Abrir menu principal

YouTuber

pessoa que produz vídeos para o YouTube
(Redirecionado de Youtuber)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a descrição do termo "YouTuber". Para lista de personalidades, veja Lista de personalidades do YouTube.
Logo do YouTube em 2017

Um YouTuber, também conhecido como personalidade do YouTube, celebridade do YouTube ou criador de conteúdo do YouTube, é um tipo de celebridade e cinegrafista da Internet que ganhou popularidade no site de compartilhamento de vídeos YouTube. Às vezes, networks (redes) apoiam tais celebridades. Algumas personalidades do YouTube têm patrocinadores corporativos que pagam pela colocação de produtos em seus clipes ou produção de anúncios online. Em maio de 2019, a gravadora de Bollywood, T-Series, é atualmente o canal com mais assinaturas no YouTube, com mais de 100 milhões de inscritos.[1] Enquanto o Canal KondZilla[15] é atualmente o canal lusófono com mais inscrito no YouTube, com 50 milhões de inscritos.

Índice

EtimologiaEditar

O termo "YouTuber" refere-se à(s) pessoa(s) cuja principal ou única plataforma são canais do YouTube, subpáginas personalizadas da plataforma de compartilhamento de vídeos.[2]

HistóriaEditar

 
O co-fundador do YouTube, Jawed Karim, criou o primeiro canal do YouTube "Jawed" em 23 de abril de 2005.

O domínio da Internet "www.youtube.com" foi ativado em 14 de fevereiro de 2005 por Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim, quando eles trabalhavam para o PayPal.[3] O primeiro canal do YouTube "Jawed" foi criado em 23 de abril de 2005 PDT (24 de abril de 2005 UTC) pelo co-fundador do YouTube com o mesmo nome.[4][5] Ele fez o upload do primeiro vídeo do YouTube, um pequeno clipe de vlog intitulado Me at the zoo, no mesmo dia.[6]

Em outubro de 2005, o YouTube introduziu a capacidade de se inscrever nos canais do YouTube.[7] O New York Times afirma que a maioria dos vídeos do YouTube até 2006 se concentrava em diferentes formas de talento, citando acrobacias, sincronia labial e o talento de outras pessoas que estavam sendo transferidos por meio de clipes como clipes do Saturday Night Live.[8] Em junho de 2006, empresas reconhecidas de Hollywood e da indústria da música começaram a estabelecer laços comerciais formais com o talento "caseiro" do YouTube - o primeiro a ser considerado o blogueiro comediante Brooke "Brookers" Brodack (por meio de Carson Daly),[9] então o cantor Justin Bieber (através de Usher),[10] e o médico satirista Bassem Youssef (através de uma rede de televisão egípcia).[11][12] Em 2007, o YouTube iniciou o "Programa para Parceiros", um acordo de compartilhamento de receita de anúncios que permitia aos YouTubers ganhar dinheiro com os vídeos enviados para o YouTube.[13]

Em outubro de 2015, havia mais de 17.000 canais do YouTube com mais de 100.000 inscritos, e quase 1.500 com mais de um milhão.[14] Esses números cresceram para 115.000 e 11.000 canais do YouTube a partir de 2019, respectivamente. [carece de fontes?]

InfluênciaEditar

PewDiePie é atualmente o usuário individual com mais inscritos no YouTube.
Whindersson Nunes é atualmente o usuário individual lusófono com mais inscritos no YouTube.

De acordo com vários estudos, os YouTubers se tornaram uma importante fonte de informação e entretenimento para a geração do milênio. YouTubers influentes são frequentemente descritos como microcelebridades.[2] Como o YouTube é amplamente concebido como uma plataforma de vídeo de mídia social, as microcelebridades não parecem estar envolvidas com o sistema estabelecido e comercial da cultura de celebridades, mas parecem autogovernados e independentes. Essa aparência, por sua vez, faz com que os usuários do YouTube sejam vistos como mais compreensíveis e autênticos, também promovidos pela conexão direta entre artista e espectador usando o meio do YouTube.[14][2]

Em uma pesquisa realizada em 2014 pela Universidade do Sul da Califórnia entre 13 e 18 anos nos Estados Unidos, sobre se 10 celebridades do YouTube ou 10 celebridades tradicionais eram mais influentes, as personalidades do YouTube ocuparam os cinco primeiros lugares do ranking, com Smosh sendo o mais influente.[14] Quando repetida em 2015, a pesquisa encontrou seis YouTubers nos primeiros postos, com o KSI classificado como o mais influente.[14][15]

Vários YouTubers proeminentes e sua influência foram sujeitos de estudos científicos, como Zoella[2] e PewDiePie.[16] Devido a esse nível de influência, Robert Hovden defendeu a criação de um novo índice semelhante ao índice-g e ao índice-h para avaliar a saída e o impacto de uma pessoa no YouTube.[17]

Sucesso comercialEditar

O sucesso de seus vídeos no YouTube fez do YouTubers o alvo de patrocinadores corporativos que pagam para serem incluídos nos vídeos. Em 2015, a Forbes informou que Felix Kjellberg, conhecido no YouTube como PewDiePie, havia ganho US$ 12 milhões em 2014, mais do que alguns atores populares como Cameron Diaz ou Gwyneth Paltrow.[18] Em agosto de 2018, Walmart, Nordstrom e outros também procuram estrelas do YouTube para embaixadores.[19]

YouTube RewindEditar

 Ver artigo principal: YouTube Rewind

No final de cada ano, desde 2010, o YouTube lança um vídeo do YouTube Rewind com alguns YouTubers populares do ano em questão. O vídeo apresenta os vídeos, pessoas, músicas, filmes, memes e momentos mais populares do ano no YouTube e em outros lugares.[20][21]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Top 100 YouTubers sorted by Subscribers». Socialblade YouTube Statistics. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  2. a b c d Jerslev, Anne (14 de outubro de 2016). «In the Time of the Microcelebrity: Celebrification and the YouTuber Zoella». International Journal of Communication (em inglês). 10 (2016): 5233–5251. ISSN 1932-8036 
  3. Graham, Jefferson (21 de novembro de 2005). «Video websites pop up, invite postings». USA Today. Consultado em 2 de maio de 2018 
  4. «jawed». YouTube (em inglês). Consultado em 2 de junho de 2018 
  5. «Extract Meta Data». citizenevidence.amnestyusa.org. Consultado em 2 de junho de 2018 
  6. «YouTube created a FOMO viewing culture over the past 13 years». Polygon. 23 de abril de 2018 
  7. «Official YouTube Blog». Official YouTube Blog (em inglês). Consultado em 10 de junho de 2018 
  8. Carney, John (16 de abril de 2006). «People Who Watch People: Lost in an Online Hall of Mirrors». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 3 de junho de 2018 
  9. Collins, Scott (19 de junho de 2006). «Now she has their attention». Los Angeles Times. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  10. Herrera, Monica (19 de março de 2010). «Justin Bieber - The Billboard Cover Story». Billboard. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  11. Simon, Bob (16 de março de 2014). «Meet the "Jon Stewart of Egypt": Bassem Youssef». CBS News (60 Minutes transcript). Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 17 de março de 2014 
  12. «Youssef: 'Important to have other opinions'». Deutsche Welle. 7 de fevereiro de 2014. Consultado em 5 de maio de 2019. Arquivado do original em 17 de março de 2014 
  13. John Seabrook (16 de janeiro de 2012). «Streaming Dreams». www.newyorker.com (em inglês). Consultado em 6 de junho de 2018. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2014 
  14. a b c d Dredge, Stuart (3 de fevereiro de 2016). «Why are YouTube stars so popular?». The Guardian (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2018 
  15. Ault, Susanne (23 de julho de 2015). «Digital Star Popularity Grows Versus Mainstream Celebrities». Variety (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2018 
  16. Beers Fägersten, Kristy (1 de agosto de 2017). «The role of swearing in creating an online persona: The case of YouTuber PewDiePie». Discourse, Context & Media (em inglês). 18: 1–10. ISSN 2211-6958. doi:10.1016/j.dcm.2017.04.002 
  17. Hovden, Robert (12 de setembro de 2013). «Bibliometrics for Internet media: Applying theh-index to YouTube». Journal of the American Society for Information Science and Technology (em inglês). 64 (11): 2326–2331. ISSN 1532-2882. arXiv:1303.0766 . doi:10.1002/asi.22936 
  18. Mandle, Chris (15 de outubro de 2015). «Forbes names PewDiePie as highest-earning YouTuber with annual income reaching $12m». The Independent. Consultado em 11 de junho de 2018 
  19. Jones, Charisse (6 de agosto de 2018). «Walmart, Nordstrom and others look to YouTube stars to woo millennials and Gen Z». CNBC. NBCUniversal. Consultado em 7 de agosto de 2018 
  20. Angela Watercutter (9 de dezembro de 2015). «YouTube 'Rewind' Video Proves Nothing Is Mainstream Anymore». WIRED (em inglês). Consultado em 2 de junho de 2018 
  21. YouTube Spotlight (13 de dezembro de 2010), YouTube Rewind 2010: Year in Review, consultado em 2 de junho de 2018