Abrir menu principal

Alpes Marítimos (província romana)

Provincia Alpes Maritimae
Província dos Alpes Marítimos
Província do(a) Império Romano
14-século V

Provinciaromana-AlpesMaritimos-pt.svg
Alpes Marítimos em 120
Capital Cemenelo (até 297)
Civitas Ebrudunênsio
Líder Prefeito

Período Antiguidade Clássica
14 d.C. Criada por Augusto
297 d.C. Ampliada por Diocleciano, incorporando os Alpes Cócios
século V Invasões lombardas
século V Incorporada ao Reino Franco

Alpes Marítimos (em latim: Alpes Maritimae) era o nome de uma província do Império Romano localizada na região dos Alpes. Juntamente com os Alpes Cócios e os Alpes Peninos, ocupava a região alpina fronteiriça entre os modernos estados da França e Itália.

HistóriaEditar

Dião Cássio afirma que o território era habitado por ligúrios que ainda eram livres em 14 a.C., data em que Otaviano anexou a região ao Império Romano e criou a província dos Alpes Marítimos.

A população estava dividida em três gentes (tribos): os ligúrios, os capilatos e os montanos. Cada uma delas representava um agrupamento de outras tribos, as vencidas por Augusto e mencionadas no Tropaeum Alpium (sogiontos, brondiontos, nemalonos, galitas, triulatos, vergunos, eguituros, namaturos, oratelos, nerusos, velaunos e sutros), as tribos da costa, que já haviam sido assimiladas muito antes (deciates, oxíbios e vediantos) e finalmente as tribos do interior (avânticos e biodônticos).

No período tardio do império, o formato da província passou por diversas alterações. Parte das tribos da costa (deciates e oxíbios) foram reunidas na Gália Narbonense e as tribos mais setentrionais (egdínios, veminos e vesubianos) foram doadas ao Reino Cócio (que, muito depois, acabaria incorporado de volta nos Alpes Marítimos.

Depois que Otaviano criou a província, ele nomeou um prefeito para gerenciar a região. Sua capital era Cemenelo (Cimiez), atualmente um distrito da cidade de Nice, na França.

Em 297, durante a reforma administrativa do imperador Diocleciano (r. 284-305), ela foi ampliada para o norte e noroeste chegando até o rio Durance e o passo Montgenèvre. A capital foi transferida para Civitas Ebrudunênsio (Embrun). A província passou a fazer parte da Diocese de Vienne da Prefeitura pretoriana das Gálias.

Principais cidadesEditar

A partir de 297:

BibliografiaEditar

  • AAVV (1975). Cambridge Ancient History. L'impero romano da Augusto agli Antonini. Milano: [s.n.] p. Vol. VIII 
  • Davide Faoro, Novità sui Fasti equestri della Rezia, in Quaderni friulani di archeologia n.XVII, Trieste 2007, pp.97-120.
  • Grant, Michael (1984). Gli imperatori romani. Roma: Newton & Compton. ISBN 88-7819-224-4 
  • Mario Attilio Levi, Augusto e il suo tempo, Milano 1994.
  • Santo Mazzarino (1976). L'Impero romano. Bari: Laterza. p. Vol. I. ISBN 88-420-2401-5 
  • Scarre, Chris (1995). Chronicle of the Roman Emperors (em inglês). Londra: [s.n.] ISBN 0-500-05077-5 
  • Scullard, Howard (1992). Storia del mondo romano. Milano: Rizzoli. ISBN 88-17-11903-2 
  • Pat Southern, Augustus, Londra-N.Y. 2001.
  • Spinosa, Antonio (1996). Augusto. Il grande baro. Milano: Mondadori. ISBN 88-04-41041-8  Parâmetro desconhecido |wkautor= ignorado (ajuda)
  • Spinosa, Antonio (1991). Tiberio. L'imperatore che non amava Roma. Milano: Mondadori. ISBN 88-04-43115-6 
  • Syme, Ronald (1992). L'aristocrazia augustea. Milano: Rizzoli. ISBN 88-17-11607-6  Parâmetro desconhecido |wkautor= ignorado (ajuda)
  • Syme, Ronald (2002). The Roman Revolution (em inglês). Oxford: [s.n.] ISBN 0-19-280320-4