Breviário de Decomposição

Breviário de Decomposição (Précis de Decomposition) é a primeira obra em francês do filósofo romeno Emil Cioran, publicada em 1949 pela Gallimard, depois de ter sido reescrito por quatro vezes, recebeu, em 1951, o Prêmio Rivarol.[1]

Em 2011 foi publicada no Brasil uma tradução em português de José Thomaz Brum pela editora Rocco.[2]

DescriçãoEditar

Primeiro livro escrito em francês pelo filósofo romeno, 'Breviário de decomposição' é uma introdução à obra do autor. O estilo do filósofo concentra poesia e prosa, precipício e altura, desesperança e lucidez, que atinge neste livro os limites de uma radicalidade existencial a um só tempo consciente e arrebatada. As ideias nascem puras, neutras. O homem lhes dá vida, força, vigor. E projeta suas faíscas, suas loucuras. É aí que se consuma a passagem da lógica à epilepsia. É assim que surgem as mitologias, as doutrinas, as farsas sangrentas; momentos de intolerância ou proselitismo que revelam as profundezas do entusiasmo.

O livro defende que toda ideia nasce neutra: o homem é que trata de inflamá-la. Para Cioran, o que é preciso destruir no homem é sua propensão à fé, ao apetite pelo poder e à faculdade monstruosa de ser obcecado por um deus.

Referências

  1. Cioran, E. M. (1995). «Breviário de Decomposição» (PDF). Breviário de Decomposição. Editora Rocco 
  2. «BREVIÁRIO DE DECOMPOSIÇÃO». BREVIÁRIO DE DECOMPOSIÇÃO. Editora Rocco