Aslauga,[1] também chamada de Aslög, Kráka, Kraba or Randalin, foi uma rainha da mitologia nórdica descrita na saga de Ragnar Calças Peludas como sua esposa.

Kráka por Mårten Eskil Winge, 1862

Aslauga na lendaEditar

 
Rei Heimer e Aslauga

De acordo com a Ragnars saga loðbrókar, Aslauga era filha de Sigurdo e da dama do escudo Brunilda,[2] mas foi criada pelo pai adotivo de sua mãe, Heimer. Após a morte de Sigurdo e Brunilda, Heimer focou na segurança de Aslauga, então ele construiu uma harpa enorme, suficiente para esconder a menina. Ele viajava como um pobre harpista carregando a harpa contendo a menina.

 
Áke e Grima descobrem Aslauga. Pintado por Mårten Eskil Winge, 1862

Eles chegaram á Spangereid em Lindesnes na Noruega, onde eles ficaram por uma noite na casa dos camponeses Áke e Grima. Áke pensou que a harpa guardava valiosos itens e contou á sua esposa Grima. Grima então o convenceu para matar Heimer enquanto ele dormia. Entretanto, quando quebraram a harpa, eles descobriram uma garotinha, que eles criaram como se fosse deles, chamando-a Kráka ("Corvo"). Com o intuito de esconder sua beleza - o sinal de suas origens nobres - eles esfregaram alcatrão em seu corpo e cobriram com um longo capuz.[2]

Entretanto quando ela se banhava foi descoberta por alguns homens do lendário rei Ragnar Calças Peludas. Extasiados pela beleza de Kráka, acabaram deixando que o pão que estavam assando queimasse; quando Ragnar indagou sobre o incidente, o contaram sobre a jovem. Ragnar, querendo testar a inteligência dela, ordena-a vir até ele nem vestida nem nua, nem faminta nem cheia e nem sozinha nem acompanhada. Kráka chega vestida em uma rede, mordendo uma cebola e acompanhada de uma cão. Impressionado pela genialidade e encontrando nela uma sábia companheira, Ragnar a pede em casamento, mas ele recusou até que a missão na Noruega tivesse acabado.[2] Com Ragnar ela teve cinco filhos: Ivar, o Desossado, Biorno Braço de Ferro, Huitserco Camisa Branca, Haldano e Sigurdo Cobra-no-Olho.

Na ficçãoEditar

O poema romantico The Fostering of Aslaug de William Morris reconta o relacionamento de Ragnar e Aslauga, baseada na versão do conto Northern Mythology (1851) de Benjamin Thorpe.[3]

Aslauga é protagonista da série de televisão Vikings (2013). No último episódio da primeira temporada, Aslauga (interpretada por Alyssa Sutherland) é apresentada a Ragnar de maneira semelhante à da lenda.[4]

Referências

  1. Moura 1955, p. 48.
  2. a b c Jurich, Marilyn (1998). Scheherazade's sisters: trickster heroines and their stories in world literature 1. publ. ed. Westport, Conn.: Greenwood Press. p. 160. ISBN 9780313297243 
  3. Hodgson, Amanda (2010). The romances of William Morris. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 85–86. ISBN 9780521154925 
  4. Mitchell, John (25 de abril de 2013). «'Vikings' season finale: Mysterious beauty tempts Ragnar». EW.com. Consultado em 9 de junho de 2016 

BibliografiaEditar

  • Moura, Pedro de Almeida; Mattos, Sonia Heinrich de. Língua e literatura alemã, Edições 1-4. São Paulo: USP