Batalha do Faubourg St Antoine

A Batalha do Faubourg Saint Antoine ocorreu em 2 de julho de 1652 durante a rebelião da Fronda na França. Seu nome é uma homenagem ao Faubourg Saint-Antoine, um bairro próximo à Bastilha, no leste de Paris, onde ocorreu a batalha.

Batalha do Faubourg St Antoine
Episode of the Fronde at the Faubourg Saint-Antoine by the Walls of the Bastille.png
Uma representação contemporânea da batalha de Faubourg St Antoine sob as paredes da Bastilha em 1652
Data 2 de julho de 1652
Local Porte Saint-Antoine , Paris
Comandantes
Henrique de La Tour de Auvérnia, Visconde de Turenne Luís II, Príncipe de Condé

DetalhesEditar

Durante o período da Segunda Fronda, entre 1650 e 1653, Luís, o Príncipe de Condé , controlava grande parte de Paris, tendo-se aliado ao Parlamento de Paris, que se rebelava abertamente contra a Coroa. O rei francês, Luís XIV, só recentemente atingira a maioridade (em 7 de setembro de 1651), e Condé ainda afirmava que a influência nefasta do cardeal Mazarin o tornava incapaz de governar.[1][2]

Em 2 de julho de 1652, a batalha de Faubourg St Antoine ocorreu nos arredores da Bastilha. Condé havia saído de Paris para evitar o avanço das forças monarquistas sob o comando de Turenne.[3] As forças de Condé ficaram presas contra as muralhas da cidade e a Porte St Antoine, que o Parlamento se recusou a abrir; ele estava sofrendo fogo cada vez mais pesado da artilharia realista e a situação parecia desoladora. Em um incidente famoso, La Grande Mademoiselle, filha de Gastão, Duque d'Orleães, convenceu seu pai a emitir uma ordem para as forças parisienses agirem, antes que ela entrasse na Bastilha e pessoalmente assegurasse que o comandante dirigisse o canhão da fortaleza contra o exército de Turenne, causando baixas significativas e permitindo a retirada segura do exército de Condé.[4][5][3]

Mais tarde, em 1652, Condé foi finalmente forçado a entregar Paris às forças monarquistas em outubro, efetivamente trazendo a Fronda parisiense ao fim: a Bastilha voltou ao controle real. A Fronda nas províncias, especialmente em torno de Bordéus, no entanto, continuou durante o verão de 1653, também com o envolvimento da frota espanhola na Batalha de Bordéus.[1]

Referências

  1. a b Munck 1990, p. 212.
  2. Le Bas 1840, p. 191.
  3. a b Treasure 1997, p. 198.
  4. Sainte-Aulaire 1827, p. 195.
  5. Hazan 2011, p. 14.

BibliografiaEditar

  • Hazan, Eric (2011). The Invention of Paris: A History in Footsteps. Londres: Verso. ISBN 978-1-84467-705-4 
  • Le Bas, M. (1840). France. Annales historiques. Paris: F. Didot fréres. OCLC 656850085 
  • Munck, Thomas (1990). Seventeenth Century Europe: 1598-1700. Londres: Macmillan. ISBN 978-0-333-28641-8 
  • Sainte-Aulaire, Louis Clair de Beaupoil Le Comte de (1827). Histoire de la Fronde, Tome 3. Paris: Baudouin Frères. OCLC 562330561 
  • Treasure, Geoffrey (1997). Mazarin: the Crisis of Absolutism in France. Londres: Routledge. ISBN 978-0-415-16211-1