Antecipar, reconhecer, avaliar, controlar, confirmar e reavaliar


Antecipar, reconhecer, avaliar, controlar, confirmar e reavaliar (ARACCR) é uma estrutura de tomada de decisão e processo usado no campo da Higiene Ocupacional ou Higiene Industrial para antecipar e reconhecer perigos, avaliar e reavaliar exposições e controlar e confirmar a proteção contra riscos (Figura 1) O ARACCR apoia a avaliação da exposição sobre o perigo informado, avaliação do perigo sobre a exposição informada e tomada de decisão sobre o risco informado em qualquer empreendimento.[1][2][3][4]

Ilustração de Avaliação e Gerenciamento de Risco de Exposição relacionados à ARACCR.

HistóriaEditar

A estrutura de tomada de decisão do ARACCR começou como reconhecer, avaliar e controlar. Em 1994, o então presidente da American Industrial Hygiene Association (AIHA), Harry Ettinger, acrescentou a etapa "antecipar" para transmitir formalmente o dever e a oportunidade da comunidade de proteção ao trabalhador de aplicar proativamente seu crescente corpo de conhecimento e experiência para avaliar e gerenciar perigos, exposições e riscos resultantes em situações existentes e emergentes.

A etapa "confirmar" foi adicionada em 2011 para esclarecer a necessidade de confirmar que todas as etapas da estrutura de tomada de decisão estavam sendo aplicadas de forma eficaz e que os resultados desejados estavam sendo alcançados.[2] A confirmação global da adequação da tomada de decisão para o gerenciamento de riscos inclui medições da eficácia dos controles no local de trabalho e avaliação dos resultados de estudos epidemiológicos ocupacionais. A confirmação do treinamento, a documentação e a melhoria contínua de todo o processo de tomada de decisão devem ser realizadas para garantir que todas as etapas sejam cientificamente fundamentadas e devidamente aplicadas.[2]

O processo ARACCREditar

 
Figura 1. A estrutura de tomada de decisão do ARACCR e o processo desenvolvido em higiene ocupacional-industrial para antecipar e reconhecer perigos, avaliar exposições e controlar e confirmar a proteção contra riscos.

A implementação do ARACCR envolve conduzir a avaliação de risco e aplicar o gerenciamento de risco. O gráfico ARACCR mostrado na Figura 1 aparece como a primeira ilustração no livro de referência de Higiene Ocupacional ou Higiene Industrial confiável "A Strategy for Assessing and Management Occupational Exposures".[4] O documento "Occupational Exposure Assessment Body of Knowledge" (BoK) desenvolvido pela AIHA [5] fornece um resumo organizado do conhecimento coletivo e das habilidades necessárias para as pessoas usarem o processo ARACCR na realização de avaliações de exposição ocupacional. A AIHA está usando este BoK para estabelecer uma estrutura para o desenvolvimento de programas de educação e ferramentas de avaliação de conhecimento / habilidade e para a melhoria do estado do conhecimento profissional de Higiene Ocupacional ou Higiene Industrial.

Antecipação e reconhecimento de perigosEditar

O reconhecimento (caracterização básica) é a confirmação dos perigos para a saúde no local de trabalho. No entanto, a diferença entre antecipação e reconhecimento nem sempre é clara. Um meio de distinguir antecipação e reconhecimento sugere que a antecipação ocorre durante a fase conceitual de uma operação, enquanto o reconhecimento ocorre durante as operações existentes. Esta é uma distinção um tanto arbitrária, pois a antecipação também pode ocorrer com as operações existentes e o reconhecimento pode ocorrer durante a fase conceitual.

Ainda, o reconhecimento normalmente requer a coleta de informações disponíveis junto com a aplicação dos princípios de higiene ocupacional. O reconhecimento dos perigos potenciais ou existentes para a saúde evolui à medida que o higienista ocupacional se familiariza com os processos; cria e mantém um inventário de perigos físicos, químicos e biológicos; analisa as diferentes atividades de trabalho da área de trabalho; e estudos de medidas de controle. Com as informações coletadas durante o processo de reconhecimento, uma caracterização do local de trabalho pode ser desenvolvida. A caracterização básica geralmente inclui informações sobre o trinômio: ambiente de trabalho (ambiente físico), a força de trabalho (trabalhadores) e os agentes ambientais (agentes químicos, físicos e biológicos). A caracterização muitas vezes resulta na definição de Grupos de Exposição Similar – GES, ou seja, trabalhadores realizando as mesmas tarefas de maneira semelhante e, portanto, recebendo exposições semelhantes.[6]

Os elementos para a caracterização básica podem incluir: materiais, insumos, rejeitos, processos e atividades produtivas, processo unitário, máquinas, equipamentos, ferramentas, parâmetros de processos, práticas e métodos de trabalho, fluxo e método de transferência de matéria, padrão de tempo da exposição, padrões normativos e não normativos, evidência de exposição, tecnologias de controles, entre outros. As fontes de informação para o reconhecimento podem ser baseadas em: observações por tour ou demonstração de áreas e tarefas, entrevistas, registros internos da companhia, Fichas de Informação de Segurança do Produto Químico – FISPQ, manual de máquinas e equipamentos e literatura especializada.

Os GES são grupos compostos de trabalhadores que se espera possuírem um perfil ou uma distribuição da exposição similar para um dado fator de risco. O perfil ou a distribuição da exposição, por sua vez, é definido pela magnitude e pela variabilidade das exposições do grupo. A distribuição da exposição inclui a medida de tendência central – por exemplo, MVUE (estimador de mínima variância não enviesado) ou média geométrica – e a variabilidade – como, desvio padrão aritmético ou geométrico.[7]

Dois critérios são definidos para o estabelecimento dos GES, abordagem observacional ou por amostragem. A abordagem observacional consiste em uma tarefa subjetiva do higienista ocupacional para dividir os trabalhadores com base em processos, categoria de cargos, tarefas específicas e agentes ambientais. Por outro lado, a abordagem por amostragem apoia-se na medição das exposições e posterior aplicação de técnicas estatísticas, tais como a análise de variância.[4]

Avaliação de riscoEditar

Durante a fase de avaliação de risco, os detalhes dos perigos e das exposições existentes ou potenciais são avaliados para caracterizar os riscos. A abordagem de identificação de perigo / dose-resposta / avaliação de exposição / avaliação de risco reflete o processo formulado pela National Academy of Sciences / National Research Council.[8] [9] Schulte et al. observaram os critérios inter-relacionados de identificação de perigo / avaliação de exposição / avaliação de risco / gerenciamento de risco / promoção de benefícios para o desenvolvimento responsável da nanotecnologia.[10] Schulte et al. também observaram exemplos significativos de progresso nas áreas de toxicologia, metrologia, avaliação de exposição, controles de engenharia e equipamentos de proteção individual (EPI), avaliação de risco, gerenciamento de risco, vigilância médica e epidemiologia para proteção de trabalhadores em nanotecnologia.[11]

Conforme enfatizado na Figura 1, fortes interações são necessárias entre as atividades de avaliação de risco e de exposição.[12] A avaliação de risco informada sobre a exposição garante que informações realistas sobre as composições, concentrações e condições reais de exposição no local de trabalho sejam levadas em consideração em qualquer estudo laboratorial dos efeitos à saúde que seja realizado. A avaliação da exposição informada sobre o perigo garante que as exposições relevantes sejam avaliadas nos locais apropriados e nos momentos apropriados. Identificar e definir relações de dose-resposta para exposições a perigos permite o estabelecimento de limites de exposição ocupacional, critérios de risco para preocupações como exposições à pele e o agrupamento de materiais em faixas de perigo (hazard bands) que podem ser controladas de forma semelhante.

Gerenciamento de riscoEditar

A parte de gerenciamento de risco da estrutura e processo do ARACCR enfatiza o compromisso da liderança com a missão de segurança e saúde e a aplicação da hierarquia de controles. O compromisso inclui a confirmação de que todas as etapas do processo do ARACCR estão sendo seguidas e que a proteção da segurança, saúde, bem-estar e produtividade está sendo alcançada.

A hierarquia dos controles de perigos é uma componente integral da aplicação do ARACCR. A hierarquia é tradicionalmente descrita como uma lista vertical de opções de controle de perigo e exposição em ordem decrescente de prioridade, começando no topo com a eliminação do perigo como o controle mais eficaz, seguido pela substituição de uma opção menos perigosa, seguida por controles de engenharia prevenir exposições, seguidas de controles administrativos e de práticas de trabalho, e concluindo com o uso de equipamentos de proteção individual como o controle menos eficaz na parte inferior.

 
Figura 2. Representação de uma formulação em pirâmide da hierarquia de controles que transmite como diferentes estratégias de controle estão associadas a diferentes níveis de sustentabilidade e riscos potenciais.

A Figura 2 mostra uma representação alternativa da hierarquia como uma pirâmide de elementos de controle interativo.[13] Os componentes de controle de risco e exposição descritos na formulação da pirâmide da hierarquia de controle são:

  • Eliminação da presença ou magnitude do perigo (nem sempre possível se o material ou condição for essencial para os objetivos da atividade, mas às vezes possível no caso de objetivos que podem ser alcançados por métodos como simulação em computador),
  • Substituição de um material ou procedimento menos perigoso (às vezes possível, como através do uso de substitutos materialmente semelhantes ou o uso de materiais menos dispersáveis ou processos menos energéticos. Uma "substituição lamentável" pode resultar se suposições sobre as vantagens de redução de risco do A substituição revelou-se incorreta. Exemplos recentes de substituição lamentável são a substituição de bisfenol S por bisfenol A em plásticos e a substituição de diacetil por alfa-dicetona em aromatizantes de manteiga.[14]
  • Modificação do material ou procedimento para reduzir riscos ou exposições (às vezes considerado um subconjunto da opção de substituição, mas explicitamente considerado aqui para significar que a eficácia da modificação para a situação em questão deve ser confirmada pelo usuário),
  • Controles de engenharia para evitar exposições (inclui uma variedade de estratégias de contenção física e ventilação),
  • Avisos para indicar a necessidade e o status do controle (considerado explicitamente na formulação da pirâmide como uma opção de hierarquia distinta para esclarecer os detalhes de quaisquer avisos sendo usados ​​e para enfatizar as capacidades crescentes e a disponibilidade de sensores e monitores em tempo real; considerando que em outros sistemas, os avisos às vezes são considerados parte dos controles de engenharia e, às vezes, parte dos controles administrativos),
  • Procedimentos administrativos e de trabalho para prevenir exposições e confirmar a proteção (uma abordagem que depende muito de treinamento e conformidade) e, finalmente, como a última barreira à exposição,
  • Equipamento de proteção individual (incluindo proteção respiratória).
 
Figura 3. Representação de como a formulação da pirâmide da hierarquia de controle pode ser usada para orientar investigações retrospectivas de incidentes anteriores ou análises contemporâneas ou prospectivas de segurança no trabalho e planejamento com base no conhecimento sobre os tipos de controles aplicados.

A Figura 3 ilustra como a formulação da pirâmide dos elementos inter-relacionados da hierarquia de controle pode ser usada para fornecer percepções retrospectivas, contemporâneas ou prospectivas sobre a sustentabilidade e os níveis de riscos associados às atividades de trabalho que envolvem diferentes combinações de perigos, exposições, controles, e riscos resultantes. Por exemplo, a eliminação de um perigo é considerada uma estratégia altamente sustentável e, se um perigo foi ou pensa-se que foi eliminado de um processo, as avaliações iniciais podem se concentrar na confirmação de estoques de materiais e conhecimento do processo. Da mesma forma, as situações de controle que dependem fortemente de controles de engenharia, avisos, práticas de trabalho ou uso de EPI são menos sustentáveis ​​e envolvem maiores riscos, e as avaliações de gerenciamento de risco podem se concentrar na confirmação se esses controles foram realmente implementados e aplicados de forma adequada.

Além disso, outros perigos também podem estar presentes, como estresse por calor, escorregões e quedas, ferimentos causados ​​por golpes, metais tóxicos, gases tóxicos, choque elétrico, lasers, trabalho por turnos e fadiga. Se vários perigos estiverem presentes em uma atividade de trabalho, o status da hierarquia de controles pode ser avaliado para cada perigo e uma abordagem do pior-primeiro, abordagem de todos os perigos pode ser usada para priorizar ações para garantir a proteção contra riscos. Idealmente, conforme recomendado no American National Standard for Prevention through Design[15], a hierarquia será usada para orientar o design do trabalho de uma maneira que evite a presença de perigos, exposições e riscos resultantes.

Líderes, culturas e sistemas do ARACCREditar

 
Figura 4. Uma abordagem de Líderes/Culturas/Sistemas para construir e manter comunidades Conectadas/Protegidas/Respeitadas, com todas as Ferramentas/Treinamentos/Experiências necessárias para controlar e confirmar a proteção contra riscos em qualquer ambiente.

A estrutura do ARACCR reconhece as contribuições essenciais de líderes, culturas e sistemas para alcançar o sucesso (Figura 4).[13] Quando ocorrem falhas para proteger as pessoas e o meio ambiente de riscos, as causas básicas dessas falhas podem ser atribuídas a deficiências ou falhas em um ou mais aspectos dos líderes, culturas e sistemas predominantes. Aspectos da estrutura e do processo de tomada de decisão relacionados à construção e sustentação de líderes, culturas e sistemas relevantes e confiáveis ​​podem ser particularmente importantes quando tecnologias ou atividades díspares estão convergindo.

Conforme ilustrado na Figura 4, os componentes de uma abordagem de líderes, culturas e sistemas em qualquer configuração podem permitir que o ARACCR:

  • torna mais fácil para todos fazerem as coisas certas da maneira certa para proteção contra riscos
  • ajudando a construir e manter comunidades conectadas, protegidas e respeitadas
  • com líderes, culturas e sistemas que têm todas as ferramentas, treinamento e experiência necessários
  • antecipar e reconhecer perigos, avaliar exposições e controlar e confirmar a proteção contra riscos à segurança, saúde, bem-estar e produtividade
  • em todos os lugares onde vivemos, aprendemos, trabalhamos e nos divertimos.

A Figura 4 inclui um "score card" que pode ser usado para avaliar a adequação de cada elemento do ambiente Conectado/Protegido/Respeitado, Líderes/Culturas/Sistemas, Ferramentas/Treinamentos/Experiências. Isso permite o foco efetivo em áreas que devem ser sustentadas e áreas que requerem melhorias.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Brandt, Michael (setembro de 2010). «Industrial Hygiene in the 21st Century». AIHA. Synergist. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  2. a b c Hoover, M.D.; Armstrong, T.; Blodgett, T.; Fleeger, A.K.; Logan, P.W.; McArthur, B.; Middendorf, P.J. (janeiro de 2011). «Confirming our industrial hygiene decision-making framework». AIHA. Synergist. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  3. Nunes, Laszcz-Davis, Maier, Perkins (nov 2020). «A Hierarquia dos LEO». ABHO. Revista ABHO de Higiene Ocupacional, 60ª ed. 
  4. a b c Jahn, S.D.; Bullock, W.H.; Ignacio, J.S., eds. (2015). A strategy for assessing and managing occupational exposures. Falls Church, VA: AIHA 
  5. Occupational Exposure Assessment Body of Knowledge (OEA BoK). Falls Church: AIHA. 2015 
  6. MILZ, S. A. (2011). Principles of Evaluating Worker Exposure. In: ANNA, D. H.. The Occupational Environment: its evaluation, control, and management, 3ª ed. Fairfax, VA: AIHA. pp. 146–163 
  7. Marcus Vinícius Braga Rodrigues Nunes (ago 2020). «Introdução à Abordagem Qualitativa e Quantitativa da Avaliação de Riscos Aplicada à HO no PGR». ABHO. EBHO CBHO 2020 
  8. National Research Council (1983). Risk Assessment in the Federal Government: Managing the Process. [S.l.: s.n.] 
  9. National Research Council; Division on Earth and Life Studies; Board on Environmental Studies and Toxicology; Committee on Improving Risk Analysis Approaches Used by the U.S. EPA, National Research Council (2009). Science and Decisions: Advancing Risk Assessment. [S.l.: s.n.] 
  10. P. A. Schulte,corresponding author C. L. Geraci, V. Murashov, E. D. Kuempel, R. D. Zumwalde, V. Castranova, M. D. Hoover, L. Hodson, K. F. Martinez (dezembro 2013). «Occupational safety and health criteria for responsible development of nanotechnology». Springer. Journal of Nanoparticle Research. Consultado em 6 novembro 2020 
  11. P. A. Schulte,corresponding author G. Roth, L. L. Hodson, V. Murashov, M. D. Hoover, R. Zumwalde, E. D. Kuempel, C. L. Geraci, A. B. Stefaniak, V. Castranova, J. Howard (junho 2016). «Taking stock of the occupational safety and health challenges of nanotechnology: 2000–2015». HHS Public Health. J Nanopart Res. Consultado em 6 novembro 2020 
  12. Aaron Erdely,a,* Matthew M. Dahm,b Mary K. Schubauer-Berigan,b Bean T. Chen,a James M. Antonini,a Mark D. Hooverc (setembro 2016). «Bridging the gap between exposure assessment and inhalation toxicology: Some insights from the carbon nanotube experience». J Aerosol Sci. Consultado em 6 novembro 2020 
  13. a b Hoover, M.D.; Cash, L.J.; Feitshans, I.L.; Oglevie Hendren, Cj; Harper, S.L. (2018). Nanotechnology Environmental Health and Safety: Risks, Regulation, and Management (3rd ed.). Oxford: Elsevier 
  14. Anastas, Paul T.; Zimmerman, Julie B. (13 de março de 2015). «Toward substitution with no regrets». Science: 1198–1199 
  15. American National Standards Institute/American Society of Safety Engineers (ANSI/ASSE) (2011). ANSI/ASSP Z590.3-2011(R2016) Prevention through Design Guidelines for Addressing Occupational Hazards and Risks in Design and Redesign Processes. Des Plains, IL: American National Standards Institute / American Society of Safety Engineers