Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A expressão latina Argumentum ad metum ("Argumento pelo/do medo", em português), também conhecida como apelo ao medo, é uma falácia na qual a pessoa tenta provar a validade de um argumento utilizando o medo; na grande maioria das vezes, utilizando ameaças, principalmente por religiosos proselitistas. O apelo ao medo é especialmente utilizado dentro da religião, na política e no marketing.

Índice

Estrutura lógicaEditar

Ou P ou Q.
Q é temerário.
Então P.

O argumento é falso e constitui um apelo à emoção e um argumentum ad consequentiam. O sentimento que se pode ter sobre uma asserção não define seu valor lógico.

ExemplosEditar

  • Política: Vote no candidato tal, pois o candidato adversário vai trazer a ditadura de volta.
  • Religião: Se você se converter à minha religião, irá para o céu; de contrário, irá para o inferno.
  • Cotidiano: Respeito sua opinião, mas você vai sofrer na vida pensando desta forma.
  • Marketing: É melhor você ter o nosso plano de seguros. Vai que acontece algum acidente com você...


Quando apelar ao medo não é uma faláciaEditar

Apelar ao medo é uma forma legitima de argumentação quando a premissa que sustenta a conclusão é verdadeira ou plausível, e o medo, um fator legitimo na tomada de decisão.[1]

ExemplosEditar

  • Você deve dirigir bem abaixo do limite de velocidade em dias chuvosos caso tenha medo de sofrer um acidente grave.

Referências

  1. Walter A. Carnielli & Richard L. Epstein. Pensamento crítico: O poder da lógica e da argumentação. 3ª ed. - São Paulo: Rideel, 2011. p. 202.

Ligações externasEditar

  A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
  Este artigo sobre lógica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.