Antêmnas

Antêmnas (em latim: Antemnae) era uma antiga cidade e colônia romana do Lácio Antigo durante a pré-história da Itália. O assentamento ficava a cerca de três quilômetros ao norte da Roma Antiga numa colina (conhecida hoje como Monte Antêmnas ou Monte Antene) e comandava a confluência do rios Aniene e Tibre[1][2] a leste da Via Salária. Atualmente o local é parte do tecido urbano de Roma e fica no quartiere Parioli.

Mapa do Lácio Antigo com destaque para Roma. Logo acima, para o norte, está Antêmnas

HistóriaEditar

Acredita-se que nome seja uma forma derivada do latim "Ante Amnes" ("Antes do Aniene")[3] e acredita-se que o assentamento seja mais antigo do que Roma[a]. No mito de fundação de Roma, seu povo, por vezes chamado de sabinos,[6] estava entre os primeiros a comparecer no festival de Netuno Equestre promovido por Rômulo para prover esposas para os homens romanos. Acredita-se que o sequestro, conhecido como "Rapto das Sabinas", tenha incitado uma invasão pelos habitantes de Antêmnas. Os romanos conseguiram repeli-los e depois conquistaram sua cidade. Os Fastos Triunfais datam a vitória de Rômulo em 752 a.C.. Como era a cidade-natal de Hersília (deificada como "Hora"), esposa de Rômulo, ela convenceu o marido a transformar os habitantes em cidadãos romanos, o que transformou Antêmnas numa colônia romana de fato.[7]

O assentamento perdeu muita importância depois disto,[1] mas foi ali que os samnitas se renderam a Sula em 82 a.C. durante a guerra civil entre o partido de Mário e o dele e era ali também que ficava um dos acampamentos de Alarico I no ano anterior ao saque de Roma pelos visigodos em 410.[1]

No século XIX, nenhum vestígio do antigo assentamento era conhecido,[1] mas uma escavação realizada por volta de 1880 durante a construção do Forte Antenne, do Reino da Itália, descobriu poços, diversas cabanas, uma cisterna e vestígios das muralhas defensivas da antiga cidade. Os restos de uma villa do final do período republicano também foram encontrados.[8]

NotasEditar

  1. Prisciano preservou uma passagem de Catão, o Velho[4] que afirma exatamente isto: "Antemna etiam veterior est quam Roma"[5].

Referências

  1. a b c d Baynes, T.S., ed. (1878). Encyclopædia Britannica. Antemnæ (em inglês). 2 9ª ed. Nova Iorque: Charles Scribner's Sons. p. 102 
  2. Quilici, Lorenzo; Gigli, Stefania Quilici (1978). Latium Vetus: Antemnae (em italiano). [S.l.]: CNR 
  3. Varrão, Ling. Lat. v. 28
  4. Catão, o Velho, Origines, I
  5. Prisciano, Instituitiones Grammaticae VI, p. 264.
  6. Ovídio, Metamorfoses XIV
  7. Lívio, Ab Urbe Condita I.9–11
  8. Cifani, Gabriele (2008). Architettura romana arcaica: edilizia e società tra monarchia e repubblica (em italiano). [S.l.]: L'Erma di Bretschneider. p. 185. ISBN 978-88-8265-444-3