Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Dezembro de 2008). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Bacias oceânicas são áreas extensas e profundas com relevo relativamente plano. São regiões lateralmente dispostas as dorsais médio-oceânicas que apresentam relevo relativamente plano. Estendem-se das dorsais mesoceânicas às margens continentais e mostram profundidades médias de 4 km. Podem ser subdivididas em montes abissais, que são pequenas elevações de até 900m acima do fundo oceânico circundante. Estes montes cobrem de 80 a 85% do fundo do Oceano Pacífico e são as formas fisiográficas mais abudantes da Terra. Próximo as margens continentais, os sedimentos originados dos continentes cobrem completamente os montes abissais formando planícies abissais.

Iniciam-se a partir da base da margem continental e não incluem as grandes cordilheiras e as fossas marinhas.

HistóriaEditar

Referências antigas (e.g., Littlehales 1930)[1] consideram as bacias oceânicas como o complemento do continente, com erosão dominando o último, e os sedimento assim derivados nas bacias oceânicas. Para fontes mais modernas (por exemplo, Floyd, 1991)[2] as bacias oceânicas são mais do que as planícies de basalto, do que como depósitos sedimentares, uma vez que a maior parte da sedimentação ocorre nas plataformas continentais e não nas bacias oceânicas geologicamente definidas.[3]

A Terra é o único planeta do sistema solar onde hipsografia é caracterizada por diferentes tipos de crosta, crosta oceânica e crosta continental.[4]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Littlehales, G. W. (1930) The configuration of the oceanic basins Graficas Reunidas, Madrid, Spain, OCLC 8506548
  2. Floyd, P. A. (1991) Oceanic basalts Blackie, Glasgow, Scotland, ISBN 978-0-216-92697-4
  3. Biju-Duval, Bernard (2002) Sedimentary geology: sedimentary basins, depositional environments, petroleum formation Editions Technip, Paris, ISBN 978-2-7108-0802-2
  4. Ebeling, Werner and Feistel, Rainer (2002) Physics of Self-Organization and Evolution Wiley-VCH, Weinheim, Germany, page 141, ISBN 978-3-527-40963-1
  Este artigo sobre hidrografia em geral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.