Abrir menu principal
Batalha de Pegas
Guerras bizantino-búlgaras
Data março de 922
Local Vila de Balacla, perto de Constantinopla
Desfecho Vitória búlgara
Beligerantes
Primeiro Império Búlgaro Primeiro Império Búlgaro Império Bizantino Império Bizantino
Comandantes
Primeiro Império Búlgaro Caucano
Primeiro Império Búlgaro Menico
Império Bizantino Potos Argiro
Império Bizantino Aleixo Mosele  
Forças
Enorme Desconhecido
Baixas
Desconhecidas Enormes
Balacla está localizado em: Turquia
Balacla
Localização da Batalha de Pegas no que é hoje a Turquia

A Batalha de Pegas (em latim: Pegae) foi travada entre 11 e 18 de março de 922 nas vizinhanças de Constantinopla entre as forças do Primeiro Império Búlgaro e do Império Bizantino e resultou numa vitória búlgara.

Origem do conflitoEditar

Depois de grandes vitórias em 917, Simeão I (r. 893–927) tentou tomar para si o trono bizantino. Seu primeiro passo foi tornar-se regente do jovem imperador Constantino VII Porfirogênito (r. 913–959), mas, em 919, o drungário da frota Romano I Lecapeno (r. 920–944), tentando impedir a interferência búlgara em Constantinopla, substituiu a mãe de Constantino, Zoé Zautsina, como regente. Em 920, ele se autoproclamou co-imperador, o que arruinou os planos de Simeão de ascender ao trono por meios diplomáticos. No mesmo ano, o czar declarou guerra e tomou quase todas as possessões bizantinas nos Bálcãs entre 920 e 924.

BatalhaEditar

Em 922, um enorme exército búlgaro comandado por Caucano e Menico marchou rapidamente pelos montes Strandzha e alcançou os subúrbios de Constantinopla. Romano enviou tropas comandadas pelo doméstico das escolas Potos Argiro e pelo drungário da frota Aleixo Mosele para enfrentá-lo. A batalha se realizou num lugar chamado Pegas (em latim: Pegae), perto da vila de Balacla. Porém, o ímpeto inicial búlgaro se mostrou irresistível e os comandantes bizantinos foram os primeiros a fugir, com Mosele se afogando numa tentativa desesperada de alcançar um navio que o tirasse dali. A maior parte dos soldados e marinheiros bizantinos foram mortos, se afogaram ou acabaram presos.

ConsequênciasEditar

Depois da batalha, os búlgaros queimaram os palácios que encontraram, saqueando todo o Chifre de Ouro antes de retornarem em triunfo para Preslav.

BibliografiaEditar