Abrir menu principal
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o. Mais informações podem ser encontradas no artigo «Badis ibn Habús» na Wikipédia em catalão e também na página de discussão. (fevereiro de 2013)
Badis ibne Habus
Rei da Taifa de Granada
Dirrã de Badis ibne Habus
Reinado 10381073
Antecessor(a) Habus Almuzafar
Sucessor(a) Abdalá ibne Bologuine
Dinastia Ziridas
Nome completo
الناصر باديس بن حبوس;
Bādīs ibn Ḥabūs ibn Māksan ibn Zīrī ibn Manād aṣ-Ṣinhājī
Nascimento c.1002
Morte 1073
Filho(s) Bologuine
Macsane

Badis ibne Habus, cognominado Nácer ("o defensor"; em árabe: الناصر باديس بن حبوس;[1] c.1002 — m. 1073) foi o terceiro emir (rei) da Taifa de Granada, que reinou de 1038 a 1073. Sucedeu ao seu pai Habus Almuzafar e foi sucedido por Abdalá ibne Bologuine. Badis foi também rei de Málaga entre 1058 e 1073, onde sucede a Maomé III al-Musta`li e é sucedido pelo neto Tamim.[2]

BiografiaEditar

Em 1038, Badis sucede ao seu pai Habus no reino de Granada. Como o seu pai antes dele, continua a reconhecer-se como vassalo dos Hamúdidas que reinaram em Córdova, Málaga e Algeciras e recusa reconhecer os últimos Omíadas de Córdova.[2] Para assegurar a sua posição, tem que eliminar a concorrência do seu primo Idir e do emir de Almeria, que cobiçava o reino.[carece de fontes?]

No decurso do seu reinado de 36 anos, combate continuamente contra os outros príncipes muçulmanos, em particular com o rei abádida de Sevilha Abu Amir Abade Almutadide. Apesar disso, consegue expandir o seu território.[2]

Badis foi o primeiro monarca granadino a fazer de Granada uma autêntica capital. Mandou construir a cidadela e palácios rodeados de fortificações.[3] Conquista Málaga em 1053, não se sabe muito bem se o fez para ele próprio ou para o suserano hamúdida Idris II Alali, que foi destituído em 1047[2] e retomou o poder em 1054 como co-emir juntamente com o seu primo Idris III Sami Almuafaque. Muhammad III al-Musta`li, filho de Idris II Alali reinará depois em Málaga até 1058. Em 1057, Badis ocupa a cidade de Málaga e incorpora-o no seu reino. A dinastia hamúdida extingue-se então em Málaga e Algeciras.[3]

Em 1065 morre Bologuine, o filho de Badis. Badis nomeia então como sucessor o seu neto, Abdalá, preferindo-o ao outro seu filho Macsane e ao neto mais velho Tamim.[4] Em 1066, Semuel ibn Nagrela, morre o vizir judeu do reino zirida desde 1027. A sua morte provoca grandes agitações no reino, tendo-se verificado um pogrom antijudeu.[5]

Almutadide, o emir hamúdida de Sevilha, tenta apoderar-se Málaga, O seu filho conquista Guadix e outras fortalezas. Badis não perde tempo em recuperar essas perdas. Entretanto o seu filho Macsane tinha-se revoltado e apoderado de Xaém, que também é retomada por Badis, que afasta definitivamente Macsane da sucessão.[4]

Badis morre em 1073. O filho do defunto Bologuine partilham o poder entre Granada e Málaga. Abdalá sucede ao avô em Granada e Tamim fica com Málaga.[4] A linhagem durará até 1090, quando é substituída pelos Almorávidas.

Notas e referênciasEditar

  1. http://www.hukam.net
  2. a b c d Courcelles 1821, p. 469.
  3. a b ibne Caldune 1854, p. 63
  4. a b c Buluggin 1986, p. 16.
  5. Fanjul 2012, p. 32.

BibliografiaEditar

Precedido por
Habus Almuzafar
Reis ziridas de Granada
10381073
Sucedido por
Abdalá ibne Bologuine