Abrir menu principal

Wikipédia β

Biblioteca Amadeu Amaral

A Biblioteca Pública Municipal Amadeu Amaral – BPMAA é a biblioteca pública mais antiga da cidade de São Carlos, SP, Brasil. Estabelecida em 1938 – ou 1939, a data é incerta –, à época do Instituto Nacional do Livro da Era Vargas, foi batizada em homenagem a Amadeu Amaral, o qual residiu na cidade. Sua criação oficial se deu, entretanto, em 1973.[1][2]

Biblioteca Amadeu Amaral
Biblioteca Amadeu Amaral
País  Brasil
Estabelecida 1938
Localização Rua São Joaquim, 735
São Carlos, SP
Acervo
Tamanho 43.000 itens[carece de fontes?]
Acesso e uso
População servida Aberta ao público
Referências: [1]

A Biblioteca oferece a população um acervo para consulta e empréstimo domiciliar, bem como apoio a pesquisa e orientação de leitura. Tem seções divididas para atender melhor a demanda do público como seção infantil, seção de atendimento especial, etc. Em 1982 a população atendida era de cerca de 29.000 usuários, com uma média de 180 atendimentos diários, estima-se que atualmente esse número tenha triplicado.[3]

Índice

HistóriaEditar

São Carlos, município fundado em 1857, é marcado historicamente pelo seu rápido desenvolvimento econômico e populacional devido à interiorização das plantações de café. De 1934 a 1950, várias campanhas foram desenvolvidas a fim de projetar a cidade no cenário estadual. Nesse contexto, muito foi feito para aprimorar a educação e incentivar a leitura. Porém, a criação da Biblioteca Amadeu Amaral é mais atribuída a iniciativas externas de incentivo à cultura e ao livro.[1]

Em dezembro de 1937, era criado pelo Governo Vargas o Instituto Nacional do Livro (INL). O INL tinha como objetivo promover a melhoria cultural do povo e incentivar a criação de bibliotecas, assim, fazia doações de livros a municípios. Muitas bibliotecas públicas do país foram criadas neste período, incluindo a Biblioteca Pública Municipal Amadeu Amaral.[1]

A biblioteca ganhou o nome do poeta, escritor, jornalista, conferencista, por pouco tempo diretor do Instituto São Carlense (atual Colégio São Carlos) e ocupante da cadeira 15 da Academia Brasileira de Letras, Amadeu Amaral, quem residiu em São Carlos durante muitos anos de sua vida.[1] Nasceu dia 6 de novembro de 1875 e faleceu em 1929, se casou com sua prima e veio residir em São Carlos em 1907, foi redator dos "Correios de São Carlos" onde mantinha uma seção sobre fatos locais e publicava algumas caricaturas. Escreveu um livro denominado "Nevóa" onde grande parte do livro foi concebido em São Carlos.[3]

Instalada desde 11 de maio de 2017 na Rua São Joaquim, nº 735, a biblioteca já passou por inúmeros deslocamentos:[4][5]

  • 1938–42: ocupou uma sala improvisada junto à Divisão de Protocolo da Prefeitura,[1][6] então localizada no Palacete Conde do Pinhal;[7]
  • 1942–?: fundos da antiga Prefeitura;[1]
  • anos 1970: rua Episcopal, 1421;[8]
  • anos 1975: rua Nove de Julho, 1261, esquina com a Treze de Maio.[9]
  • anos 1980: rua São Joaquim, 979[10] (antigo prédio de uma empresa telefônica, atual Secretaria Municipal de Serviços Públicos);
  • 1991–2017: rua Treze de Maio, 2000, na esquina com a avenida São Carlos (prédio projetado em 1982 para a Casa da Cultura Prof. Vicente Camargo, hoje remanejado para a Secretaria de Educação).[6][11][12]
  • 2017–presente: o prédio atual constituia, anteriormente, a Piscina Municipal e, de 2012 a 2017, a Pinacoteca Municipal.[6][13]

Outras informaçõesEditar

Apesar de estar localizada na mesma cidade que a Escola de Biblioteconomia de São Carlos – esta fundada em 1959 e incorporada à Universidade Federal de São Carlos em 1994 – foi apenas em 1973, ano da criação oficial[2], que a biblioteca passou a contratar profissionais formados para exercer sua gestão, mudança muito pedida pelos graduados da área.[1]

A Biblioteca Amadeu Amaral é uma dentre as três bibliotecas públicas participantes do Sistema Integrado de Bibliotecas de São Carlos (SIBI São Carlos)[14], assim atendendo a população de vários regiões da cidade, realizando programas de incentivo à leitura e disponibilizando um catálogo online de seu acervo para consulta pública.[15]

Algumas fontes apontam São Carlos como o primeiro município do interior a estabelecer uma biblioteca pública, em 1916,[16] embora Rio Claro possua uma desde 1876.[1] Entretanto, é possível que tais fontes se refiram, na realidade, à uma biblioteca institucional, a da antiga Escola Normal (instituição que iniciou suas atividades em 1911 e foi transferida em 1916 para o prédio da atual Escola Álvaro Guião),[17] biblioteca essa que ficava, à época, aberta à comunidade;[18] ou ainda, à uma biblioteca criada pelos empregados da Estrada de Ferro em 1916. Notar que bibliotecas públicas são criadas por lei, enquanto bibliotecas institucionais, escolares, etc., são criadas por atos administrativos.[19]

Não confundir a BPMAA com a biblioteca homônima localizada na capital do estado, criada em 1966.[20]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h MEY, Eliane Serrão Alves; BARBOSA, Sidney; ARCAIDE, Adriana Souza; LIMA, Nerivanha Maria de; IOST, Simone Michelin; RODRIGUES, Tiago Aparecido. Quatro bibliotecas públicas no interior do estado de São Paulo. Anais do 16º Congresso de Leitura do Brasil, Unicamp, Campinas, 2007. Disponível em: <http://alb.org.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais16/sem02pdf/sm02ss03_05.pdf>.
  2. a b São Carlos. Lei municipal nº 7265 de 27 de novembro de 1973. Disponível em: <http://www.camarasaocarlos.sp.gov.br/lei/arquivo/70792/CODIGOLEI_2261.pdf>.
  3. a b DAMIANO, Octavio Carlos. Caminhos do Tempo. Edufscar, 2007.
  4. Prefeitura de São Carlos. Bibliotecas. Disponível em: <http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/cultura/115302-bibliotecas.html>.
  5. http://www.regiaoemdestake.com.br/site/2017/05/12/sao-carlos-biblioteca-publica-amadeu-amaral-esta-de-casa-nova/
  6. a b c Prefeitura de São Carlos. "Biblioteca Amadeu Amaral vai funcionar em novo endereço".<http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/noticias-2017/171068-biblioteca-amadeu-amaral-vai-funcionar-em-novo-endereco.html>.
  7. São Carlos. Fundação Pro-Memória. Histórico: Palacete Conde do Pinhal. link.
  8. Instituto Brasileiro de Estatística. Boletim estatístico. 1972. link.
  9. São Carlos. Lei nº 6666 de 26 de fevereiro de 1971. link 1, link 2.
  10. Conselho Regional de Biblioteconomia, 8a. Região. Bibliotecas do Estado de São Paulo cadastradas no CRB-8. 1988. link.
  11. São Carlos. Fundação Pró-Memória. Projeto percursos. 3 vol. 2009.
  12. SANTOS, Paul Newman dos. O jogo e o patrimônio: o uso de modelos em papel no reconhecimento da cultura arquitetônica local. Anais do III ENANPARQ, São Paulo, 2014. Disponível em: <http://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-3/htm/Artigos/SC/POSTER/SC-PCI-035_SANTOS.pdf>.
  13. "Barba inaugura prédio da Pinacoteca Municipal José Guilherme Camargo Toledo". São Carlos Dia e Noite, 2012. link.
  14. São Carlos. Lei municipal nº 13464 de 2 de dezembro de 2004. Disponível em: <http://www.camarasaocarlos.sp.gov.br/lei/arquivo/70792/CODIGOLEI_8543.pdf>
  15. Prefeitura de São Carlos. SIBI. Disponível em: <http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/sist-integrado-de-bibliotecas/institucional.html>.
  16. http://acervo.folha.uol.com.br/fsp/1965/11/04/2/
  17. São Carlos. Calendário traz imagens do patrimônio são-carlense. Disponível em: <http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/noticias-2008/151988-pro-memoria-calendario-traz-imagens-do-patrimonio-sao-carlense.html>.
  18. ARCE, A. ; JAMBERSI, B. P. . A Escola Normal e a formação da elite intelectual da cidade de São Carlos (1911–1930). Revista HISTEDBR On-line, v. 33, p. 122-141, 2009.
  19. Gonçalves, Vânia Helena. Proposta de aplicação de desbaste no acervo da biblioteca comunitária da UFSCar. Dissertação de Mestrado em Gestão de Organizações e Sistemas Públicos. Universidade Federal de São Carlos. 2016, link.
  20. Prefeitura de São Paulo. Biblioteca Amadeu Amaral. link.

Ligações externasEditar