Adir Botelho

Adir Botelho
Nascimento 3 de março de 1932 (88 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação gravador
Empregador Universidade Federal do Rio de Janeiro

Adir Botelho (Rio de Janeiro, 1932) é um artista plástico e professor brasileiro. É professor catedrático da Escola de Belas Artes (EBA) da UFRJ.

HistóriaEditar

Adir Botelho começou a gravar com Raimundo Cela na EBA/UFRJ em 1951,onde havia se graduado em pintura, trabalhando como seu assistente até 1954. A partir de 1955, foi assistente de Oswaldo Goeldi, que sucedera a Cela na cátedra de Gravura da EBA. Em 1961, com a morte de Goeldi, Botelho assumiu a cátedra. Participou da V e IX Bienais de São Paulo e trabalhou por muitos anos como ilustrador no jornal O Globo.

Professor conceituado, também teve projeção como decorador de grandes ambientes, tendo iniciado seus trabalhos com a ornamentação da Avenida Presidente Vargas para o carnaval. Figura importante como artista plástico e decorador, criou A Trinca, com os colegas David Ribeiro e Fernando Santoro, empresa dissolvida após a morte de David. Com A Trinca, venceu o concurso de decoração da cidade do Rio de Janeiro com os sobrados de Debret. Outro importante trabalho seu foi baseado na música A Banda, de Chico Buarque, o qual foi exibido no Canecão.

Botelho pesquisou extensamente a história de Canudos e de Antônio Conselheiro[1] e criou centenas de xilogravuras sobre o tema, reunidas no livro Canudos - Xilogravuras,[2] que ganhou da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) o prêmio da de melhor livro de arte nacional em 2002. Recentemente, Botelho reuniu no volume Canudos: agonia e morte de Antônio Conselheiro: desenhos a carvão uma série de suas gravuras sobre Canudos e Antônio Conselheiro, desta vez desenhadas a carvão.[3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. A saga de Conselheiro em carvão. Reportagem do Correio da Bahia de 13/03/2007 - http://www.correiodabahia.com.br/folhadabahia/noticia_impressao.asp?codigo=124122 Arquivado em 27 de setembro de 2007, no Wayback Machine.
  2. BOTELHO, Adir. Canudos - Xilogravuras. Ed. Empório do Livro, 2002. https://www.siciliano.com.br/livro.asp?orn=LCAT&Tipo=2&ID=419179[ligação inativa]
  3. BOTELHO, Adir. Canudos: agonia e morte de Antônio Conselheiro: desenhos a carvão. Rio de janeiro: UFRJ/Escola de Belas Artes, 2006

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.