Abrir menu principal
Batalha de Itapirú
Guerra do Paraguai
Bataille d’Itapiru (17 de avril), gagnée par les brésiliens, sous les ordres du maréchal de camp Osorio. - D'après les croquis de nos correspondants spéciaux.jpg
A Batalha de Itapirú, vencida pelos brasileiros, sob o comando do Marechal Osório (L'Illustration, 1866)
Data 17 de abril de 1866
Local Fortaleza de Itapiru
Desfecho Vitória brasileira, início da invasão aliada do paraguai
Beligerantes
Paraguai Paraguai Brasil Império do Brasil
Comandantes
Paraguai tenente-coronel Benítez Brasil Manuel Luís Osório
Forças
4.000 10.000
Baixas
500 337

A Batalha de Itapirú travou-se no dia 17 de abril de 1866 nas proximidades da fortaleza Itapirú durante a Guerra do Paraguai. A batalha marcou o início da invasão aliada do paraguai.

Índice

A BatalhaEditar

 
Mapa indicando a posição da esquadra aliada e a marcha da coluna do General Osório (operações dos dias 16, 17 e 18 de abril de 1866).

Em 16 de abril Itapirú foi intensamente bombardeada enquanto um efetivo de 10.000 aliados[1] cruzavam o rio Paraná e, no dia seguinte, se produziu o confronto com 4.000 paraguaios sob o comando do tenente-coronel Benítez,[2] resultando na retirada destes até Itapirú. A batalha resultou em cerca de 500 baixas do lado paraguaio e 337 do lado brasileiro.[2]

 
Tomada de Itapirú em abril de 1868.

Diante da concentração de tropas brasileiras que assim iniciavam a invasão do território paraguaio, Solano López ordenou o abandono da fortificação, permitindo a sua ocupação pelas tropas brasileiras no dia 18 de abril.[3]

Fortaleza ItapirúEditar

Transformada em acampamento aliado com o desenvolvimento da campanha, essa posição, escala obrigatória para aqueles que iam ou retornavam das frentes de batalha, transformou-se numa pequena cidade onde conviviam militares, comerciantes e aventureiros, e onde se encontravam desde barbeiros, dentistas, casas de jogo, igreja a até mesmo uma casa bancária.[4]

Referências

  1. Bello 2011, p. 131.
  2. a b Bello 2011, p. 132.
  3. Cardozo 2010, p. Vol III.
  4. Bello 2011, p. 207.

BibliografiaEditar