Abrir menu principal

Adenoma hepático

Hepatocellular adenoma
Adenoma hepático (parte inferior da imagem). H&E
Especialidade gastroenterologia, oncologia
Classificação e recursos externos
CID-10 D13.4
ICD-O: M8170/0
OMIM 114550, 142330
DiseasesDB 5726
eMedicine med/48
MeSH D018248
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Adenoma hepático ou Adenoma hepatocelular é um tumor benigno hepático associado a níveis elevados de estrógeno. Mais frequentes em mulheres em idade fértil que usam contraceptivos orais. Geralmente são descobertos incidentalmente por razões não relacionadas, com diâmetro de 8 a 10 cm, enquanto não causam sintomas. Se não for tratado há um risco de 30% de hemorragia, portanto recomenda-se ressecação cirúrgica.

Índice

CausasEditar

Os principais fatores de risco desse tumor são[1]:

Sinais e sintomasEditar

São geralmente assintomáticos, descobertos incidentalmente em imagem ordenada por alguma razão não relacionada. Entre 25 e 50% dos adenomas hepáticos causam dor no quadrante superior direito ou na região epigástrica do abdômen. Cerca de 30% causam hemorragia interna e resultam em hipotensão arterial, taquicardia e sudorese.[2]

DiagnósticoEditar

Adenomas hepáticos com mais de 8-15 cm podem ser palpados no hipocôndrio direito, na maioria dos casos indolores. São arredondados com uma pseudocápsula e podem chegar a 30 cm. Em 25% foram múltiplos tumores. Pode ser diagnosticado e acompanhado com Ressonância magnética, Ecografia ou Tomografia computadorizada. Recomenda-se fazer PAAF para diferenciá-lo de outros tumores hepáticos mais comuns como hemangioma e hiperplasia nodular focal, pois adenomas hepáticos possuem maior risco de complicações, inclusive transformação maligna.[3]

TratamentoEditar

Os pacientes com adenomas hepáticos devem evitar contraceptivos orais, terapia de reposição hormonal e gravidez, pois eles podem fazer com que o adenoma cresça mais rapidamente e se rompam causando maior hemorragia. As recomendações atuais são que todos os adenomas hepáticos devem ser ressecados, desde que sejam acessíveis cirurgicamente e o paciente seja um candidato operacional razoável.[4][5]

Referências

  1. Dr Craig Hacking e Dr Koshy Jacob et al. Hepatic adenoma. https://radiopaedia.org/articles/hepatic-adenoma
  2. Hepatocellular Adenoma. eMedicine Gastroenterology. http://emedicine.medscape.com/article/170205-overview
  3. http://www.liverfoundation.org/abouttheliver/info/benigntumors/
  4. Cho, S; Marsh J; Steel J; et al. (2008). "Surgical management of hepatocellular adenoma: take it or leave it?". Ann Surg Oncol (15): 2795–2803.
  5. Shortell CK, Schwartz SI. Hepatic adenoma and focal nodular hyperplasia. Surg Gynecol Obstet. 1991 Nov;173(5):426-31. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1658955