Ziri ibne Manade

Ziri ibne Manade foi um general berbere sanhaja do Califado Fatímida e o fundador epônimo da dinastia zirida que governou a Ifríquia e uma das taifas do Alandalus. Fundou Achir, a primeira capital do Reino Zirida do Magrebe Central, e teve ativo papel na supressão de revoltas e invasões contra o Califado Fatímida.

Ziri ibne Manade
Morte 971
Tierte
Nacionalidade Califado Fatímida
Etnia berbere sanhaja
Progenitores Pai: Manade ibne Mancus
Filho(s) Bologuine
Zaui
Macsane
Abul Biar
Halal
Maganine
Areme
Ocupação General

VidaEditar

 
Dinar de Alcaim Biamir Alá (r. 934–946)
 
Dinar de Almuiz (r. 953–975)

Ziri era filho de Manade ibne Mancus, primeiro chefe talcata (parte dos sanhajas) conhecido.[1] Como aliado do Califado Fatímida, e sob aprovação do califa Alcaim (r. 934–946), fundou um principado no Magrebe Ocidental em 940, centrado em Achir, construída por ele em 935. Os cronistas dizem que chamou pedreiros e companheiros de Massila e Tubna para construí-la, e que o califa enviou-lhe de Cairuão outros artesãos e materiais, em especial ferro.[2] A permissão para seu estabelecimento no Magrebe Central estava ligada à forte ameaça imposta pelos zenetas magrauas, aliados dos omíadas do Califado de Córdova.[3]

Em meados da década de 940, eclodiu uma revolta do carijita nucarita Abu Iázide. Ziri foi instrumental, ao lado do andalusino Ali ibne Hamadune, para o debelar da revolta[4] e em setembro de 945, aliviou a capital califal de Mádia, que estava sob cerco de Abu Iázide.[3] Ao longo do reinado do califa Almuiz (r. 953–975), Ziri e seu filho Bologuine tiveram alguns sucessos contra os magrauas.[4] Antes de partir ao recém-conquistado Egito, e em reconhecimento por sua lealdade, o califa nomeou Bologuine como governador da Ifríquia e os territórios ocidentais que tomasse dos zenetas pró-omíadas.[3]

Em 971, Ziri (ou Bologuine) foi confiado por Almuiz com a missão de parar os magrauas, que estavam se expandindo à Ifríquia. Com um poderoso exército, lutou com eles em 15 de fevereiro, provavelmente em Tremecém, e derrotou seu líder Maomé ibne Alcair, que se suicidou para evitar ser capturado. Pouco depois, contudo, Alcair, filho de Maomé, e seu novo aliado Jafar ibne Ali ibne Hamadune, derrotaram e mataram Ziri, perto de Tierte, quando marchava para enfrentá-los.[5][6] Ziri deixou, além de Bologuine, ao menos outros seis filhos: Zaui, Macsane, Abul Biar, Halal, Maganine e Areme.[7][8]

Referências

  1. Veronne 1997, p. 18.
  2. Bresc 1997, p. 197.
  3. a b c Tibi 2002, p. 514.
  4. a b Brett 2001, p. 234.
  5. Yver 1986, p. 1176.
  6. Brett 2001, p. 323.
  7. Tibi 2002a, p. 465.
  8. ibne Caldune 1854, p. 16.

BibliografiaEditar

  • Bresc, Henri; Guichard, Pierre (1997). «Explosions within Islam: 875-1200». In: Fossier, Robert. The Cambridge Illustrated History of the Middle Ages Vol. II 950-1250. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Brett, Michael (2001). The Rise of the Fatimids: The World of the Mediterranean and the Middle East in the Fourth Century of the Hijra, Tenth Century CE. The Medieval Mediterranean 30. Leida: BRILL. ISBN 9004117415 
  • ibne Caldune (1854). Histoire des Berbères et des dynasties musulmanes de l'Afrique Septentrionale Vol. 2. Traduzido por Slane, William Mac Guckin. Paris: Imprensa do Governo 
  • Tibi, Amin (2002). «Zirids». In: Bearman, P. J.; Bianquis, Thierry; Bosworth, C.E.; Donzel, E. van; Heinrichs, W. P. The Encyclopaedia of Islam Vol XI W-Z. Leida: Brill 
  • Tibi, Amin (2002a). «Zawi b. Ziri». In: Bearman, P. J.; Bianquis, Thierry; Bosworth, C.E.; Donzel, E. van; Heinrichs, W. P. The Encyclopaedia of Islam Vol XI W-Z. Leida: Brill 
  • Veronne, Chantal de La (1997). «Sanhadja». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume IX: San–Sze. Leida e Nova Iorque: BRILL. ISBN 90-04-09419-9 
  • Yver, G. (1986). «Maghrawa». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume V: Khe–Mahi. Leida e Nova Iorque: BRILL. ISBN 90-04-07819-3