Abrir menu principal

Wikipédia β

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Aro (desambiguação).
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:

O povo Aro ou Aros[1] é um subgrupo Igbo com elementos Akpa e Ibibio que se originaram do reino Arochukwu no atual estado de Abia, no sudeste da Nigéria. Os Aros também pode ser encontrados em cerca de 250 outros assentamentos principalmente na região Sudeste e áreas adjacentes. Os Aros hoje são na sua maioria classificados como Igbos do Leste ou Cross River devido à sua localização, cultura e dialeto. O deus deles, Ibini Ukpabi, foi um fator-chave no estabelecimento da Confederação Aro como uma potência regional no sudeste da Nigéria, durante os séculos XVIII e XIX.

Aros
Flag of the Aro Confederacy.svg
Bandeira da Confederação Aro
População total

Mais de 1 milhão

Regiões com população significativa
Nigéria, Camarões, Guiné Equatorial,
Gabão, Reino Unido
Línguas
Igbo, Ibibio, várias línguas Cross River
Religiões
Cristianismo, Tradicional
Grupos étnicos relacionados
Igbos, Ibibios, ecóis, Ijo, Igalas, Idomas, Efiques

Índice

Origens e HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História Aro

A história dos Aros antecede a migração Igbo e fundação do reino de Arochukwu. Antes os Igbos começaram a chegar à região de Aro no século XVII, chegaram os Ibibios da área de Benue e planalto e estados fundados como, Obong Okon Ita e Ibom oeste de Cross River. Migrações Igbo lideradas pelo clã Eze Agwu do norte para a região Aro começou em meados do século XVII que levou a tensões. As guerras Aro-Ibibio e a migração dos Akpa do leste do Cross River, formou a nação durante a virada do século XVII ao XVIII.

A aliança Igbo e Akpa, derrotou e assimilou os habitantes originais Ibibio depois de longos anos de guerra. Por esta altura, o comércio de óleo de palma e de escravos era popular no interior. Em meados do século XVIII, houve migrações maciças de empresários Aro para o interior Igbo e áreas adjacentes. Essa migração, a influência de seu deus Ibini Ukpabi através de sacerdotes e seu poder militar apoiado por alianças com vários vizinhos relacionados Igbo e Cross River oriental. estados militarizados (particularmente Ohafia, Abam, Abiriba, Afikpo, ecóis, etc.) rapidamente estabeleceu a Confederação Aro como uma potência econômica regional. No entanto, a hegemonia econômica Aro foi ameaçada pela penetração de europeus, principalmente colonos britânicos no final do século XIX. As tensões finalmente levaram ao derramamento de sangue, e a Guerra Anglo-Aro teve lugar 1901-1902. A Confederação Aro bravamente resistiu, mas, eventualmente, sofreu uma derrota. Isso ajudou os britânicos a ocupar o resto do que se tornou Nigéria Oriental.

TradiçãoEditar

Os Aros tem uma rica tradição. Um fator é a sociedade Ekpe, que é um culto sagrado originalmente do leste de Cross River. O culto altamente religioso e judicial teve um papel importante no cultismo Aro. O uso do sistema de escrita, Nsibidi, era baseado nas sociedades secretas como Ekpe. Uli, um outro sistema de escrita, ocorreu principalmente na forma de arte corporal.

Outro fator é o santuário Ibini Ukpabi, que era um deus mediador entre os Aros. Eles influenciaram vizinhos e aliados antes da invasão britânica. O santuário foi posteriormente corrompido, comercializado e utilizado para a venda de escravos durante o comércio de escravos. A atividade masquerade Ekeleke foi importante em assentamentos Aro, em vez de Ekpe. Trazido dos Aros no Delta do Níger ocidental, ele eventualmente se espalharam para a área Oguta. Eles também eram conhecidos por usarem o popular "George" de pano. A dança guerreira Ikperikpe era muito famosa entre os guerreiros dos velhos tempos e continua em uso.

Maiores assentamentos na Nigéria OrientalEditar

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • (em inglês) Eli Bentor, Aro Ikeji festival : toward a historical interpretation of a masquerade festival, University of Indiana, 1994, 466 p. (thèse)
  • (em inglês) Kenneth Onwuka Dike et Felicia Ekejiuba, The Aro of south-eastern Nigeria, 1650-1980 : a study of socio-economic formation and transformation in Nigeria, University Press, Ibadan, 1990, 386 p.
  • (em inglês) G. I. Jones, « Who are the Aro? », Nigerian Field (Londres), 8 (3) juillet 1939, p. 100-103
  • Jean Louis Léopold Comhaire et Suzanne Comhaire-Sylvain, Le Nigéria et ses populations, Complexe, 1981, 213 p.

Referências

Ligações externasEditar