Anna Seghers

escritora alemã

Anna Seghers (Mainz/Mogúncia, 19 de novembro de 1900Berlim, 1 de junho de 1983) foi uma escritora alemã. Seu nome de nascimento foi Netty Reiling, seu nome de casamento Netty Radványi. Mais tarde, como escritora, passou a assinar seu nome como Anna Seghers.

Anna Seghers
Anna Seghers (1966)
Nascimento 19 de novembro de 1900
Mainz/Mogúncia, Alemanha
Morte 1 de junho de 1983 (82 anos)
Berlim, Alemanha Oriental
Nacionalidade Alemã
Cônjuge László Radványi (1925, 2 filhos)
Ocupação Escritora
Prémios Prémio Georg Büchner (1947)

Prêmio Lenin da Paz (1951)

Magnum opus Os mortos permanecem jovens
Túmulo de Anna Seghers no Cemitério Municipal da Dorotheenstrasse, em Berlim.

Dados BiográficosEditar

Anna Seghers foi filha única do casal Isidor Reiling e Hedwig Reiling (nascida Fuld), que se identificava com a comunidade judaica ortodoxa. Inicialmente Anna freqüentou uma escola privada, depois um liceu (colégio para moças). Foi voluntária durante a Primeira Guerra Mundial e fez seu Abitur, exame alemão que corresponde ao vestibular do Brasil, no ano de 1920, vindo a frequentar universidades em Colônia (Köln) e Heidelberg, estudando Sinologia (Civilização da China), História e História da Arte. Em 1924 apresenta a sua dissertação: Judeus e judaísmo nas obras de Rembrandt.

Em 1925 Anna Seghers se casa com o sociólogo húngaro László Radványi. O casal se muda para Berlim onde nasce seu filho Peter. Em 1927 é publicado 'Grubetsch', um de seus primeiros escritos, assinado simplesmente 'Seghers', sem nenhum primeiro nome, o que leva os críticos a assumirem que se trata de um autor do sexo masculino.

Em 1928 nasce a sua filha Ruth. Neste mesmo ano surge seu primeiro livro 'Aufstand de Fischer von St. Barbara', no qual ela utiliza pela primeira vez o pseudônimo 'Anna Seghers' - baseado no nome do desenhista holandês Hercules Segers (que mais tarde também passou a ser escrito Seghers), cujo trabalho ela muito admirava.

Em 1925 ela se casou com László Radványi , também conhecido como Johann Lorenz Schmidt, um comunista húngaro, adquirindo assim a cidadania húngara.

Ela ingressou no Partido Comunista da Alemanha em 1928, numa época em que a República de Weimar estava moribunda e logo seria substituída. Seu romance de 1932, Die Gefährten foi um aviso profético dos perigos do nazismo , pelo qual ela foi presa pela Gestapo . Em 1932, ela deixou formalmente a comunidade judaica.

Um ano depois, ela conseguiu um visto de entrada no México e passagem de navio. Estabelecendo-se na Cidade do México, ela fundou o antifascista 'Heinrich-Heine-Klub', em homenagem ao poeta judeu alemão Heinrich Heine . Ela também fundou o Freies Deutschland ( Free Germany ), um jornal acadêmico.

Em 1934, ela emigrou, via Zurique , para Paris . [1] Depois que as tropas alemãs invadiram a Terceira República Francesa em 1940, ela fugiu para Marselha, tentando deixar a Europa.

Ainda em Paris, em 1939, ela escreveu A Sétima Cruz. O romance se passa em 1936 e descreve a fuga de sete prisioneiros de um campo de concentração. Foi publicado em inglês nos Estados Unidos em 1942 e rapidamente adaptado para um filme americano de mesmo nome . Este foi lançado em 1944 pela MGM e estrelado por Spencer Tracy . A Sétima Cruz foi uma das poucas representações de campos de concentração nazistas , na literatura ou no cinema, durante a Segunda Guerra Mundial . Em 1947, Seghers recebeu o Prêmio Georg Büchner por este romance.

O conto mais conhecido de Seghers, o título de sua coleção em The Outing of the Dead Girls (1946), foi escrito no México. Foi parcialmente autobiográfico, extraído de sua reminiscência e reimaginação de uma excursão de classe pré-Primeira Guerra Mundial no rio Reno. Ela explora as ações dos colegas de classe do protagonista à luz de suas decisões e destinos finais durante as duas guerras mundiais. Ao descrevê-los, o campo alemão e sua cidade natal Mainz, que logo foi destruída na segunda guerra, Seghers expressa a inocência perdida e pondera sobre as injustiças sem sentido da guerra. Ela mostra que não há como escapar dessa perda, seja ela simpatizante ou não do NSDAP . Outros romances de Seghers notáveis incluem Sagen von Artemis (1938) e O Navio dos Argonautas (1953), ambos baseados em mitos.

Em 1947, Seghers voltou para a Alemanha, estabelecendo-se em Berlim Ocidental , um enclave dentro da Alemanha Oriental controlada pelos soviéticos ( República Democrática Alemã ). Ela se juntou ao Partido da Unidade Socialista da Alemanha ( SED ) na zona ocupada pelos soviéticos. Naquele ano, ela também recebeu o Prêmio Georg Büchner por seu romance Transit , escrito em alemão e publicado em inglês em 1944.

Em 1950, mudou-se para Berlim Oriental, onde foi cofundadora da Academia de Artes da RDA e tornou-se membro do Conselho Mundial da Paz.

Recebeu, entre outros, o Prêmio Georg Büchner em 1947 e o Prêmio Lênin da Paz em 1951.

ObrasEditar

  • 1928 - Aufstand der Fischer von St. Barbara
  • 1930 - Auf dem Wege zur amerikanischen Botschaft und andere Erzählungen
  • 1932 - Die Gefährten
  • 1933 - Der Kopflohn
  • 1935 - Der Weg durch den Februar
  • 1937 - Die Rettung
  • 1940 - Die schönsten Sagen vom Räuber Woynok. Sagen von Artemis
  • 1942 - Das siebte Kreuz, Aufbau-TB, ISBN 3746651514
  • 1943 - Der Ausflug der toten Mädchen
  • 1944 - Transit
  • 1948 - Sowjetmenschen. Lebensbeschreibungen nach ihren Berichten
  • 1949 - Die Toten bleiben jung
  • 1949 - Die Hochzeit von Haiti
  • 1950 - Die Linie
  • 1950 - Der Kesselflicker
  • 1951 - Crisanta
  • 1951 - Die Kinder
  • 1952 - Der Mann und sein Name
  • 1953 - Der Bienenstock
  • 1958 - Brot und Salz
  • 1959 - Die Entscheidung
  • 1961 - Das Licht auf dem Galgen
  • 1963 - Über Tolstoi. Über Dostojewski
  • 1965 - Die Kraft der Schwachen
  • 1967 - Das wirkliche Blau. Eine Geschichte aus Mexiko
  • 1968 - Das Vertrauen
  • 1969 - Glauben an Irdisches
  • 1970 - Briefe an Leser
  • 1970 - Über Kunstwerk und Wirklichkeit
  • 1971 - Überfahrt. Eine Liebesgeschichte
  • 1977 - Steinzeit. Wiederbegegnung
  • 1980 - Drei Frauen aus Haiti
  • 1990 - Der gerechte Richter (produzido em 1957, porém não publicado naquela época por causa de motivos políticos)

Obras Traduzidas ao PortuguêsEditar

  • Brasil: Em Trânsito (Editora Paz e Terra, Rio de Janeiro)
  • Portugal: Os mortos permanecem jovens (Europa-América)
  • Portugal: A sétima cruz (Editorial Inova, Porto)
  • Brasil: A sétima cruz
  • Brasil: Travessia. Uma história de amor. Trad. Daniel Martineschen, org. e posfácio de Klaus Eggensperger. Curitiba: Editora UFPR, 2013.

Obras Traduzidas ao EspanholEditar

  • España: La revuelta de los pescadores de Santa Bárbara
  • España: La septima cruz
  • España: Histórias de mujeres (Sudamericana)
  • España: Auswahlbände (Erzählungen) (Editorial Seix Barral; Editorial Centauro)

LiteraturaEditar

  • Birgit Schmidt : Wenn die Partei das Volk entdeckt. Anna Seghers, Bodo Uhse, Ludwig Renn u.a. Ein kritischer Beitrag zur Volksfrontideologie und ihrer Literatur, Münster, ISBN 3-89771-412-4. Não existe tradução desta obra em português. Segue uma tradução livre do título somente para fins explicativos: "Quando o partido descobre o povo. Anna Seghers, Bodo Uwe, Ludwig Renn entre outros/as. Uma contribuição crítica à ideologia de frente popular e sua literatura".

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Anna Seghers
  Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.