Still de "The Fragile".[45] Reznor continuou a realizar concertos com a mesma banda com a qual concluiu as turnês anteriores: Aaron North, Jeordie White, Josh Freese, e Alessandro Cortini. A turnê se estendeu por 91 datas pela Europa, Ásia, Austrália, e Havaí.[46][47] Ao final da turnê, Reznor afirmou que acabaria com a "forma de banda de rock" de sua banda ao vivo após o concerto de 8 de setembro de 2007 em Honolulu, Havaí, e exploraria outros meios de tocar o material do Nine Inch Nails em turnês subseqüentes,[48] o que de fato significaria apenas a saída de Aaron North e Jeordie White.

Entre as partes da turnê, Nine Inch Nails fez uma apresentação como parte do jogo de Year Zero. Um pequeno grupo de fãs recebeu chamadas de telefone ficcionais do jogo que os convidavam para um "encontro da resistência" em um estacionamento em Los Angeles. Àqueles que compareceram foram dados "kits de resistência", alguns dos quais continham celulares que mais tarde informariam os participantes de mais detalhes.[49] Após receber instruções pelos celulares, fãs que compareceram a reunião ficcional Art is Resistance em Los Angeles foram recompensados com uma performance não anunciada do Nine Inch Nails. O concerto acabou rápido quando a reunião foi invadida por um time da SWAT ficcional e os espectadores foram evacuados para fora do prédio.[50][51]

ArteEditar

Todo o trabalho de arte para Year Zero foi criado por Rob Sheridan, diretor de arte atuante do Nine Inch Nails, que também é creditado pelo trabalho de arte em With Teeth, entre outros lançamentos do Nine Inch Nails desde 2000. A arte de capa mostrando "The Presence" a partir da visão de um indivíduo em um automóvel,[52] segue os temas de seu alternate reality game, assim como o feito com seus singles e derivados. O álbum contém uma face de CD termo-cromo sensível ao calor que aparece preto quando primeiramente aberto, mas revela um código binário preto em um fundo branco quando calor é gerado a partir do álbum ter sido tocado.[53][54] A seqüência binária traduz para "exterminal.net", o endereço de um website envolvido no alternate reality game. Reznor mostrou desprazer com os $10 extras adicionados ao preço do CD na Austrália para a termo-cobertura, dizendo que só custava um extra de 83¢ por CD e que o custo extra saiu de seu bolso.[55]

Incluído com o álbum está uma pequena inserção: um aviso do fictício United States Bureau of Morality (USBM), com um número de telefone para reportar as pessoas que "engajaram-se em atos subversivos". Quando o número é discado, uma gravação do USBM é tocada, declarando que "Ao ligar neste número, você e sua família estão implicitamente se declarando culpados pelo consumo de mídia antiamericana e foram sinalizados como militantes em potencial".[26][39]

Lançamento e recepçãoEditar

Seguindo seu lançamento em abril de 2007, Year Zero vendeu mais de 187.000 cópias em sua primeira semana.[56] O álbum alcançou a segunda posição na Billboard 200[57] e alcançou no top 10 em seis outros países, incluindo Austrália, Canadá e o Reino Unido.[58][59][60] O primeiro single do disco, "Survivalism", alcançou a 68ª posição na Billboard Hot 100, e ficou no topo das paradas de singles canadense e na Modern Rock.[61][62] O single promocional de "Capital G" conseguiu a sexta posição na parada Modern Rock.[61]

Em uma atualização do website oficial do Nine Inch Nails, Reznor condenou a Universal Music Group — a companhia dona da Interscope Records — por seus planos de preços e promocionais para Year Zero.[63] Ele chamou o preço de varejo da companhia para Year Zero na Austrália como "ABSURDO" (sic), concluindo que "como recompensa por ser um 'fã verdadeiro', você é roubado". Reznor continuou dizendo que à medida que "o clima se torna mais e mais desesperador para as gravadoras, a resposta delas para seu basicamente ferimento auto-infligido parece ser ferrar o consumidor cada vez mais".[64] A atualização de Reznor, especialmente seu criticismo com a indústria das gravadoras em geral, gerou considerável atenção da mídia.[65] Reznor continuou seu ataque à Universal Music Group durante um concerto em setembro de 2007 na Austrália, onde ele incitou fãs lá a "roubar" sua música online ao invés de comprá-la legalmente.[66] Reznor continuou a encorajar a platéia para "roubar e roubar e roubar e roubar mais um pouco e dar tudo para seus amigos e continuando a roubar".[67] Apesar da Universal nunca ter respondido publicamente ao criticismo, um porta-voz para a Australian Music Retailers Association disse "É o mesmo preço na Austrália como é nos EUA por causa do acondicionamento extra".[68] Devido a disputa dos preços, planos para lançar um maxi-single de "Capital G" na Europa foram descartados. A faixa foi ao invés lançada como single promocional, sem um número Halo, diferente da maior parte dos lançamentos oficiais do Nine Inch Nails.[63]

Year Zero foi o último álbum de estúdio do Nine Inch Nails lançado pela Interscope. Reznor anunciou em outubro de 2007 que o Nine Inch Nails havia cumprido seus compromissos contratuais com a Interscope e podia proceder "livre de qualquer contrato de gravação com qualquer selo", efetivamente terminando o relacionamento da banda com sua gravadora.[69]

Recepção da críticaEditar

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
All Music Guide       [70]
Alternative Press (5/5) [71]
Rolling Stone       [72]
Entertainment Weekly (B+) [73]
NME (5/10) [74]
Pitchfork Media (6.7/10) [75]
PopMatters (6/10) [76]
Robert Christgau (A−) [77]
Blabbermouth (9/10) [78]

A resposta da crítica ao álbum foi geralmente favorável, com uma nota média de 76% baseada em 28 análises no Metacritic.[79] Robert Christgau descreveu Year Zero como o "o álbum mais melodioso" de Reznor,[80] enquanto Thomas Inskeep da revista Stylus o elogiou como "um dos álbuns de 'rock' mais inovadores a surgir em um bom tempo".[81] Rob Sheffield da Rolling Stone chamou o álbum de o mais forte, estranho e complexo disco desde The Downward Spiral", e concluiu que "ele conseguiu sua bravata de volta".[82] Rolling Stone o colocou na 21º posição em sua lista dos "Top 50 Albums of 2007".[83]

Entretanto, algumas análises foram mais críticas; a revista Spin resumiu o álbum dizendo que "As canções se arrastam no meio, refrões se tornam permutáveis, e muitas faixas terminam com o mesmo gaguejo eletrônico".[79] A revista Hot Press teve uma reclamação similar: "Diversas faixas aqui seguem uma fórmula similar e frustrante. Durante três minutos elas mostram as piores tendências de Reznor; a grosseira lentidão dos refrões, o gemido roucos dos vocais".[79]

Vários críticos também comentaram sobre o alternate reality game acompanhante. Ann Powers do The Los Angeles Times elogiou o conceito do álbum e do jogo como "um casamento total das estéticas do pop e dos jogadores que destranca as jaulas enferrujadas da indústria fonográfica e soluciona problemas essenciais que a música rock enfrenta enquanto sua dominância cultural se transforma em pó".[84] Em relação a declinante indústria fonográfica, Joseph Jaffe da Brandweek comentou que tamanhas "medidas misteriosas de marketing […] são o que é desesperadamente necessário para ganhar atenção nesta era incerta de dilemas de distribuição e vendas em queda",[85] também elogiou grupos como o Nine Inch Nails e Radiohead por serem "mais inovadores que os mercadizadores".[85]

Sobre o mundo fictício descrito no álbum e campanha promocional, The Cleveland Free Times comentou que o mundo e os personagens romanceados do álbum "freqüentemente parecem desajeitados e forçados", mas também reconheceu que "sua claustrofobia acumulada combinou com seu assunto".[86] Ann Powers adicionou, "As canções em 'Year Zero', cada uma a partir da perspectiva de um personagem ou personagens já existentes no ARG, traçam uma conexão entre a apaixonada identificação dos fãs de música com canções e a experiência de se tornar outra pessoa online do jogador".[84]

O alternate reality game para Year Zero ganhou diversos prêmios em 2008, entre eles dois em Cannes, o Grand Prix na categoria "Viral Marketing"[87] e o Leão de Prata na categoria "Integrated Campaign";[88] dois Webbys People's Voice Award, um na categoria "Branded Content"[89] e o outro na categoria "Integrated Campaigns";[89] e um Bronze no Clio Award.[90]

Projetos relacionadosEditar

Um álbum remix, intitulado Year Zero Remixed, foi lançado em novembro de 2007. Devido a expiração de seu contrato com a Interscope Records, o lançamento, marketing e promoção do álbum estiveram completamente sob o controle de Reznor.[91] O álbum contou com remixagens de artistas incluindo The Faint, Ladytron, Bill Laswell, Saul Williams, Olof Dreijer do The Knife, e Sam Fogarino do Interpol.[92][93] O próprio Reznor encoraja fortemente remixagens das canções tiradas do álbum feitas pelos fãs, como evidenciado por sua decisão de carregar cada canção em forma multi-track para o então recém-lançado website de remix do Nine Inch Nails.[94] Versões instrumentais de canções no Year Zero estão disponíveis na página para download em múltiplos formatos, incluindo MP3, WAV, GarageBand, e Ableton Live.

Kerrang! Radio reportou que Reznor estava em negociações quanto a uma versão filmada do projeto Year Zero.[95][96] Reznor desde então comentou que está atualmente mais interessado em um projeto televisivo, do que um cinematográfico. Em agosto de 2007, ele revelou que um produtor está envolvido no projeto, que ele se encontrou com roteiristas, e que ele está jogando a idéia às redes de televisão.[97] Desde de anunciar pela primeira vez seus planos para uma série de televisão, entretanto, o progresso está lento, segundo rumores devido a Greve do Writer's Guild of America em 2007. Apesar disto, Reznor comentou que o projeto está "ainda se mexendo",[98] e que ele começou a trabalhar com o produtor de filmes estado-unidense Lawrence Bender.[7]

FaixasEditar

  1. "Hyperpower!" – 1:42
  2. "The Beginning Of The End" – 2:47
  3. "Survivalism" – 4:24
  4. "The Good Soldier" – 3:23
  5. "Vessel" – 4:53
  6. "Me, I'm Not" – 4:52
  7. "Capital G" – 3:50
  8. "My Violent Heart" – 4:14
  9. "The Warning" – 3:39
  10. "God Given" – 3:51
  11. "Meet Your Master" – 4:09
  12. "The Greater Good" – 4:52
  13. "The Great Destroyer" – 3:17
  14. "Another Version Of The Truth" – 4:09
  15. "In This Twilight" – 3:34
  16. "Zero-Sum" – 6:15

CréditosEditar

  • Trent Reznor: performance
  • Josh Freese: bateria. "Hyperpower!". [S.l.]: e "Capital G". 
  • Saul Williams: vocal de apoio em "Survivalism" e "Me, I'm Not"
  • Jeff/Geoff Gallegos: arranjos musicais de sopro, saxofone barítono. Capital G. [S.l.: s.n.] 
  • Matt Demeritt: saxofone tenor
  • Elizabeth Lea: trombone
  • William Artope: corneta

Técnicos de ProduçãoEditar

Posições nas paradasEditar

ReferênciasEditar

  1. «Year Zero "Zero-Gen-Ten". The NIN Hotline (19/02/07).». Consultado em 20 de Fevereiro de 2007 
  2. «New NIN Album Looks To The Future. FMQB.com (14/02/07).». Consultado em 20 de Fevereiro de 2007. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2007 
  3. «New NIN Album Next Year?. Kerrang!. Consultado em 12 de Fevereiro de 2007 
  4. «New Nine Inch Nails In The Works?». Blabbermouth.net. 6 de setembro de 2006. Consultado em 10 de julho de 2008. Arquivado do original em 17 de agosto de 2012 
  5. a b c d Montgomery, James (15 de fevereiro de 2007). «Weird Web Trail: Conspiracy Theory — Or Marketing For Nine Inch Nails LP?». MTV News. Consultado em 10 de julho de 2008 
  6. a b «Nine Inch Nails Mainman On New CD: 'I Wrote The Soundtrack To A Movie That Doesn't Exist'». Blabbermouth.net. 3 de janeiro de 2007. Consultado em 10 de julho de 2008. Arquivado do original em 9 de março de 2007 
  7. a b c Pareles, Jon. Frustration and Fury: Take It. It’s Free. The New York Times (08/06/08). Arquivado do original em 11/06/08. Página visitada em 10 de julho de 2008.
  8. a b Reznor, Trent. Year Zero Bonus DVD (DVD). Best Buy. Nota: DVD incluído em cópias pré-encomendadas de Year Zero pela Best Buy.
  9. Reznor, Trent. Updates from Trent. Nine Inch Nails (13/12/06). Arquivado do original em 15/12/06. Página visitada em 10 de julho de 2008.
  10. a b c d «The Spiral (registro necessário)». Nine Inch Nails. Consultado em 5 de fevereiro de 2006. Arquivado do original em 17 de agosto de 2012 
  11. Zahlaway, Jon (1 de janeiro de 2007). «New NIN album recorded, live DVD due». liveDaily.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2007 
  12. «NINE INCH NAILS Mainman On New CD: 'This Is Not A Particularly Friendly Record». Blabbermouth.net. Consultado em 11 de Fevereiro de 2007. Arquivado do original em 2 de março de 2007 
  13. «Nine Inch Nails Finish New Album». Universal Music Russia. 26 de dezembro de 2006. Consultado em 11 de Fevereiro de 2007. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2013 
  14. Knopper, Steve. Superstars Rule 2007. Rolling Stone, ed.1019, p.16.
  15. «Nine Inch Nails». Bauer Verlagsgruppe. Kerrang! (03/01/07). 3 de janeiro de 2007 
  16. a b «Nine Inch Nails – Year Zero». All Music Guide. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  17. «NINE INCH NAILS Mainman On New CD: 'I Wrote The Soundtrack To A Movie That Doesn't Exist. Blabbermouth.net.». Consultado em 11 de Fevereiro de 2007. Arquivado do original em 9 de março de 2007 
  18. Chris, Nettleton. «Nine Inch Nails: Year Zero». Drowned in Sound. Consultado em 25 de agosto de 2008. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2008 
  19. a b «Nine Inch Nails - 'Year Zero'». Yahoo! Music. Consultado em 25 de agosto de 2008 
  20. a b c «Nine Inch Nails – Year Zero». NME. Consultado em 18 de julho de 2008 
  21. Sanneh, Kelefa (17 de abril de 2007). «Flirting With Dystopia, Experimenting With Noise». The New York Times. Consultado em 25 de agosto de 2008 
  22. «Features: Nine Inch Nails. xtaster.co.uk.». Consultado em 17 de março de 2007 
  23. «42 creates viral campaign for Nine Inch Nails». Digital Arts Online. 14 de fevereiro de 2007. Consultado em 25 de agosto de 2008 
  24. «"Year Zero" Project = Way Cooler Than "Lost"». Rolling Stone. 22 de fevereiro de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  25. Goodman, Elizabeth (15 de fevereiro de 2007). «Coachella Stops Sprawl, NIN Fans = Marketing Team's Dream, Aerosmith Pressed for Time». Rolling Stone. Consultado em 18 de julho de 2008 
  26. a b c Sperounes, Sandra (15 de abril de 2007). «Paranoia lampooned in disc's marketing». Canwest News Service. Consultado em 18 de julho de 2008. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2008 
  27. a b «My Violent Heart leaks, Year Zero discussion forum». The NIN Hotline. 14 de fevereiro de 2007. Consultado em 14 de julho de 2008 
  28. «Me, I'm Not found on flash drive in Barcelona». The NIN Hotline. 19 de fevereiro de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  29. «In This Twilight. Year Zero Experience (25/02/07).». Consultado em 14 de julho de 2008 [ligação inativa]
  30. «In This Twilight. NIN Wiki.». Consultado em 14 de julho de 2008 
  31. a b Mackintosh, Hamish (29 de março de 2007). «Stars compose new ways to use music». The Guardian. Consultado em 14 de julho de 2008 
  32. Paoletta, Michael (30 de março de 2007). «Online Odyssey Stoking Interest In New NIN Album». Billboard. Consultado em 18 de julho de 2008 
  33. «Year Zero preview and possible album cover». The NIN Hotline. 22 de fevereiro de 2007. Consultado em 25 de agosto de 2008 
  34. «Multitracks for 3 YZ songs posted on nin.com». The NIN Hotline. 26 de abril de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  35. «Hot Multitrack Action». The NIN Hotline. 12 de junho de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  36. «NIN Myspace Now Features 'Year Zero'». The NIN Hotline. 10 de abril de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  37. «Nine Inch Nails: "álbum inspirado por Bush". Whiplash! (31/03/07).». Consultado em 1 de abril de 2007 
  38. «Current. Nine Inch Nails (15/04/05). Arquivado do [www.nin.com/current/ original] em 20/04/05.». Consultado em 18 de julho de 2008 
  39. a b Danton, Eric (17 de abril de 2007). «Sound Check: Year Zero». The Hartford Courant. Consultado em 18 de julho de 2008  Arquivado do original Arquivado em 24 de agosto de 2007, no Wayback Machine. em 24/08/07.
  40. As "revelações recentes" que ele se referiu são os abusos do Patriot Act pelo FBI revelados pelo inspetor-geral do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. «FBI Director Defends Patriot Act». CBS News. 27 de março de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  41. «nin.com/china, what a fuck!». The NIN Hotline. 28 de agosto de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  42. «European spring tour. NINWiki.». Consultado em 22 de novembro de 2007 
  43. «2007/02/10 Lisbon, Portugal. NINWiki.». Consultado em 22 de novembro de 2007 
  44. «2007/02/11 Lisbon, Portugal. NINWiki.». Consultado em 22 de novembro de 2007 
  45. «2007/02/12 Lisbon, Portugal. NINWiki.». Consultado em 22 de novembro de 2007 
  46. «Nine Inch Nails: Performance 2007. Nine Inch Nails. Arquivado do www.nin.com/tour/index.html original em 06/04/06.». Consultado em 18 de julho de 2008 
  47. «Nine Inch Nails: Performance 2007. Nine Inch Nails. Arquivado do www.nin.com/tour/index.html original em 08/08/07.». Consultado em 18 de julho de 2008 
  48. Chun, Gary. Reznor's edge cuts NIN's bleak outlook. Honolulu Star-Bulletin (14/09/07). Retirado em 25 de agosto de 2008.
  49. Montgomery, James; Todd Brown (16 de abril de 2007). «Nine Inch Nails' Year Almost Here, But Real-World Game Continues». MTV News. Consultado em 18 de julho de 2008 
  50. «Secret NIN Show in LA Raided By Police». The NIN Hotline. 19 de abril de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  51. «Open Source Resistance». Year Zero alternate reality game. 42 Entertainment e Nine Inch Nails. Consultado em 18 de julho de 2008 
  52. «Year Zero cover.». Consultado em 14 de julho de 2008 
  53. Gunderson, Edna (18 de abril de 2007). «Reznor nails big 'Zero' on the future». USA Today. Consultado em 18 de julho de 2008 
  54. Sanneh, Kelefa. «Flirting With Dystopia, Experimenting With Noise». The New York Times. Consultado em 13 de março de 2008 
  55. «Trent Reznor of Nine Inch Nails». Herald Sun Sunday. 17 de maio de 2007. Consultado em 18 de julho de 2008 
  56. Klosterman, Chuck (3 de agosto de 2007). «The Ethics Paradox». Esquire. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  57. a b «Nine Inch Nails - Artist Chart History». Billboard. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  58. a b «Nine Inch Nails Australian Charting». Australian-charts.com. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  59. a b c d e «Year Zero > Charts & Awards > Billboard Albums». All Music Guide. 2007. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  60. a b «UK Top 40 Hit Database». everyHit.com. Consultado em 30 de agosto de 2008  Nota: Usuário deve definir parâmetros de busca, como "Nine Inch Nails".
  61. a b c d e «Billboard Music Charts - Search Results - Nine Inch Nails». Billboard. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  62. a b «Nine Inch Nails Survivalism». Top40-Charts.com. 20 de abril de 2007. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  63. a b Kreps, Daniel (14 de maio de 2007). «Nine Inch Nails' Trent Reznor Slams Records Labels for Sorry State of the Industry». Rolling Stone. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  64. Reznor, Trent. Updates from Trent. Nine Inch Nails (13/05/07). Arquivado do original em 17/05/07. Página visitada em 28 de janeiro de 2008.
  65. «Reznor Smashes UMG, Websites Write About It». The NIN Hotline. 17 de maio de 2007. Consultado em 28 de janeiro de 2008 
  66. Moses, Asher (18 de setembro de 2007). «Nails frontman urges fans to steal music». The Sydney Morning Herald. Consultado em 28 de janeiro de 2008 
  67. «Trent follows up on Universal AU». The NIN Hotline. 16 de setembro de 2007. Consultado em 28 de janeiro de 2008 
  68. McCabe, Kathy; Johnson, Neala (16 de maio de 2007). «Rocker attacks CD prices». The Daily Telegraph. Consultado em 13 de junho de 2008 
  69. Cohen, Jonathan (8 de outubro de 2007). «Nine Inch Nails Celebrates Free Agent Status». Billboard. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  70. http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=10:wzfrxz85ldje
  71. «Cópia arquivada». Consultado em 8 de julho de 2008. Arquivado do original em 14 de novembro de 2011 
  72. http://www.rollingstone.com/reviews/album/14148899/year_zero
  73. http://www.ew.com/ew/article/0,,20034638,00.html
  74. http://www.nme.com/reviews/nine-inch-nails/8450
  75. «Cópia arquivada». Consultado em 8 de julho de 2008. Arquivado do original em 6 de julho de 2008 
  76. http://www.popmatters.com/pm/music/reviews/32959/nine-inch-nails-year-zero
  77. http://www.robertchristgau.com/get_artist.php?id=1008&name=Nine+Inch+Nails
  78. «Cópia arquivada». Consultado em 8 de julho de 2008. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2008 
  79. a b c «Nine Inch Nails – Year Zero». Metacritic. Consultado em 30 de agosto de 2008 
  80. Christgau, Robert. «Robert Christgau: CG: Nine Inch Nails». Consultado em 30 de agosto de 2008 
  81. Inskeep, Thomas (26 de abril de 2007). «Nine Inch Nails – Year Zero». Stylus Magazine. Consultado em 30 de agosto de 2008 
  82. Sheffield, Rob (3 de maio de 2007). «Nine Inch Nails – Year Zero». Rolling Stone. Consultado em 30 de agosto de 2008 
  83. Christgau, Robert, David Fricke, Christian Hoard, Rob Sheffield (17 de dezembro de 2007). «The Top 50 Albums of 2007». Rolling Stone. Consultado em 30 de agosto de 2008 
  84. a b Powers, Ann. Nine Inch Nails creates a world from 'Year Zero'. Los Angeles Times. Arquivado do original em 25/06/07. Página visitada em 30 de agosto de 2008.
  85. a b Jaffe, Joseph (26 de novembro de 2007). «Nine Inch Nails' Revolution Must Be Conceptualized». Brandweek. Consultado em 30 de agosto de 2008. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2008 
  86. Pantsios, Anastasia (14 de maio de 2008). «The Downloadable Spiral». The Cleveland Free Times. 15 (54). Consultado em 30 de agosto de 2008. Arquivado do original em 22 de novembro de 2008 
  87. «2008 Cannes Lions Grand Prix Winners». Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2012 
  88. «2008 Cannes Lions Silver Award Winners». Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2012 
  89. a b «2008 Webby Award Winners». Arquivado do original em 21 de junho de 2008 
  90. «2008 Clio Award Winners» 
  91. «Post-Interscope, Reznor Focusing On New Album». Billboard. 9 de outubro de 2007. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  92. «The Faint Remix NIN for Year Zero Remix Album». Pitchfork Media. 17 de agosto de 2007. Consultado em 20 de agosto de 2008. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2009 
  93. «Interpol's Fogarino, Knife's Olaf [sic], Ladytron remix NIN». Pitchfork Media. 21 de agosto de 2007. Consultado em 20 de agosto de 2008. Arquivado do original em 30 de janeiro de 2009 
  94. Carr, Daphne (28 de maio de 2008). «Nine Inch Nails, Radiohead, Free Music and Creative Competition». LA Weekly. Consultado em 20 de agosto de 2008 
  95. «O novo CD do Nine Inch Nails vai virar filme?. Whiplash! (10/03/07).». Consultado em 13 de Março de 2007 
  96. «Trent Reznor plans movie. Kerrang! (06/03/07). Arquivado do originalem 05/05/07.». Consultado em 20 de agosto de 2008 
  97. Adler, Heather (14 de agosto de 2007). «Nine Inch Nails Ready Apocalyptic Year Zero TV Show». Dose. Consultado em 20 de agosto de 2008. Arquivado do original em 7 de junho de 2007 
  98. Johnson, Neala (2 de abril de 2008). «Nine Inch Nails' Trent Reznor approaches the future a free man». Herald Sun 
  99. «Nine Inch Nails Austrian Charting». Austriancharts.at. Consultado em 10 de novembro de 2007 
  100. «Nine Inch Nails Finnish Charting». finnishcharts.com. Consultado em 10 de novembro de 2007 
  101. «Nine Inch Nails French Album Charting». lescharts.com. Consultado em 10 de novembro de 2007 
  102. «Nine Inch Nails Germany Chart history». Musicline.de. Consultado em 10 de novembro de 2007 
  103. «Nine Inch Nails Dutch Album Charting». dutchcharts.com. Consultado em 12 de setembro de 2007 
  104. «Nine Inch Nails New Zealand Charting». Charts.org.nz. Consultado em 10 de novembro de 2007 
  105. «Nine Inch Nails Swiss Charting». hitparade.ch. Consultado em 10 de novembro de 2007 
  106. «Chart Stats - Nine Inch Nails». Chart Stats. Consultado em 28 de setembro de 2007. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2012 
  107. «Search results for: Nine Inch Nails». FinnishCharts.com. Consultado em 28 de setembro de 2007 

Ligações externasEditar