Abrir menu principal

Arnulfo de Rohes

(Redirecionado de Arnulfo de Chocques)
Arnulfo de Rohes
Nascimento Desconhecido
Chocques
Morte Desconhecido
Jerusalém
Cidadania Reino da França
Ocupação sacerdote
Religião Igreja Católica

Arnulfo Malecorne de Rohes (Chocques, ? – Jerusalém, 26 de Abril de 1118), filho de um padre flamengo, foi o primeiro Patriarca Latino de Jerusalém, tendo exercido este cargo em 1099 e, posteriormente, de 1112 até à sua morte.

Patriarca de JerusalémEditar

Arnulfo começou por ser tutor da freira Cecília da Normandia, filha de Guilherme, o Conquistador, conseguindo, mais tarde, que o irmão desta, Roberto I da Normandia, lhe atribuísse um bispado. Durante a Primeira cruzada, foi capelão deste cavaleiro. Após a conquista de Jerusalém, foi sugerido por Arnulfo de Marturana como candidato ao patriarcado da cidade. Embora, como inimigo de Pedro Bartolomeu e, consequentemente, de Raimundo de Tolosa, não obtivesse o apoio dos clérigos de França meridional, conseguiu ser eleito, com o apoio dos lorenos e dos normandos italianos, a 1 de Agosto de 1099. Apesar da escolha não ter sido canónica, e de a falta de moral de Arnulfo ser bastante criticada no exército, a eleição deste foi, em geral, bem aceite.

Arnulfo começou por expulsar, das igrejas, as várias seitas orientais que, sob o domínio árabe, haviam gozado de liberdade de culto. Alguns padres ortodoxos, antes do início do Cerco de Jerusalém, tinham escondido a principal porção da verdadeira cruz, e as admoestações de Arnulfo levavam, agora, à sua recusa em conceder, ao patriarca, uma relíquia tão valiosa. Arnulfo, porém, submeteu os padres a tortura e acabou por obter a cruz. Tornou deste modo inevitável um cisma, na Palestina, entre as igrejas grega e latina.

Aquando da chegada de Dagoberto de Pisa à Palestina, o mesmo conseguiu, com base no facto de a eleição de Arnulfo não ter obedecido a princípios canónicos, depor o patriarca. Arnulfo tinha muitos inimigos, e Roberto I da Normandia encontrava-se já na Europa. Assim, a 26 de Abril, foi deposto, e prontamente substituído por Dagoberto

Quando, em 1102, Dagoberto foi, também ele, deposto, Arnulfo não tentou recandidatar-se ao cargo, e deixou que Evremar, e, depois deste, Gibelin de Arles, sucessivamente, o ocupassem. Apenas após a morte deste último, em 1112 conseguiu, finalmente, recuperar a sua posição.

Em 1115, um núncio papal, Berengar, bispo de Orange, depôs Arnulfo, em consequência da celebração do casamento adúltero entre Balduíno I de Jerusalém e Adelaide del Vasto, regente da Sicília. O patriarca, porém, conseguiu persuadir o papa, em Roma, a mantê-lo, e foi assim novamente restabelecido, em 1116. Arnulfo continuou a exercer o seu cargo até morrer, a 26 de Abril de 1118.

Precedido por
fundação do patriarcado
 
Patriarca Latino de Jerusalém

Primeira vez: 1099
Sucedido por
Dagoberto de Pisa
Precedido por
Gibelin de Arles
 
Patriarca Latino de Jerusalém

Segunda vez: 11121118
Sucedido por
Gormond de Picquigny