Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Agrostologia é o ramo da botânica que estuda as gramíneas e, num sentido amplo, de todas as plantas forrageiras.[1]

É a ciência que consiste no correto uso do solo para o plantio de espécies forrageiras destinadas ao consumo animal, a fertilidade e adaptação dessas plantas e seus teores nutritivos.

É cada vez mais crescente o estudo do melhoramento genético dessas espécies vegetais e do manejo das pastagens para que haja, ao mesmo tempo, uma melhor manutenção dos rebanhos e um menor desgaste do solo.

Há, portanto, a necessidade da consorciação de Gramíneas com Leguminosas (temporais ou perenes), contribuindo não só para a preservação do solo como para o fornecimento de um alimento enriquecido, indispensável na dieta animal. Esta proporção, na dieta, deve ser, em media de 30% de leguminosas para 70% de gramíneas.

O cultivo de gramíneas perenes, como o capim elefante, solteiros ou consorciados com leguminosas, e o plantio de leguminosas solteiras (banco de proteínas) servem, principalmente, para suplementar a pastagem no período de seca.

As plantas forrageiras podem se dividir na seguinte classificação: "

- Forragens verdes, que contemplam as gramíneas e leguminosas forrageiras.

- Raízes e tubérculos, compostos por alimentos como, por exemplo, a mandioca, a cenoura, beterraba, etc.

- Grãos e sementes, onde esta incluída uma das maiores fontes energéticas da alimentação animal: o milho.

Adubação E Produtividade Estimada

Calagem - Técnica que consiste na incorporação de calcareo para a eliminação de alumínio (Al) tóxico e também aumentar os níveis de magnésio (Mg) e cálcio (Ca), antes de qualquer plantio.

Adubação - a adição de, pelo menos, 10t/ha de esterco de curral no sulco de plantio ou 6t/ha em cobertura (duas vezes ao ano), pode substituir toda a adubação de nitrogênio(n) e potássio(K) e 50% da adubação de fósforo(P).

Caso a adubação mineral realmente seja necessária (de acordo com o resultado em analise de solo), nunca adubar com nitrogênio (N) as leguminosas.

Cada sistema apresenta suas vantagens e desvantagens e cabe ao proprietário adotar o sistema de melhor conveniência para sua criação.

Ver tambémEditar

Referências

  1. "Agrostologia". In: SOUZA, J.S.I. (cord.). Enciclopedia Agrícola Brasileira, vol. I, p. 85. São Paulo: EDUSP, 1995. link.