Abrir menu principal
Alexândrio
Sartaba
Localização atual
Alexândrio está localizado em: Israel
Alexândrio
Coordenadas 32° 5' 45" N 35° 27' 41" E
Região Judeia
Província Província de Jericó
Região Cisjordânia
Dados históricos
Fundação 1º milênio a.C.
Abandono Cerca de 70 d.C.
Período/era Helenístico ao Império Romano

Alexândrio (em latim: Alexandrium), também conhecido pelo nome de Sartaba, era o nome de uma fortificação construída pela dinastia dos Asmoneus,[1] localizado no topo de uma montanha entre as cidades de Bete-Seã e Jerusalém, perto do Vale do Jordão.[2] Provavelmente recebeu este nome em uma homenagem ao rei da Judeia, Alexandre Janeu (104 a.C. - 77 a.C.).

HistóriaEditar

Alexândrio foi construído pela dinastia dos Asmoneus perto da fronteira com Samaria, para receber um destacamento militar e abrigar presos políticos.[3] O historiador Flávio Josefo descreveu o forte como parte de um plano de fortificação das fronteiras da Judeia, juntamente com os fortes de Maquero e Hircano. Mais tarde foi mencionado durante a conquista da Judeia pelo general Pompeu. Em 64 a.C. o rei Aristóbulo II foi para Alexândrio com a intenção de resistir ao ataque dos romanos, mas Pompeu, que após conquistar as cidades de Pella e Bete-Seã, atacou e tomou a fortaleza, em seguida continuou em direção a Coreæ.[4]

Em 57 a.C., Alexander Asmoneu iniciou o restauro da fortaleza e pouco tempo depois de fugir de uma batalha nos arredores de Jerusalém, abrigou-se na fortaleza com um exército de 4.500 homens. Mais tarde, o governador da Síria, Aulo Gabínio atacou o forte onde o destruiu parcialmente.[5][6]

Alexândrio foi restaurada novamente por ordem de Herodes, o Grande, uma tarefa que ele atribuiu a seu irmão Pheroras. Herodes deu-lhe a característica de um Palácio no deserto, semelhante aos construídos em Massada, Heródio e Maquero. Herodes usou a fortaleza como uma prisão para seus oponentes políticos. Em 30 a.C., Herodes manteve sua esposa Mariana e sua mãe Alexandra presa neste palácio, que também foi o local do enterro de Alexandre e Aristóbulo, filhos Herodes executados na cidade de Sebastia em 7 a.C..[2]

A fortaleza foi finalmente destruída nos motins que ocorreram durante o governo dos imperadores Vespasiano e Tito.[7][8]

BibliografiaEditar

  • Josefo, Flavio (1895). Josephus,"William Whiston, The Works of Flavius Josephus". Nova York: ed. John E. Beardsley 
  • Rocca, Samuel (2008). "The Forts of Judaea 168 BC – AD 73". Oxford: Osprey Publishing. ISBN 9781846031717 

Referências

  1. Josephus, Antiquities of the Jews 13:417
  2. a b Rocca 2008, p. 30-32.
  3. Rocca 2008, p. 12.
  4. Flávio Josefo "Antiguidades Judaicas",p.48
  5. Apiano "De Bellum Civile" II, 24-59
  6. Flávio Josefo, "A Guerra dos Judeus" I, 6
  7. K. Baedeker, "Palästina und Syrien", 3d ed.,1880, p. 169
  8. Krauss, Samuel. «ALEXANDRIUM». JewishEncyclopedia.com. Consultado em 7 de maio de 2011 

Ligação externaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexândrio