Blaise Cendrars

Blaise Cendrars
Retrato de Blaise Cendrars, por Amedeo Modigliani.
Nascimento 1 de setembro de 1887
La Chaux-de-Fonds, cantão de Neuchâtel, Suíça
Morte 21 de janeiro de 1961 (73 anos)
Paris, França
Sepultamento Cemitério de Batignolles
Nacionalidade suíço
francês
Cidadania Suíça, França
Cônjuge Raymone
Ocupação escritor
Principais trabalhos Orient-Express
Prêmios Comandante da Legião de Honra, Croix de guerre 1914–1918, Medalha Militar
Assinatura
Blaise Cenrdars (Unterschrift).jpg

Blaise Cendrars, pseudônimo de Frédéric Louis Sauser (La Chaux-de-Fonds, 1 de setembro de 1887Paris, 21 de janeiro de 1961), foi um novelista e poeta suíço e francês, tendo escrito em língua francesa.[1][2]

Tendo uma vida itinerante, o que se reflete em sua poesia, basicamente escritos de viagem, visitou o Brasil na década de 1920 do século XX, influenciando diversos artistas e escritores do modernismo brasileiro e sendo também influenciado por Oswald de Andrade, cujos poemas da Poesia Pau-Brasil, de construção cubista, apresentam forte semelhança formal e no gosto pelo primitivo. Nessa incursão, se interessou pela mente doentia do criminoso Febrônio Índio do Brasil, sobre quem escreveu artigos em jornais e um capítulo de livro.

Autor também de poemas mais extensos que do seu aparentado poeta brasileiro, como a "Prosa do Transiberiano", foi sempre fiel, em poesia, ao seu estilo "literatura de viajantes", sendo este um longo poema realmente prosaico, feito a partir de reminiscências, que lembra a posterior obra de Allen Ginsberg.

Mesmo sendo suíço de nascimento, é considerado por Paul Eluard como um dos maiores poetas franceses do século XX.

Lista de obrasEditar

 
Tumba de Blaise Cendrars em Tremblay-sur-Mauldre.
 
Detalhe da túmulo de Blaise Cendrars.

PoesiaEditar

  • 1912 - Les Pâques à New York
  • 1913
    • Séquences
    • Prose du Transsibérien et de la petite Jeanne de france
  • 1916 - La Guerre au Luxembourg
  • 1918 - Le Panama ou les aventures de mes sept oncles
  • 1919 - Dix-neuf poèmes élastiques
  • 1924
    • Feuilles de route. 1. Le Formose
    • Kodak. Documentaire
  • 1957 - Du monde entier au cœur du monde

Romances, Novelas e contosEditar

  • 1908 - La Légende de Novgorode, de l'Or gris et du Silence
  • 1918 - J'ai tué
  • 1919 - La Fin du monde, filmée par l'Ange N.-D.
  • 1921 - Anthologie nègre
  • 1922 - Moganni Nameh (escrito antes de 1912)
  • 1925 - L'Or. La merveilleuse histoire du général Johann August Suter
  • 1926 - Moravagine
  • 1928 - Petits Contes nègres pour les enfants des Blancs
  • 1929
    • Le Plan de l'Aiguille. Dan Yack
    • Les Confessions de Dan Yack
    • Une nuit dans la forêt
  • 1930
    • Comment les Blancs sont d'anciens Noirs
    • Rhum. L'aventure de Jean Galmot (reportagem romanceada)
  • 1936 - Hollywood, La Mecque du cinéma
  • 1937 - Histoires vraies
  • 1938 - La Vie dangereuse
  • 1940
    • D'Oultremer à Indigo
    • Chez l'armée anglaise
  • 1945 - L'Homme foudroyé
  • 1946 - La Main coupée
  • 1948 - Bourlinguer
  • 1949 - Le Lotissement du ciel
  • 1956 - Emmène-moi au bout du monde !…
  • 1957 - Trop c'est trop
  • 1959 - À l'aventure

OutrasEditar

  • 1917 - Profundo hoy
  • 1923 - La venere nera (película)
  • 1923 - La creación del Mundo (livreto teatral)

Referências

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Blaise Cendrars
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Blaise Cendrars