Batalha de Khafji

A Batalha de Khafji foi o primeiro grande combate terrestre da Guerra do Golfo. Ocorreu dentro e ao redor da cidade saudita de Khafji, de 29 de janeiro a 1º de fevereiro de 1991 e marcou o ponto culminante da campanha aérea da Coalizão sobre o Kuwait e o Iraque, iniciada em 17 de janeiro de 1991.[1][2][3]

Batalha de Khafji
Parte da Guerra do Golfo
Battle of Khafji 1991.svg
Operações militares durante a libertação de Khafji
Data 29 de janeiro - 1 de fevereiro de 1991
Local Khafji, Arábia Saudita
28° 25′ N, 48° 30′ L
Desfecho Os iraquianos capturaram a cidade saudita de Khafji. A coalizão repeliu as tropas do Iraque, dois dias depois.
Beligerantes
Arábia Saudita
 Estados Unidos
 Catar
 Reino Unido
Flag of Iraq (1991-2004).svg Iraque
Baixas
43 mortos
52 feridos
2 capturados
300 mortos
400 capturados
90 veículos blindados destruídos

O líder iraquiano Saddam Hussein, que já havia tentado e não conseguiu atrair tropas da Coalizão para dispendiosos confrontos terrestres bombardeando posições da Arábia Saudita e tanques de armazenamento de petróleo e disparando mísseis Scud terra-terra contra Israel, ordenou a invasão da Arábia Saudita a partir do sul do Kuwait. A 1ª e 5ª Divisões Mecanizadas e a 3ª Divisão Blindada foram ordenadas a realizar uma invasão multifacetada em direção a Khafji, envolvendo forças da Arábia Saudita, Kuwait e dos EUA ao longo da costa, com uma força de comando iraquiana de apoio ordenada a se infiltrar mais ao sul por mar e assediar a retaguarda da Coalizão.[4]

Essas três divisões, que haviam sido fortemente danificadas por aeronaves da Coalizão nos dias anteriores, atacaram em 29 de janeiro. A maioria de seus ataques foi repelida pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e pelas forças do Exército dos EUA, mas uma das colunas iraquianas ocupou Khafji na noite de 29 a 30 de janeiro. Entre 30 de janeiro e 1º de fevereiro, dois batalhões da Guarda Nacional da Arábia Saudita e duas companhias de tanques do Qatar tentaram retomar o controle da cidade, auxiliados por aviões da Coalizão e artilharia dos EUA. Em 1º de fevereiro, a cidade foi recapturada ao custo de 43 militares da Coalizão mortos e 52 feridos. As mortes do Exército iraquiano foram entre 60 e 300, enquanto cerca de 400 foram capturados como prisioneiros de guerra.

Embora a invasão de Khafji tenha sido inicialmente uma vitória de propaganda para o regime baathista iraquiano, foi rapidamente recapturada pelas forças da Coalizão. A batalha demonstrou a capacidade do poder aéreo de apoiar as forças terrestres.[1][2][3]

Referências

  1. a b Freedman, Lawrence; Efraim Karsh (Autumn 1991). "How Kuwait Was Won: Strategy in the Gulf War". International Security. The MIT Press. 16 (2): 5–41. doi:10.2307/2539059. JSTOR 2539059. S2CID 154290155
  2. a b Press, Daryl G. (Autumn 2001). "The Myth of Air Power in the Persian Gulf War and the Future of Warfare". International Security. The MIT Press. 26 (2): 4–44. doi:10.1162/016228801753191123. S2CID 57568401
  3. a b Tucker-Jones, Anthony (2014). The Gulf War: Operation Desert Storm 1990-1991. Pen and Sword. ISBN 978-1473837089
  4. Titus, James (1996). «The Battle of Khafji: An Overview and Preliminary Analysis» (PDF). Defense Technical Information Center. Consultado em 11 de setembro de 2019