Yevgeny Primakov

Yevgeny Maksimovich Primakov (em russo: Евгений Макси́мович Примако́в , tr. Yevgeniy Maksimovich Primakov ; 29 de outubro de 1929 - 26 de junho de 2015) foi um político e diplomata russo que serviu como primeiro-ministro da Rússia de 1998 a 1999. como Ministro das Relações Exteriores, Presidente do Soviete Supremo da União Soviética e chefe do serviço de inteligência. Primakov era um acadêmico (arabista) e membro do Presidium da Academia Russa de Ciências.[1]

Início da vidaEditar

Primakov nasceu em Kiev na RSS da Ucrânia e cresceu em Tbilisi na RSS da Geórgia. Seus pais eram judeus e o nome da família era originalmente "Finkelstein", mas mais tarde foi alterado para "Primakov".  Seu pai, de acordo com a maioria dos registros, foi enviado para os gulags durante os expurgos stalinistas. Sua mãe era Anna Yakovlevna Primakova, que trabalhava como obstetra e prima do famoso fisiologista Yakov Kirshenblat. Ele foi educado no Instituto de Estudos Orientais de Moscou, graduando-se em 1953, e fez pós-graduação na Universidade Estadual de Moscou. De 1956 a 1970, trabalhou como jornalista para a rádio soviética e como correspondente do Oriente Médio para o jornal Pravda. Durante esse tempo, ele foi enviado frequentemente em missões de inteligência para o Oriente Médio e os Estados Unidos como cooptado da KGB sob o codinome MAKSIM.[1]

Início da carreira políticaEditar

Como Pesquisador Sênior do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais, Primakov entrou em 1962 na sociedade científica. De 30 de dezembro de 1970 a 1977, atuou como vice-diretor do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais da Academia de Ciências da URSS . Nesta função, ele participou das Conferências de Dartmouth. De 1977 a 1985 foi Diretor do Instituto de Estudos Orientais da Academia de Ciências da URSS. Durante este tempo, ele também foi o primeiro vice-presidente do Comitê de Paz Soviético. Em 1985 retornou ao Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais, exercendo o cargo de Diretor até 1989. Primakov envolveu-se na política em 1989, como presidente do Soviete da União, uma das duas casas do parlamento soviético. De 1990 até 1991 foi membro do Conselho Presidencial da União Soviética do líder soviético Mikhail Gorbachev. Ele serviu como enviado especial de Gorbachev ao Iraque no período que antecedeu a Guerra do Golfo Pérsico, na qual ele manteve conversas com o presidente Saddam Hussein para tentar convencê-lo a retirar as forças iraquianas do Kuwait.[1]

Chefe de inteligência estrangeiraEditar

Após o golpe fracassado de agosto de 1991, Primakov foi nomeado Primeiro Vice-Presidente da KGB e Diretor da Primeira Diretoria Principal da KGB responsável pela inteligência estrangeira. Após a formação da Federação Russa, Primakov conduziu a transição da Primeira Diretoria Principal da KGB para o controle do governo da Federação Russa, sob o novo nome de Serviço de Inteligência Estrangeira (SVR). Primakov preservou o antigo aparato de inteligência estrangeira da KGB sob o novo rótulo SVR e não liderou expurgos de pessoal ou reformas estruturais. Ele atuou como diretor do SVR de 1991 a 1996.[1]

Ministro das Relações ExterioresEditar

Primakov serviu como Ministro dos Negócios Estrangeiros de Janeiro de 1996 até Setembro de 1998. Como Ministro dos Negócios Estrangeiros, ganhou respeito no país e no estrangeiro, com a reputação de um forte mas pragmático defensor dos interesses da Rússia  e como um oponente da expansão da OTAN no antigo bloco oriental, embora em 27 de maio de 1997, após cinco meses de negociação com o secretário-geral da OTAN Javier Solana, a Rússia assinou o Ato de Fundação, que é visto como marcando o fim das hostilidades da Guerra Fria. Ele apoiou Slobodan Milošević durante as guerras iugoslavas. Ele também foi um famoso defensor do multilateralismo como uma alternativa à hegemonia global americana após o colapso da URSS e o fim da Guerra Fria. Primakov pediu uma política externa russa baseada na mediação de baixo custo, enquanto expandia a influência para o Oriente Médio e as ex-repúblicas soviéticas. Chamada de "doutrina Primakov", a partir de 1999, ele promoveu a Rússia, China e Índia como um "triângulo estratégico" para contrabalançar os Estados Unidos. A medida foi interpretada por alguns observadores como um acordo para lutarmos juntos contra as "revoluções coloridas" na Ásia Central.[1]

Primeiro Ministro (1998-99)Editar

Depois que a tentativa de Yeltsin de restabelecer Viktor Chernomyrdin como primeiro-ministro da Rússia foi bloqueada pela Duma do Estado em setembro de 1998, o presidente se voltou para Primakov como uma figura de compromisso que ele julgou corretamente que seria aceita pela maioria do parlamento. Como primeiro-ministro, Primakov recebeu crédito por forçar algumas reformas muito difíceis na Rússia; a maioria deles, como a reforma tributária, se tornaram grandes sucessos. Após a colheita de 1998, que foi a pior em 45 anos, juntamente com a queda do rublo, uma das primeiras ações de Primakov como primeiro-ministro, em outubro de 1998, foi apelar para os Estados Unidos e Canadá por ajuda alimentar, ao mesmo tempo em que apelar à União Europeia para alívio econômico. Embora a oposição de Primakov ao unilateralismo percebido dos EUA fosse popular entre parte dos russos, também levou a uma ruptura com o Ocidente durante o bombardeio da OTAN à Iugoslávia em 1999 e isolou a Rússia durante os desenvolvimentos subsequentes na ex-Iugoslávia.[1]

Em 24 de março de 1999, Primakov estava indo para Washington, DC para uma visita oficial. Sobrevoando o Oceano Atlântico, ele soube que a OTAN havia começado a bombardear a Iugoslávia . Primakov decidiu cancelar a visita, ordenou que o avião voltasse sobre o oceano e retornou a Moscou em uma manobra popularmente apelidada de "Circuito de Primakov".[1]

Yeltsin demitiu Primakov em 12 de maio de 1999, ostensivamente devido ao ritmo lento da economia russa. Muitos analistas acreditavam que a demissão de Primakov refletia o medo de Yeltsin de perder o poder para uma pessoa mais bem-sucedida e popular,  embora fontes próximas a Yeltsin tenham dito na época que o presidente considerava Primakov muito próximo do Partido Comunista. O próprio Primakov teria boas chances como candidato à presidência. Yevgeny Primakov se recusou a demitir ministros comunistas enquanto o Partido Comunista liderava o processo de preparação de um processo de impeachment malsucedido contra o presidente. Em última análise, Yeltsin renunciou no final do ano e foi sucedido por seu último primeiro-ministro, Vladimir Putin. A demissão de Primakov foi extremamente impopular entre a população russa: de acordo com uma pesquisa, 81% da população não aprovou a decisão, e mesmo entre os apoiadores do partido liberal pró-ocidental Yabloko, 84% não aprovaram a demissão.[1]

Adjunto e representante especialEditar

Antes da renúncia de Yeltsin, Primakov apoiou a facção eleitoral Pátria - Toda a Rússia, que na época era o principal oponente da Unidade pró-Putin e lançou sua candidatura presidencial. Inicialmente considerado o homem a ser batido, Primakov foi rapidamente ultrapassado pelas facções leais ao primeiro-ministro Vladimir Putin nas eleições da Duma de dezembro de 1999. Primakov abandonou oficialmente a corrida presidencial em seu discurso de TV em 4 de fevereiro de 2000 menos de dois meses antes das eleições presidenciais de 26 de março. Logo ele se tornou um conselheiro de Putin e um aliado político. Em 14 de dezembro de 2001, Primakov tornou-se presidente da Câmara Russa de Comércio e Indústria, cargo que ocupou até 2011.[1]

Em fevereiro e março de 2003, ele visitou o Iraque e conversou com o presidente iraquiano Saddam Hussein, como representante especial do presidente Putin. Ele levou a Bagdá uma mensagem de Putin pedindo que Saddam renunciasse voluntariamente. Ele tentou impedir a invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003, um movimento que recebeu algum apoio de várias nações que se opunham à guerra. Primakov sugeriu que Saddam deve entregar todas as armas de destruição em massa do Iraque às Nações Unidas, entre outras coisas. No entanto, o líder iraquiano disse a Primakov que estava confiante de que nenhum dano lhe aconteceria pessoalmente  - uma crença que mais tarde se provou incorreta. Primakov mais tarde afirmou que a execução de Saddam em 2006 foi apressada para impedi-lo de revelar informações sobre as relações Iraque-Estados Unidos que poderiam constranger o governo dos EUA. Em novembro de 2004, Primakov testemunhou em defesa do ex - presidente iugoslavo Slobodan Milošević, em julgamento por crimes de guerra. Ele já havia liderado uma delegação russa que se encontrou com Milošević durante o bombardeio da OTAN à Iugoslávia em 1999. Primakov deixou o cargo de Presidente da Câmara de Comércio e Indústria Russa em 4 de março de 2011.[1]

Vida acadêmicaEditar

Desde 1988, Primakov foi o secretário acadêmico da Divisão de Economia Mundial e Relações Internacionais, diretor do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais e membro do Presidium da Academia de Ciências da URSS. Em 26 de maio de 2008, Primakov foi eleito membro do Presidium da Academia Russa de Ciências. Em 2009, a Universidade de Niš, Sérvia concedeu a Primakov um doutorado honorário. Em homenagem a Primakov em 2015 começou o Primakov Readings - a cúpula internacional anual destinada a promover o diálogo sobre as tendências globais atuais na economia mundial, política internacional e segurança entre especialistas de alto escalão, diplomatas e tomadores de decisão de todo o globo, organizado pelo Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais e realizada em Moscou.[1]

PessoalEditar

Seu neto Yevgeny Primakov Jr. (em russo : Евгений Александрович Примаков) é muito ativo como correspondente da mídia e com assuntos do governo russo. Como correspondente, ele era conhecido como Yevgeny Sandro (em russo: Евгений Сандро) e cobria eventos na Líbia, Palestina e a Guerra do Iraque para a NTV e mais tarde chefiou o escritório israelense do Channel One. De 2013 a 2014, esteve na Jordânia para as Nações Unidas como Diretor de Mídia e Comunicações no Gabinete do Diretor para o Oriente Médio e Norte da África. Ele foi consultor de assuntos internacionais do presidente da Duma Vyacheslav Volodin de maio de 2017 a setembro de 2018, quando Primakov foi eleito para a 7ª Duma no partido Rússia Unida.[1]

MorteEditar

Primakov morreu em Moscou em 26 de junho de 2015, aos 85 anos, após doença prolongada (câncer de fígado). Ele foi enterrado com honras militares no Cemitério Novodevichy.[1]

PrêmiosEditar

  • Ordem de Mérito da Pátria 1ª Classe (2009)
  • Ordem de Mérito da Pátria 2ª Classe (1998)
  • Ordem do Mérito da Pátria 3ª Classe (1995)
  • Medalha "Em Comemoração do 850º Aniversário de Moscou" (1997)
  • Ordem de Honra (2004)
  • Ordem de Lenin (1986)
  • Ordem do Distintivo de Honra (1985)
  • Ordem da Amizade dos Povos (1979)
  • Ordem da Bandeira Vermelha do Trabalho (1975)
  • Medalha "Veterano do Trabalho" (1974)
  • Ordem da Amizade (Tajiquistão, 1999)
  • Ordem de Yaroslav I, o Sábio 5ª Classe (Ucrânia, 2004)
  • Ordem de Danaker (Quirguistão) (2005)
  • Ordem da Amizade dos Povos (Bielorrússia , 2005)
  • Ordem de Dostyk 1ª Classe (Cazaquistão, 2007)
  • Ordem da República 1ª Classe (Transnístria, 2009)
  • Medalha da Independência (Cazaquistão, 2012)
  • Ordem de Jerusalém 1ª Classe (Autoridade Nacional Palestina, 2014)
  • Prêmio Demidov (2012)
  • Destinatário do Prêmio do Estado da URSS (1980)
  • Destinatário do Prêmio Nasser (1974)
  • Destinatário do Prêmio Avicena (1983)
  • Destinatário do Prêmio George F. Kennan (1990)
  • Recebeu o Prêmio Hugo Grotius pela enorme contribuição ao desenvolvimento do direito internacional e pela criação de uma doutrina mundial multipolar (2000).[1]

Escritos: grandes livrosEditar

  • 1979: Anatomia do conflito no Oriente Médio
  • 2003 : Um Mundo Desafiado : Combate ao Terrorismo no Século XXI
  • 2004 : Encruzilhada Russa : Rumo ao Novo Milênio
  • 2009 : Rússia e os árabes : Bastidores no Oriente Médio da Guerra Fria ao Presente
  • 2014: Encontros na encruzilhada[1]

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. a b c d e f g h i j k l m n o "Yevgeny Primakov, Russian politician - obituary". 5 July 2015 – via www.telegraph.co.uk. "Steel and shadows". The Economist. 16 July 2015. "Can Russia's Yevgeny Primakov shed his past?". The Economist. 17 September 1998. Russian Crossroads: Toward the New Millennium (2008) by Yevgeny Primakov, pp. 17 Млечин, Леонид (6 April 2019). История внешней разведки. Карьеры и судьбы. Litres. ISBN 978-5457076075 – via Google Books. Примаков Е. М. (2015). Встречи на перекрестках. ISBN 978-5-227-05739-6. Richard C. S. Trahair; Robert L. Miller (18 October 2013). Encyclopedia of Cold War Espionage, Spies, and Secret Operations. Enigma Books. p. 346. ISBN 9781936274260. Robert A. Saunders; Vlad Strukov (13 May 2010). Historical Dictionary of the Russian Federation (illustrated ed.). Scarecrow Press. p. 464. ISBN 9780810874602. Christopher Andrew and Vasili Mitrokhin, The Mitrokhin Archive: The KGB in Europe and the West, Gardners Books (2000), ISBN 0-14-028487-7 Vadim J. Birstein. The Perversion of Knowledge: The True Story of Soviet Science, Westview Press (2004) ISBN 0-8133-4280-5 Kello, Lucas (2017). The Virtual Weapon and International Order. Yale University Press. p. 215. ISBN 9780300226294. Russia and the Commonwealth of Independent States: Documents, Data, and Analysis (1997) by Zbigniew Brzezinski and Paige Sullivan, pp. 124 "СОЮЗ СОВЕТСКИХ СОЦИАЛИСТИЧЕСКИХ РЕСПУБЛИК".28 September 2011. Archived from the original on 28 September 2011. Primakov, Yevgeni (11 March 1991). "Diplomacy: My Final Visit with Saddam Hussein". Time. Retrieved 26 June 2015. Garthoff, Raymond L. (1994). The Great Transition: American-Soviet Relations and the End of the Cold War. Washington, D.C.: Brookings Institution. p. 435. ISBN 0-8157-3060-8. Henriksen, Thomas H. (31 January 2022). America's Wars: Interventions, Regime Change, and Insurgencies after the Cold War (1 ed.). Cambridge University Press. doi:10.1017/9781009053242.003. ISBN 978-1-009-05324-2. Waller, J. Michael (15 January 1995). "Who Is Making Russian Foreign Policy?". Perspective, Boston University Institute for the Study of Conflict, Ideology and Policy. Quinn, Paul (9 November 1998). "Russia's New Icon". Time. Archived from the original on 14 February 2008. Retrieved 8 May 2013. "Obituary: Yevgeny Primakov: Steel and shadows". The Economist. Retrieved 17 July 2015. https://www.economist.com/news/obituary/21657755-yevgeny-primakov-russian-spy-diplomat-and-politician-died-june-29th-aged-85-steel-and The Geopolitical Curse of the Caucasus (2013) by Nodar Gabashvili Heintz, Jim (26 June 2015). "Former Russian PM Yevgeny Primakov dies at 85". WSPA 7. Archived from the original on 27 June 2015. Retrieved 26 June 2015. https://web.archive.org/web/20150627091203/http://wspa.com/ap/former-russian-pm-yevgeny-primakov-dies-at-85/ The Third Among the Equals. Moscow, New Delhi and Beijing are creating counter-revolutionary union Kommersant 3 June 2005. http://www.kommersant.com/page.asp?id=582650 Chandra, Amresh (2010). "Strategic Triangle among Russia, China and India: Challenges and Prospects" (PDF). Journal of Peace Studies. Archived from the original (PDF) on 27 June 2015. Retrieved 26 June 2015. http://www.icpsnet.org/adm/pdf/1291712546.pdf Jolanta Darczewska, Piotr Żochowski: Active measures. Russia’s key export. OSW Point of View, No 64, June 2017. Aslund, Anders (2008). "An Assessment of Putin's Economic Policy". No. 2. CESifo Forum. http://www.iie.com/publications/papers/paper.cfm?ResearchID=974 Michael R. Gordon, Facing Severe Shortage of Food, Russia Seeks Foreign Relief Aid. New York Times, 10 October 1998. Retrieved 2016-08-09. https://www.nytimes.com/1998/10/10/world/facing-severe-shortage-of-food-russia-seeks-foreign-relief-aid.html Tsygankov, Andrey P. (2013). Russia's Foreign Policy: Change and Continuity in National Identity. Rowman & Littlefield. pp. 108–113. ISBN 9781442220003. "Кросс по минному полю". http://svr.gov.ru/smi/2006/slovo20061117-n.htm "Yeltsin Fires Prime Minister Primakov; Crisis Clouds IMF Loans, Kosovo Pact". The Wall Street Journal. 13 May 1999. Retrieved 26 June 2015. Lally, Kathy (13 May 2015). "Yeltsin dismisses Primakov". The Baltimore Sun. Retrieved 26 June 2015. https://www.wsj.com/articles/SB926472695362778967 Hoffman, David (13 May 1999). "Citing Economy, Yeltsin Fires Premier". The Washington Post. Retrieved 26 June 2015. https://www.washingtonpost.com/wp-srv/inatl/longterm/russiagov/stories/firing13.htm "Primakov, Yevgeny Maximovich". The Columbia Encyclopedia. 2014. Retrieved 26 June 2015. http://www.encyclopedia.com/topic/Yevgeny_Maksimovich_Primakov.aspx Hoffman, David (1 January 2000). "Yeltsin Resigns: 'I Did All I Could'". The Washington Post. Retrieved 26 June 2015. https://www.washingtonpost.com/wp-srv/inatl/longterm/russiagov/stories/firing13.htm "База данных ФОМ > СМЕНА КАБИНЕТА: ПРЕДВАРИТЕЛЬНЫЕ ПОЛИТИЧЕСКИЕ ИТОГИ". bd.fom.ru. https://bd.fom.ru/report/cat/pow_gov/government_primakov/o904901 Reynolds, Maura (18 August 1999). "Anti-Kremlin Bloc to Be Led by Primakov". Los Angeles Times. Retrieved 26 June 2015. https://articles.latimes.com/1999/aug/18/news/mn-1284 The 1999–2000 Elections in Russia: Their Impact and Legacy (2003) by Vicki L. Hesli and William M. Reisinger. Примаков Евгений Максимович (in Russian). Flb. Archived from the original on 6 June 2011. Retrieved 28 September 2010. https://web.archive.org/web/20110606103928/http://www.flb.ru/index_open.php?person_id=121 Zolotov Jr., Andrei (14 July 2000). "Primakov Finds Role in Putin's Kremlin". The Moscow Times. Retrieved 26 June 2015. http://www.themoscowtimes.com/news/article/primakov-finds-role-in-putins-kremlin/260775.html Historical Dictionary of Russian and Soviet Foreign Policy (2014) by Norman E. Saul, pp. 293 "Евгений Примаков: Саддаму не дали последнего слова". Archived from the original on 19 February 2007. https://web.archive.org/web/20070219164217/http://www.vesti7.ru/news?id=9664 Yossef Bodansky, The Secret History of the Iraq War. Regan Books, 2005, <nowiki>ISBN 0-06-073680-1 "Saddam execution rushed to stop him 'having last word': Primakov". Pakistan Ki Awaz. 15 January 2007. Retrieved 26 June 2015. http://www.aaj.tv/2007/01/saddam-execution-rushed-to-stop-him-having-last-word-primakov/ Simons, Marlise (7 December 2004). "A Warmer Tone in Court as Milosevic Pursues His Defense". The New York Times. Retrieved 26 June 2015. https://www.nytimes.com/2004/12/07/international/europe/07milosevic.html "Primakov: Milosevic ready in principle to talk peace". CNN. 30 March 1999. Retrieved 26 June 2015. http://www.cnn.com/WORLD/europe/9903/30/russia.kosovo.03/ "Primakov steps down from Russia's Chamber of Commerce", RIA-Novosti, 21 February 2011. http://en.rian.ru/russia/20110221/162701789.html "Евгений Примаков вошел в состав президиума РАН". lenta.ru. https://web.archive.org/web/20070219164217/http://www.vesti7.ru/news?id=9664 "Primakov počasni doktor Univerziteta u Nišu". Južne vesti, Internet novine. 16 May 2009. Retrieved 14 June 2012. http://m.juznevesti.com/vesti/drustvo/Primakov-pochasni-doktor-Univerziteta-u-Nishu.sr.html "International Think Tank Summit "Primakov Readings"". www.imemo.ru (in Russian). Retrieved 25 April 2018. https://www.imemo.ru/en/Primakov_Readings "Что такое и зачем нужно Россотрудничество" [What is Rossotrudnichestvo and why is it needed]. Центр «Досье» (dossier.center) (in Russian). 25 February 2021. https://dossier.center/rossotr/ "Умер Евгений Примаков". Kommersant. 26 July 2015. http://www.kommersant.ru/doc/2754887 Примаков похоронен с воинскими почестями на Новодевичьем кладбище (in Russian). Russian News Agency "TASS". 29 June 2015. Retrieved 29 June 2015. http://www.kommersant.ru/doc/2754887 "В.Путин наградил Е.Примакова орденом Почета". www.allmedia.ru. http://www.allmedia.ru/newsitem.asp?ID=730022 "Леонид Кучма наградил орденом президента ТПП РФ Евгения Примакова". О награждении орденом "Данакер" Примакова Е.М. Archived 8 January 2009 at the Wayback Machine (in Russian) "Евгений Примаков получил из рук Лукашенко орден Дружбы народов". Archived from the original on 28 January 2011. Primakov, Yevgeny (2004). Russian Crossroads: Towards the New Millennium. Yale University Press. ISBN 0-300-09792-1.