Abrir menu principal
Auxêncio de Milão
Nascimento Século IV
Morte 374
Milão
Ocupação sacerdote, teólogo
Religião cristianismo ortodoxo

Auxêncio de Milão, morto 374, teólogo ariano, sacerdote de Alexandria 343-355 [1] e mais tarde bispo de Milão. [2] Ambrósio elogiou-o por suas habilidades em retórica, mas também afirmou que ele era "pior do que um judeu." [3] Ele não deve ser confundido com São Auxêncio de Mopsuéstia (m. 360), um dos primeiros mártires do cristianismo e santo no Ortodoxia Oriental e da Igreja Católica Romana ou São Auxêncio da Bitínia, um eremita que foi absolvido de heresia no Concílio de Calcedônia, e, como ele, santos na Ortodoxia Oriental e no Catolicismo Romano.

VidaEditar

Auxêncio era natural da Capadócia, foi ordenado padre em 343 por Gregório da Capadócia, o bispo ariano de Alexandria. De acordo com seu adversário Atanásio de Alexandria, Auxêncio era "...ignorante em latim e inábil em tudo, exceto na impiedade ".

O período histórico em que viveu Auxêncio foi marcado pela luta entre os arianos e os defensores da fé do Concílio de Niceia. Quando Constâncio II depôs os bispos ortodoxos bispos que se recusaram a assinar a condenação de Atanásio de Alexandria e assinar a profissão de fé anti-nicena, após o Concílio de Milão, em 355. Pouco tempo depois, por intervenção dos bispos arianos e, como favorecido da imperatriz Justina, foi um dos instalados, para ocupar o lugar do bispo Dionísio na diocese de Milão. Auxêncio chegou a ser considerado como um grande adversário da doutrina Nicena no Ocidente. [2]

Em 359 Auxêncio desempenhou um papel relevante no Concílio de Rimini, que apoiou os semi-arianos doutrina estabelecida no Concílio de Sirmio de 351. Auxêncio foi deixado imperturbável em sua diocese, depois da morte de Constâncio "pelo imperador pagão Juliano, o Apóstata (morto em 363).

Sob as seguintes imperadores cristãos, Joviano e Valentiniano I, [1] houve muitas tentativas, infrutíferas, dos defensores da fé de Niceia para depor Auxêncio. Mas sua doutrina teológica passou a ser amplamente atacada e, em 364 Hilário de Poitiers. [4] em uma disputa, realizada em Milão, por ordem do imperador Valentiniano I. Sua submissão era apenas aparente, no entanto, e ele permaneceu poderoso o suficiente para obrigar a saída de Hilário de Milão. Também Eusébio de Vercelli e Atanásio de Alexandria tentaram obter a deposição de Auxêncio, mas sem sucesso. Ele se tornou tão proeminente que teve seu nome mencionado especificamente no decreto de condenação adotado pelo Concílio de Roma, em 369, que o pontífice Dâmaso I, então bispo de Roma, por iniciativa de Atanásio, convocara em defesa da doutrina Nicena. [2]

A política de Valentiniano, embora niceno, não se envolve em questões religiosas. Tolerante ele permite a permanência dos quatro únicos bispos arianos no ocidente: Auxêncio, Valente de Mursa, Ursácio de Singiduno e Germínio de Sirmione. [5]

Em 372 o papa Dâmaso I convocou em Roma um sínodo que condenou explicitamente Auxêncio como herege. Auxêncio, porém, permaneceu em Milão até sua morte em 374, mesmo que o padre niceno Filastro (mais tarde bispo de Bréscia ) tenha vindo à Milão, em apoio à população católica. Auxêncio foi sucedido pelo Niceno Ambrósio. A principal fonte de informações sobre a vida de Auxêncio é o Liber contra Auxentium constante da biblioteca da Ordem beneditina, escrito por Hilário de Poitiers.

Notas

Referências

  1. a b Biográfica bibliográfica - Enciclopédia da Igreja: Auxêncio
  2. a b c Enciclopédia Católica: Auxêncio de Milão
  3. Ambrósio: Obras Escolhidas e Letras
  4. "A campannha anti-ariana de Hilário de Poitiers e o Liber Contra Auxentium. História da Igreja (61.1): s. 7-22. Março 1992.
  5. HASTENTEUFEL, Zeno - Infância e adolescência da igreja, pg 81