Abrir menu principal

Associação Comercial do Rio de Janeiro

Associação Comercial do Rio de Janeiro
(ACRJ)
Emblema da entidade
Fundação 1809 (210 anos)
Estado legal Em atividade
Sede Rio de Janeiro  Brasil


A Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) MHIH é uma antiga entidade de representação civil, fundada em 1809.

Índice

HistóriaEditar

Teve origem na junção de comerciantes que começavam a se consolidar no Rio de Janeiro. Em 15 de julho de 1809, um alvará determinava a construção de um praça do comércio mas as obras só se iniciariam em outubro de 1819, e a inauguração em 14 de julho de 1820 contando então com a presença de D. João VI.

 
A ex-presidente Rousseff em encontro com empresários na Associação Comercial.

No ano seguinte à sua fundação, devido ao advento da Revolução Liberal em Portugal, a sede do Corpo do Comércio foi escolhida para dar lugar às eleições dos deputados que representariam o Brasil nas Cortes portuguesas.

Foi presidida por figuras de destaque da sociedade e política brasileira, como o Visconde de Tocantins, em 1870.[1]

É conhecida como A Casa de Mauá em homenagem a Irineu Evangelista de Sousa, o Visconde de Mauá.

Suas atribuiçõesEditar

A Associação Comercial funciona como um agente interlocutor entre os empresários do Rio de Janeiro e os governos municipal, estadual e federal. Ainda no escopo de seus trabalhos, ela procura identificar e divulgar oportunidades de negócios e potenciais econômicos e turísticos, a fim de contribuir para o desenvolvimento econômico do estado que representa.

Ao longo de seus mais de 200 anos de existência, foi palco da criação de outras entidades importantes, tais como a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Confederação Nacional do Comércio (CNC), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Serviço de Apoio à Pequena e Média Empresa (Sebrae), o Rio Conventions & Visitors Bureau, e o Disque-Denúncia.

Também envolveu-se em atividades filantrópicas, como angariar fundos para a construção do Asilo dos Inválidos da Pátria, para abrigar os combatentes inválidos da Guerra do Paraguai.[1]

A 13 de Setembro de 1984 foi feita Membro-Honorário da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal.[2]

Referências

  1. a b RODRIGUES, Marcelo Santos. «Guerra do Paraguai: Os Caminhos da Memória entre a Comemoração e o Esquecimento». USP, São Paulo, 2009. Teses.usp.br. Consultado em 3 de agosto de 2012 
  2. «Cidadãos Estrangeiras Agraciados com Ordens Nacionais». Resultado da busca de "Associação Comercial do Rio de Janeiro". Presidência da República Portuguesa (Ordens Honoríficas Portuguesas). Consultado em 2 de março de 2016 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.