Brigada 2506

A Brigada 2506 (Brigada Asalto 2506) foi um grupo de exilados cubanos patrocinado pela CIA, formado em 1960 para tentar derrubar militarmente o governo cubano liderado por Fidel Castro. Ele realizou os desembarques abortados da invasão da Baía dos Porcos em Cuba em 17 de abril de 1961.

Brasão da Brigada 2506.

Era formada por 1 511 homens treinados principalmente em luta de guerrilha.

HistóricoEditar

 
Bandeira do grupo.

Em maio de 1960, a CIA começou a recrutar exilados cubanos anti-Castro na área de Miami. Para a maioria dos recrutas, o treinamento de infantaria foi realizado em uma base da CIA com o codinome JMTrax, perto de Retalhuleu, na Sierra Madre, na costa do Pacífico da Guatemala.

Em novembro de 1960, com Gregorio Aguilar Matteo liderando o treinamento com 430 homens, os líderes foram escolhidos e o grupo foi nomeado Brigada 2506. Também era conhecido como Batalhão Blindado entre os membros, usando o número de membro de Carlos (Carlyle) Rafael Santana Estevez, que havia morrido em um acidente de treinamento em setembro de 1960. Os principais comandantes foram nomeados da seguinte forma:[1][2][3]

  • Manuel Francisco Artime Buesa: Líder político
  • José Alfredo Pérez San Román: Comandante militar
  • Erneido Andrés Oliva González: Militar segundo em comando
  • Manuel Villafaña Martínez: Comandante da Força Aérea
  • Ramón J. Ferrer Mena: Chefe de gabinete
  • Enrique Ruiz Williams
  • Higinio Nino Diaz
  • Francisco Pérez Castro "Brillo": Batalhão de Infantaria
  • Alejandro del Valle Martí: 1º Batalhão de Pára-quedistas
  • Hugo Sueiro Ríos: 2º Batalhão de Infantaria
  • Noelio Montero Díaz: 3º Batalhão
  • Valentín Bacalao Ponte "Pipo": 4º Batalhão Blindado
  • Ricardo Montero Duque: 5º Batalhão de Infantaria
  • Francisco Montiel Maciera Rivera: 6º Batalhão de Infantaria
  • Roberto Pérez San Román: Batalhão de Armas Pesadas
 
John F. Kennedy e Jackie Kennedy cumprimentam membros da brigada no Miami Orange Bowl.

Cerca de 1 334 homens viajaram em uma força marítima da Guatemala, dos quais cerca de 1.297 realmente desembarcaram em Cuba, além de 177 paraquedistas aéreos adicionais. Estima-se que 114 se afogaram ou foram mortos em ação, e 1 183 foram capturados, julgados e presos. Simpatizantes privados nos Estados Unidos acabaram negociando para dar US$ 53 milhões em alimentos e remédios em troca da libertação e repatriação de prisioneiros da Brigada para Miami a partir de 23 de dezembro de 1962. Em 29 de dezembro de 1962, o presidente John F. Kennedy organizou um 'bem-vindo de volta' cerimônia para os veteranos capturados da Brigada 2506 no Orange Bowl em Miami. Alguns de seus membros fundaram a Brigade 2506 Veteran's Association, que controla o Museu e Biblioteca da Baía dos Porcos em Miami.[4][5][6][7][8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Thomas, Hugh. 1971, 1986. The Cuban Revolution. Weidenfeld and Nicolson. London. (Shortened version of Cuba: The Pursuit of Freedom, includes all history 1952–1970) ISBN 0-297-79037-4 ISBN 0-297-78954-6, p. 581
  2. Fernandez, Jose Ramon. 2001. Playa Giron/Bay of Pigs: Washington's First Military Defeat in the Americas. Pathfinder ISBN 0-87348-925-X ISBN 9780873489256, p. 101
  3. Johnson, Haynes. 1964, 1974. The Bay of Pigs: The Leaders' Story of Brigade 2506. W.W. Norton & Co Inc. New York. ISBN 0-393-04263-4, p. 47
  4. Susan Candiotti & Garrick Utley (17 de abril de 2001). «Exiles' passion still high 40 years after Bay of Pigs». CNN 
  5. Susan Candiotti & Garrick Utley (17 de abril de 2001). «Remembering the Bay of Pigs invasion». CNN 
  6. Oscar Corral (20 de abril de 2006). «Bay of Pigs vets have put their loss in perspective». The Seattle Times 
  7. «The Return of Brigade 2506». Time. 4 de janeiro de 1963 
  8. Thomas, Hugh. 1971, 1986. The Cuban Revolution. Weidenfeld and Nicolson. London. (Shortened version of Cuba: The Pursuit of Freedom, includes all history 1952–1970) ISBN 0-297-79037-4 ISBN 0-297-78954-6
  9. «The Negotiator». News & Information. Feature Story Archive. Washington, D.C.: Central Intelligence Agency. 16 de junho de 2017. Consultado em 25 de julho de 2017 

FontesEditar

Ligações externasEditar