Abrir menu principal
Angelo Maria Dolci
Cardeal da Igreja Católica
Arcipreste da Basílica de Santa Maria Maior
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Nomeação 22 de maio de 1933
Predecessor Dom Bonaventura Cerretti
Sucessor Dom Alessandro Verde
Mandato 1933 - 1939
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 5 de junho de 1890
Nomeação episcopal 19 de abril de 1900
Ordenação episcopal 13 de maio de 1900
por Dom Francesco Satolli
Nomeado arcebispo 9 de dezembro de 1906
Cardinalato
Criação 13 de março de 1933
por Papa Pio XI
Ordem Cardeal-presbítero (1933-1936)
Cardeal-bispo (1936-1939)
Título Santa Maria da Vitória (1933-1936)
Palestrina (1936-1939)
Brasão
Coat of arms of Angelo Maria Dolci.svg
Dados pessoais
Nascimento Civitella di Agliano
12 de julho de 1867
Morte Civitella d'Agliano
13 de setembro de 1939 (72 anos)
Nacionalidade Italiano
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Angelo Maria Dolci (12 de julho de 1867 - 13 de setembro de 1939) foi um cardeal católico romano italiano e ex- núncio .

BiografiaEditar

Dolci nasceu em Civitella di Agliano e foi ordenado em 5 de junho de 1890.

O Papa Leão XIII nomeou-o bispo de Gubbio em 19 de abril de 1900. Ele foi nomeado delegado apostólico no Equador , Bolívia e Peru em 7 de dezembro de 1906. Ele foi promovido a arcebispo titular de Nazianzo em 9 de dezembro de 1906. Ele foi chamado a Roma em 1910 e foi nomeado arcebispo de Amalfi em 27 de janeiro de 1911. Deixou Amalfi quando foi nomeado delegado apostólico e vicário apostólico de Constantinopla em 10 de junho de 1914. Foi transferido para a arquidiocese titular de Gerapoli em 13 de novembro de 1914. Em 1922 foi nomeado como Núnciona Bélgica , porém, ele não conseguiu se apossar da nunciatura e foi transferido para o da Romênia.

Ele foi criado e proclamado Cardeal-Sacerdote de Santa Maria della Vittoria, Roma pelo Papa Pio XI no consistório de 13 de março de 1933. Ele foi nomeado arcipreste da Basílica de Santa Maria Maior em 22 de maio de 1933. Ele foi eleito para a ordem de bispos cardeais, tomando a sé suburbicária de Palestrina em 15 de junho de 1936. Participou do conclave de 1939 que elegeu o papa Pio XII . Ele morreu em setembro daquele ano.

Genocídio ArmênioEditar

Em 1915, como Delegado Apostólico em Constantinopla (1914-1922), o Arcebispo Dolci escreveu a Mehmed V e Talaat Pasha para pedir misericórdia em favor dos armênios, que estavam sendo deportados e massacrados. Dolci informou ao Vaticano o papa Bento XV e seu secretário de Relações Exteriores Eugenio Pacelli , o futuro papa Pio XII . Ele admitiu ter sido enganado pelos turcos, porque apesar de dar garantias contrárias ao delegado da Santa Sé, eles continuaram a massacrar os armênios.[1]

FonteEditar

ReferênciasEditar