Águia de sangue

A águia de sangue é um método de tortura e execução utilizado na antiguidade, por tribos nórdicas. A águia de sangue vem das lendas nórdicas de execuções dos povos Vikings. As costas do condenado eram cortadas para obter-se acesso às costelas, que eram quebradas e torcidas para cima para parecerem asas. Além disso, sal era derramado na ferida. E como um golpe final, os pulmões eram puxados para fora e colocados sobre as asas das costelas. Felizmente, há um debate se essa prática realmente existiu ou não, ou se é apenas uma lenda.[1]

Detalhe de Stora Hammars I, Suécia, mostra um homem deitado de bruços com outro homem usando uma arma nas costas. Observe o símbolo triangular de Valknut acima, que teoricamente representa um estado de êxtase

É um método ritual de execução, detalhado na poesia skáldica tardia De acordo com os dois casos mencionados nas Sagas, as vítimas (em ambos os casos, membros de famílias reais) foram colocadas em uma posição deitada, suas costelas cortadas da coluna com uma ferramenta afiada e seus pulmões puxados através da abertura para criar um par de "asas". Há um debate contínuo sobre se o rito foi uma invenção literária, uma tradução incorreta dos textos originais ou uma prática histórica autêntica.[2][3][4]

A vítima, geralmente um condenado, ficava ajoelhado em cima de um palco e logo em seguida eram feitas incisões na altura do tórax para se ter acesso às costelas, que eram separadas da coluna vertebral com um machado, com a figura resultante na semelhança com as asas de uma águia. Desta maneira, os pulmões eram removidos da caixa torácica. Todo o processo era executado com a vítima viva e se possível,e tudo acontecendo em frente ao público, em consciência. Para finalizar, era polvilhado sal nas feridas e aguardava-se que o condenado morresse..

Este método de tortura era destinado aos infratores que fossem julgados por perturbar a ordem dos deuses, por isso o método de execução era tão bárbaro. Aqueles que fossem submetidos a este tipo de execução, teria que sofrer em silêncio para que pudesse entrar em Valhala,que é o paraíso pós morte que os nórdicos acreditam. Caso o infrator gritasse, ele estava submetido à maldição de nunca conseguir atravessar os portões sagrados de Valhala.

Dois são os exemplos desse ritual na literatura nórdica, além de referências oblíquas que alguns interpretaram como referindo-se à mesma prática. As versões primárias compartilham certas semelhanças e as vítimas são nobres: Halfdan Haaleg ou "Perna-Longa" que era um príncipe e Ela da Nortúmbria, um rei, tendo ambas as execuções sido realizadas em retaliação ao assassinato de um pai.[5]

Einarr e HalfdanEditar

Existem duas fontes que pretendem descrever a execução ritual de Halfdan "Perna-Longa" no final do século IX. Ambos foram escritos vários séculos depois dos eventos que retratam e existem em várias versões que se influenciaram mutuamente. Na saga Orkneyinga, a águia de sangue é descrita como um sacrifício a Odin. Ambas em Islandês:

Þar fundu þeir Hálfdan hálegg, ok lèt ​​Einarr rísta örn á baki honum með sverði, ok skera rifin öll frá hrygginum ok draga þar út lúngun, ok gaf hann Óðni til sigrs sèr.[6]  ... Einarr os fez esculpir uma águia em suas costas com uma espada, e cortar todas as costelas da espinha, e tirar os pulmões de lá, e deu-a a Odin pela vitória que ele havia ganhado.[7]

O Heimskringla de Snorri Sturluson contém um relato do mesmo evento descrito na saga Orkneyinga, com Einarr realmente realizando o feito:

Þá gékk Einarr jarl til Hálfdanar; hann reist örn á baki honum með þeima hætti, em hann lagði sverði á hol við hrygginn ok reist rifin öll ofan alt á lendar, dró þar út lungun; var þat bani Hálfdanar.[8]  ... Depois, Earl Einarr foi até Halfdan e cortou a "águia de sangue" em suas costas, desta forma que ele enfiou sua espada em seu peito pela espinha dorsal e cortou todas as costelas até os lombos, e então puxou os pulmões; e essa foi a morte de Halfdan.[9]

Os filhos de Ragnar Lodbrok e o rei Ela da NortúmbriaEditar

Em "O conto dos filhos de Rágnar" (em islandês "Þáttr af Ragnars sonum"), o Rei Ivar, o Desossado, capturou o rei Ela da Nortúmbria, que matou o pai de Ivar, Ragnar Lodbrok. O assassinato de Ela da Nortúmbria, após uma batalha pelo controle de York , é descrito assim "Eles fizeram com que a águia ensanguentada fosse esculpida nas costas de Ela, e cortaram todas as costelas da espinha, e então arrancaram seus pulmões".[10]

A águia de sangue é citada pelo poeta do século XI Sigvatr Þórðarson , que, em algum momento entre 1020 e 1038, escreveu um verso escáldico chamado Knútsdrápa que narra e estabelece que Ivar, o sem ossos, matou Ela da Nortúmbria e posteriormente cortou suas costas: "E Ívarr, o que morava em York, cortou as costas de Ela com [uma] águia."[11]

O verso skáldico, um meio comum deos poetas nórdicos, pretendia ser enigmático e alusivo, e a natureza idiomática do poema de Sighvatr como uma descrição do que se tornou conhecida como águia de sangue é uma questão de discussão histórica, particularmente porque nas imagens nórdicas o águia foi fortemente associada a sangue e morte.[10]

Saxo Grammaticus em "Gesta Danorum" livro 9, capítulo 5, conta o seguinte sobre Bjørn e Sigvard, filhos de Ragnar Lodbrok e do rei Ela: "Isso eles fizeram na hora marcada; e quando o capturaram, ordenaram que a figura de uma águia fosse cortada em suas costas, regozijando-se em esmagar seu inimigo mais cruel, marcando-o com o mais cruel dos pássaros. Não satisfeitos com a impressão de uma ferida nele, eles salgaram a carne mutilada. "[12]

Outras descriçõesEditar

Outra possível referência indireta ao rito aparece no texto de "Norna-Gests þáttr" Existem duas estrofes de versos perto do final de sua seção 6, " Sigurd Felt the Sons of Hunding", onde um personagem que descreve eventos anteriores diz: "Agora, a águia de sangue. Com uma espada larga, O assassino de Sigmund, Esculpida nas costas. Menos foram mais valentes, À medida que as tropas se dispersavam, Um chefe do povo, Que alegrava o corvo."[13]

AutenticidadeEditar

Discute-se se a águia de sangue foi historicamente praticada ou se foi um artifício literário inventado pelos autores que transcreveram as sagas. Não existem relatos contemporâneos do rito,e as poucas referências nas sagas ocorrem várias centenas de anos após a cristianização da Escandinávia. Alfred Smyth apoiou a historicidade do rito, afirmando que é claramente um sacrifício humano ao deus nórdico Odin. Ele caracterizou a descrição de St. Dunstan da morte de Ela da Nortúmbria como um "relato preciso de um corpo submetido ao ritual da águia de sangue".[14]

Roberta Frank revisou as evidências históricas do rito em seu "Atrocidade Viking e Verso Escáldico: O Rito da Águia de Sangue", onde ela escreve: "No início do século XIX, os vários motivos da saga - esboço de águia, divisão de costela , cirurgia pulmonar e o sal - foram combinados em sequências inventivas projetadas para o horror máximo. "  Ela conclui que os autores das sagas interpretaram mal os versos aliterativos que aludiam a deixar os inimigos de cara no campo de batalha, com as costas dilaceradas como carniça por pássaros necrófagos. Ela comparou os detalhes sinistros da águia de sangue aos folhetos do martírio cristão , como o que relata as torturas de São Sebastião, disparou tão cheio de flechas que suas costelas e órgãos internos ficaram expostos. Ela sugere que esses contos de martírio inspiraram mais exageros dos versos escáldicos mal compreendidos em uma tortura grandiosa e rito de morte sem nenhuma base histórica real. David Horspool em seu livro King Alfred: Burnt Cakes and Other Legends , embora não se comprometesse com a veracidade histórica do rito, também viu paralelos com os tratados de martírio.  O artigo de Frank gerou um "debate animado".[15][16][17]

Ronald Hutton 's As religiões pagãs das Ilhas Britânicas antigos : sua natureza e Legado afirma que "o rito até então notória do 'Blood Eagle,' a morte de um guerreiro derrotado, puxando para cima suas costelas e os pulmões através de suas costas, tem sido mostrou ser quase certamente um mito cristão resultante da má compreensão de algum versículo mais antigo."[18]

ReferênciasEditar

  1. «15 Types of Torture | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2021 
  2. Frank, Roberta (1984). "Viking atrocity and Skaldic verse: The Rite of the Blood-Eagle". English Historical Review. Oxford Journals. XCIX (CCCXCI): 332–343. doi:10.1093/ehr/XCIX.CCCXCI.332.
  3. Tracy, Larissa (2012). Torture and Brutality in Medieval Literature: Negotiations of National Identity. DS Brewer. pp. 109–111. ISBN 9781843842880. Archived from the original on 2015-09-23. Retrieved 2015-03-30.
  4. Dash, Mike (18 March 2013). "The Vengeance of Ivarr the Boneless". Smithsonian.com. Smithsonian. Retrieved 30 March 2015.
  5. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 29 de julho de 2016. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  6. Guðbrandur Vigfússon, Sir George Webbe Dasent. Orkneyinga saga and Magnus saga, with appendices, Volume 1 (em English). Oxford University. [S.l.]: H.M.S.O., 1887 
  7. Office, Great Britain Public Record (1894). Rolls Series (em inglês). [S.l.]: H.M. Stationery Office 
  8. «Haralds saga hins hárfagra – heimskringla.no». heimskringla.no. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  9. Sturluson, Snorri (5 de julho de 2010). Heimskringla: History of the Kings of Norway (em inglês). [S.l.]: University of Texas Press 
  10. a b The sagas of Ragnar Loðbrok. Ben Waggoner. New Haven, Connecticut: The Troth. 2009. OCLC 654135528 
  11. Frank, Roberta (1984). «Viking atrocity and Skaldic verse: The Rite of the Blood-Eagle». The English Historical Review (em inglês) (CCCXCI): 332–343. ISSN 0013-8266. doi:10.1093/ehr/XCIX.CCCXCI.332. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  12. Grammaticus, Saxo. The Danish History. [S.l.: s.n.] 
  13. «Northvegr - The Story of Norna-Gest». web-archive-org.translate.goog. 23 de março de 2010. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  14. «Alfred P. Smyth. <italic>Scandinavian Kings in the British Isles, 850–880</italic>. (Oxford Historical Monographs.) New York: Oxford University Press. 1977. Pp. x, 307. $24.00». The American Historical Review. Fevereiro de 1979. ISSN 1937-5239. doi:10.1086/ahr/84.1.135. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  15. Frank, Roberta (1984). «Viking atrocity and Skaldic verse: The Rite of the Blood-Eagle». The English Historical Review (em inglês) (CCCXCI): 332–343. ISSN 0013-8266. doi:10.1093/ehr/XCIX.CCCXCI.332. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  16. Horspool, David (2006). King Alfred : burnt cakes and other legends. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. OCLC 68221462 
  17. Bjarni Einarsson, "De Normanorum Atrocitate, or on the Execution of Royalty by the Aqueline Method", The Saga Book, 22 (1988): 79–82; Roberta Frank, "The Blood-Eagle Again", The Saga Book, 22 (1988): 287–289 ; Bjarni Einarsson and Roberta Frank, "The Blood-Eagle Once More: Two Notes", The Saga Book, 23 (1990): 80–83.
  18. Hutton, Ronald (1991). The Pagan Religions of the Ancient British Isles: Their Nature and Legacy states. Oxford: Blackwell. p. 282. ISBN 978-0631172888.