Abrir menu principal
Santo Adriano
Mártir
Morte 303, 304 ou 306 em Nicomédia
Veneração por
Principal templo Igreja de Santo Adriano no Fórum, Roma
Festa litúrgica
  • 4 de março
  • 26 de agosto
  • 8 de setembro
  • 1 de dezembro
Atribuições Representado armado, com bigorna nas mãos ou pés
Padroeiro Soldados
Gloriole.svg Portal dos Santos

Adriano (em latim: Adrianus) e Natália foram romanos do final do século III e começo do IV. Adriano era membro da guarda pretoriana e foi martirizado em Nicomédia sob ordens do imperador Galério (r. 293–311) após declarar publicamente que era cristão. Natália levou os restos mortais do marido para Argirópolis, perto de Bizâncio.

Índice

VidaEditar

Adriano era membro da guarda pretoriana do imperador Galério (r. 293–311), segundo registros lendários e não verificados preservados em grego e latim. Em certa ocasião, esteve presente no julgamento e tortura de 22 cristão em Nicomédia. Diz-se que ficou tão abismado com a resiliência dos torturados que decidiu declarar-se cristão em público, apesar de não ser batizado. Sua esposa Natália, com quem estava casado há 13 meses, foi informada do ocorrido e visitou na prisão, onde beijou suas correntes e tratou-o. Ele a mandou para casa, prometendo mantê-la informada. Quando soube que ia ser morto, pagou ao guarda da prisão para deixá-lo ir cumprimentar sua esposa, mas quando o viu, pensando que havia negado sua fé, ela bateu a porta na sua cara. Ele explicou que os outros prisioneiros haviam sido feitos reféns até ele retornar e voltaram juntos à prisão.[1][2]

Natália vendou os ferimentos dos prisioneiros e cuidou deles por uma semana. Adriano foi levado perante o imperador, mas recusou-se a sacrificar aos ídolos, depois foi chicoteado e levado à sua cela. Outras mulheres seguiram o exemplo de Natália, mas Galiano impediu que entrassem. Então Natália cortou o cabelo, vestiu-se como homem e entrou.[2] Quanto a sua execução, as fontes divergem. Segundo uma versão, seu corpo foi quebrado e então jogado no fogo;[3] noutra, seu corpo foi quebrado com uma bigorna e então decapitado, morrendo nos braços de Natália;[4] numa terceira, após ser quebrado, seu corpo foi jogado ao fogo e Natália teve que ser impedida de se jogar nas chamas. Na última versão, diz-se que uma tempestade apagou o fogo, permitindo aos cristãos recolherem os restos mortais dele e dos outros mártires.[1] Sua morte foi datada em 303,[4][5] 304[1] e 306.[3] Alguns autores modernos consideram que houve mais de um mártir de nome Adriano na Nicomédia, este martirizado sob Galério e outro sob Licínio (r. 308–324).[1]

Alguns versões colocam que os cristãos levaram seus restos mortais para Argirópolis, no Bósforo, perto de Bizâncio, e que Natália foi para lá com a mão do marido que recuperara; noutra versão, foi a própria que levou seus restos para Argirópolis antes de serem transladados à Igreja de Santo Adriano no Fórum, no Fórum Romano, em Roma. Quando Natália morreu, foi sepultada junto do marido.[1] A translação de seu corpo é celebrada em 8 de setembro. O Martirológio Romano menciona-o em 4 de março e 26 de agosto, a mesma data no Menaion. [3] Natália é celebrada consigo em 8 de setembro[4] e 1 de dezembro.[1] Adriano é geralmente representado armado, com uma bigorna em suas mãos ou pés. Seu culto é muito forte em Flandres, Alemanha e norte da França.[4]

Referências

BibliografiaEditar

  • Attwater, Donald (1965). The Avenel Dictionary of Saints. Nova Iorque: Avenel Books 
  • Kirsch, J. P. (1910). «Hadrian». Enciclopédia Católica. Nova Iorque: Robert Appleton Company 
  • Monges de Ramsgate (1921). «Hadrian and Others (SS.) MM.». The Book of Saints - A Dictionary of Servants of God Canonised by the Catholic Church Extracted From the Roman and Other Martyrologies. Londres: A & C Black, LTD 

Ligações externasEditar