Albarda é um aparelho artesanal usado em bestas para o transporte de pessoas ou de mercadorias.[1] Composta principalmente de dois grandes blocos que se encaixam em ambos os lados da coluna vertebral, ligados a uma correia na barriga deixando-oca, de modo que a carga não fere o animal. Normalmente ele vai colocado em uma sela, sujeito a uma cinta de flanco e garupa. No México, o selim é uma sela de cavalo com ambos os pés de um lado , em vez de sentar-se montado em volta do animal.

Cavalo com albarda

PortugalEditar

No Sul de Portugal o artesão que fabrica albardas é o albardeiro. Também confecciona molins e monilhas.[2] A arte da albardadura está neste momento em vias de se extinguir.[3]

MéxicoEditar

É amplamente utilizado em escaramuças no México que são execuções montando diferentes exercícios com um certo grau de dificuldade, além de ser muito atraente para os actores e espectadores, para proporcionar um bom ato de beleza também conhecido por ser em um carrossel para mulheres de charro que vivem a cavalo.

  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.

Referências

  1. Pires, Pedro (31 de março de 2017). «A arte e o ofício do albardeiro nas memórias do Baixo Guadiana». Jornal do Baixo Guadiana. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  2. Varzeano, José (26 de outubro de 2012). «Molim e monilha». Alcoutim Livre. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  3. Pires, Pedro (31 de março de 2017). «A arte e o ofício do albardeiro nas memórias do Baixo Guadiana». Jornal do Baixo Guadiana. Consultado em 20 de novembro de 2019