Anta do Monte Abraão

dolmen em Queluz-Belas, Portugal
Anta do Monte Abraão
Apresentação
Tipo
Parte de
Antas de Belas (d)
Estatuto patrimonial
Monumento Nacional (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Localização
Coordenadas
Mapa

A Anta do Monte Abraão foi um dólmen megalítico localizado na freguesia de Queluz e Belas, no município de Sintra, Distrito de Lisboa, Portugal.

Este dólmen foi identificado pela primeira vez, em 1876, por Carlos Ribeiro, que realizou escavações até 1878 e publicou os resultados da sua investigação em 1880. As escavações sugerem que serviu como tumba para cerca de 80 indivíduos e que remonta desde o meio até ao fim do período neolítico (4000-2500 a.C). A Anta do Monte Abraão e a vizinha Anta da Pedra dos Mouros (também conhecida como Anta do Senhor da Serra) e Anta da Estria são coletivamente conhecidas como Antas de Belas.[1][2][3]

A Anta do Monte Abraão está classificada como Monumento Nacional desde 1910.[4]

Esboço de Ribeiro do plano do dolmen

Descrição editar

A câmara funerária da Anta do Monte Abraão tinha uma orientação leste-oeste. Tinha pelo menos seis pedras de suporte de calcário ou ortostatos na vertical e três deles foram encontrados in situ por Ribeiro. A câmara poligonal tinha diâmetro de 3,6 metros, aproximada por corredor de 8 m com 2 m de largura. Trabalhos posteriores de Vergílio Correia Pinto da Fonseca identificaram desenhos limitados em algumas pedras. Apesar da destruição da tumba, as escavações renderam inúmeras descobertas, incluindo machados de pedra, ferramentas e lâminas de pederneira, pontas de flecha de pederneira, cabeças de paus, cerâmicas de cerâmica, vasos de argila e objetos de adorno. Esses estão expostos no Museu Geológico Português, em Lisboa.[3][5][6]

 
Dois desenhos de Ribeiro do dólmen.

Além da visita de Pinto da Fonseca, as descobertas de Ribeiro atraíram pouco interesse no dólmen até a década de 1960, quando os arqueólogos ficaram preocupados com a possível destruição das Antas de Belas como resultado da expansão urbana e da construção de rodovias. Além disso, a Anta do Monte Abrão foi ameaçada pela atividade de uma pedreira localizada nas proximidades. A condição atual das pedras é ruim e grafites extensos são visíveis.[7]

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Anta do Monte Abraão

Referências