Batalha de Bandiradley

Batalha de Bandiradley começou em 23 de dezembro de 2006, quando as forças da Puntland e da Etiópia, juntamente com o líder de facção Abdi Qeybdid, combateram os militantes da União dos Tribunais Islâmicos (UTI) que defendiam Bandiradley, na Somália. Os combates empurraram os islamistas para fora de Bandiradley e atravessaram a fronteira sul até o distrito de Adado, na região de Galgadud, até 25 de dezembro.[2]

Batalha de Bandiradley
Guerra na Somália (2006–2009)
Battle-of-bandiradley-12262006.svg
Data 23 - 25 de dezembro de 2006
Local Bandiradley, Somália
Desfecho Vitória da Etiópia e de Puntland
Beligerantes
União dos Tribunais Islâmicos  Etiópia
 Puntlândia
2016 Flag of Galmudug.png Galmudug
Comandantes
Mohamed Mohamud Agaweine[1] Puntland: Gen. Adde Musa
Abdulrahman Said Dhegaweyne
Galmudug:Col. Abdi Qeybdid[2]
Forças
N/A 500+
Baixas
N/A 1 helicóptero

AntecedentesEditar

Guerra Civil SomaliEditar

A batalha tem raízes na prolongada Guerra Civil da Somália. As áreas de Galgudud e Mudug foram arrastadas para o conflito surgido entre o estado de Puntland e as áreas sob o controle da União dos Tribunais Islâmicos. Enquanto os líderes locais tentavam se organizar no estado autônomo de Galmudug, ao longo do tempo seriam forçados a apoiarem as forças de Puntland e da Etiópia para repelir os islamistas.

Intervenções etíopes anteriores na áreaEditar

As fronteiras das regiões de Galgadud e Mudug estavam sob disputa com a Etiópia após os confrontos fronteiriços de agosto de 1982. As cidades de Balanbale e Goldogob estavam sob ocupação etíope desde junho de 1988, quando todas as tropas recuaram 9 milhas das fronteiras disputadas, e a Etiópia devolveu as cidades à Somália.[3]

De 7 a 8 de março de 1999, a Etiópia alegou ter feito uma incursão transfronteiriça em Balanbale em busca de membros da Al-Itihaad al-Islamiya (AIAI), que supostamente teriam sequestrado uma pessoa e roubado suprimentos médicos, e negou relatos de pilhagem. Alegações da época também afirmam que a Etiópia era o fornecedor de vários senhores da guerra somalis, enquanto a Eritreia estava armando outros senhores da guerra.[4][5]

BatalhaEditar

Em 22 de dezembro, as tropas etíopes estavam reunidas em Galkayo pelo que poderia se transformar em uma segunda frente de guerra perto de Puntland.[6] No dia seguinte, 500 soldados etíopes e oito tanques foram encaminhados para Bandiradley.[7] Os combatentes islamistas recuaram de suas posições e foram perseguidos ao sul até a área entre Galinsoor e Bandiradley, onde foram derrotados.[8] As forças da União dos Tribunais Islâmicos foram posteriormente perseguidas em Adgado em Galgadud, o qual abandonaram no final de 25 de dezembro de 2006.

ResultadoEditar

A União dos Tribunais Islâmicos abandonou as cidades de Dhuusamareb[9] e Abudwaq sem lutar. Após sua retirada de Abudwaq, as milícias montaram postos de controle e começaram a disparar suas armas.[10]

Referências