Abrir menu principal

Ameal

localidade e antiga freguesia de Portugal
Portugal Ameal 
  Freguesia portuguesa extinta  
Brasão de armas de Ameal
Brasão de armas
Ameal está localizado em: Portugal Continental
Ameal
Localização de Ameal em Portugal Continental
Coordenadas 40° 11' 25" N 8° 32' 37" O
Concelho primitivo Coimbra
Concelho (s) atual (is) Coimbra
Freguesia (s) atual (is) Taveiro, Ameal e Arzila
Extinção 28 de janeiro de 2013
Área
- Total 11,25 km²
População (2011)
 - Total 1 682
    • Densidade 149,5 hab./km²
Orago São Justo

Ameal foi uma freguesia portuguesa do concelho de Coimbra, com 11,25 km² de área e 1 682 habitantes (2011). Faziam ainda parte da antiga freguesia os lugares de Vila Pouca do Campo e Quinta das Cunhas. Densidade: 149,5 hab/km².

Foi extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional,[1] sendo o seu território integrado na União das Freguesias de Taveiro, Ameal e Arzila com a sede em Taveiro.

A paróquia de Ameal, que tem como padroeiro S. Justo, era um priorado da apresentação dos frades crúzios do Convento de S. Jorge de Coimbra. Também a Universidade de Coimbra possuiu aqui, posteriormente, alguns casais, por herança dos bens do priorado-mor crúzio. Foi figura de grande destaque na localidade João Maria Correia Aires de Campos, 1.º Conde do Ameal. Filho de João Correia Aires de Campos, notável arqueólogo, e de Leonor de Sá Correia, foi chefe do Partido Regenerador em Coimbra, ainda sob o regime monárquico, deputado e presidente desta Câmara Municipal. Criterioso coleccionador, reuniu no seu palácio, à rua da Sofia, um autêntico museu, constituído por inúmeras peças de incalculável valor. Formou uma das melhores bibliotecas da época, ao nível daquelas que existiam, já, em Lisboa e no Porto. Comprou o Colégio de S. Tomás, construído em 1566, do qual viria a resultar o actual Palácio da Justiça. Recebeu o título de Conde em 22 de Junho de 1901, por D. Carlos I. O 2º Conde do Ameal, João de Sande de Magalhães Mexia Salema Aires de Campos, filho do primeiro, foi também 1.º Visconde do Ameal. Recebeu esse título no mesmo dia em que o pai recebia o de Conde. Desempenhou importantes cargos políticos, desde deputado em várias legislaturas até Secretário do Ministro dos Estrangeiros Venceslau de Lima. Foi Presidente do Asilo de Mendicidade de Coimbra, seguindo a tradição familiar (já João Maria Correia Aires de Campos o fora).

Juntamente com o Palácio dos Condes de Ameal, a igreja paroquial, dedicada a S. Justo, é um dos maiores vultos patrimoniais de Ameal. A maior parte da obra é da primeira metade do século XVI, como se percebe pela porta e arco cruzeiro. No século seguinte, foi-lhe acrescentada uma porta lateral, e no século XIX, por estar em ruínas, sofreu muitas modificações. Assim, a frontaria só conserva de origem a porta manuelina. A própria torre sineira não o é, tendo sido erguida apenas no século passado. O retábulo principal da igreja e os colaterais são do século XVIII. Dourados e policromados, representam respectivamente a Virgem com o Menino e S. José, a Senhora da Conceição e um Crucifixo de pedra, renascentista. As várias capelas do templo são assim descritas pelo "Inventário Artístico de Portugal": "A primeira capela foi do Sacramento. Portal de composição sobreposta, pilastras com pendurados em baixo, colunas na altura do arco, bustos dos Santos Pedro e Paulo nos medalhões, obra datada de 1627, secundária. Tecto de cantaria, em cúpula de caixotes. Retábulo de madeira, policromado, da segunda metade do século XVIII, corrente. A segunda capela tem entrada do mesmo esquema da anterior, mais simples e obra mais dura, decorada de almofadados, dos meados do século XVII.

Localização no Concelho de Coimbra

Índice

PopulaçãoEditar

População da freguesia de Ameal [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
827 905 945 963 1 153 1 084 1 181 1 406 1 505 1 635 1 690 1 722 1 756 1 678 1 682


     

PatrimónioEditar

  • Igreja de São Justo, século XVI
  • Capela de Nossa Senhora da Alegria, século XIII
  • Palácio dos Condes do Ameal
  • Fonte dos Reis

PersonalidadesEditar

Referências

  1. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro (Reorganização administrativa do território das freguesias). Acedido a 2 de fevereiro de 2013.
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.