Adalberto de Bremen

prelado alemão, arcebispo de Hamburgo-Bremen
(Redirecionado de Adalberto de Hamburgo)
Adalberto de Bremen
Arcebispo da Igreja Católica
Arcebispo de Hamburgo-Bremen
Arcebispo Adalberto, estátua em bronze de Heinrich G. Bücker no Dom-Museum, Bremen
Ordenação e nomeação
Nomeado arcebispo 15 de julho de 1043
Dados pessoais
Nascimento Goseck
c. 1000
Morte Goslar
16 de março de 1072 (72 anos)
dados em catholic-hierarchy.org
Arcebispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Adalberto de Bremen, em alemão: Adalbert von Bremen, também Alberto, conde palatino da Saxônia (provavelmente em Goseck, c. 1000 — Goslar, 16 de março de 1072) foi um prelado alemão, arcebispo de Hamburgo-Bremen, de 1043 até sua morte.[1] É também conhecido como Adalberto I do Palatinado da Saxônia.

BiografiaEditar

Adalberto era filho do conde Frederico de Goseck e de sua esposa Inês da linhagem dos condes de Weimar. Ele se tornou sucessivamente cânone em Halberstadt; subdiácono do arcebispo de Hamburgo (1032); reitor da Catedral de Halberstadt; e Arcebispo de Hamburgo (1043 ou 1045) por nomeação real, com supremacia sobre a Península Escandinava e grande parte das terras dos vendos, além do território ao norte do rio Elba.[2]

Ele é provavelmente o Adalberto mencionado como Chanceler da Itália sob o comando de Henrique III em 1045. No início de sua carreira episcopal, ele assumiu o antigo feudo de Hamburgo com os Billings, no qual ele teve a cooperação de Henrique III. Tendo acompanhado o Imperador em uma campanha de cristianização contra os lutícios (1045), ele também viajou com ele para Roma (1046). Após o encerramento do cisma papal, Henrique desejou tornar Adalberto papa, mas ele recusou e apresentou seu amigo Suidger (Clemente II) como candidato.[2]

Ele cooperou na conversão dos vendos, e três novos bispados foram fundados, todos subordinados a Hamburgo. Adalberto então concebeu a ideia de um grande patriarcado do norte, com sede em Hamburgo, mas foi constantemente frustrado. Os reis da Noruega e da Suécia começaram a enviar seus bispos à Inglaterra para consagração, e Sueno II da Dinamarca, apelou ao imperador Henrique e ao papa Leão IX por seu próprio arcebispo, o que significaria uma perda territorial para Hamburgo após passados quase 200 anos de árduo trabalho de cristianização. O consentimento de Adalberto foi necessário para tal decisão, que ele prometeu ratificar apenas com a condição de que seu sonho de um patriarcado do norte fosse realizado. Toda a discussão foi interrompida pela morte do papa (1054) e do imperador (1056).[2]

Durante a regência da imperatriz Inês da Aquitânia, Adalberto perdeu o controle da corte, e o jovem imperador Henrique IV caiu sob a influência de Anno, arcebispo de Colônia. Apesar da antiga disputa entre Hamburgo e Colônia, Adalberto assumiu o controle da educação de Henrique, substituindo Anno em sua confiança e estima. Na extenuação da ânsia de Adalberto em obter privilégios para sua arquidiocese, deve-se lembrar que ele havia sacrificado muito no serviço real, e que sua influência sempre foi para o curso de ação mais aberta e direta, em contraste com o do partido da oposição. Sua bajulação e indulgência a Henrique, no entanto, foram prejudiciais em seus efeitos. Forçado a se afastar da corte em 1066, pelo ciúme dos nobres, ele foi novamente admitido nos conselhos de Henrique em 1069. Sua ascensão ao Imperador terminou apenas com sua morte (1072).[2]

O arcebispo Adalberto é caracterizado por Adão de Bremen como minax vultu et habitu verborumque altitudine suspeitous audientibus. Por mais generoso, prudente e zeloso que fosse, seu personagem foi marcado por um orgulho indomável, o que o levou a ser retratado nas cores mais negras.[2]

Notas

  1. Thorne, J. O.; Collocott, T. C. (1984). Chambers biographical dictionary. Rev. ed. ed. Edimburgo: Chambers. p. 7. ISBN 0-550-16010-8. OCLC 13665413 
  2. a b c d e Rudge, Florence Marie. «Adalbert». Catholic Encyclopedia (em inglês). 1 1913 ed. Nova Iorque: The Encyclopedia Press. pp. 126–127 

Referências

Leitura adicionalEditar

  • Wolfgang Seegrün: Adalbert von Hamburg-Bremen. Em: Theologische Realenzyklopädie (TRE). Vol 1, de Gruyter, Berlim/Nova Iorque 1977, ISBN 3-11-006944-X, p. 407–410
  • G. Dehio: Geschichte des Erzbistums Hamburg-Bremen; Vol.1, 1877, p. 175ff
  • F. Hartmann: Erzbischof Adalbert von Hamburg-Bremen und die Papstwahl im Dezember 1046; em: Archivum Historiae Pontificiae, Vol.40 (2002), p. 15-36.
  • E. Maschke: Adalbert von Bremen; em: Welt der Geschichte, 9 (1943), p. 25-45
  • Karl Ernst Hermann Krause: Adalbert I. (Erzbischof von Hamburg-Bremen). Em: Allgemeine Deutsche Biographie (ADB). Vol 1, Duncker & Humblot, Leipzig 1875, p. 56–61
  • Otto Heinrich May: Adalbert I.. Em: Neue Deutsche Biographie (NDB). Vol. 1, Duncker & Humblot, Berlim 1953, p. 42 f.

Ligações externasEditar


Adalberto de Bremen
Condes de Goseck
Nascimento: c. 1000 em Goseck Morte: 25 de março de 1072 em Goslar
Títulos da Igreja Católica
Precedido por:
Adalbrando
Arcebispo de Bremen-Hamburgo
também chamado de Alberto I

1043–1072
Sucedido por:
Liemar