Célula permanente

que não podem se regenerar

As células permanentes são células que são incapazes de regeneração. Essas células são consideradas terminalmente diferenciadas e não proliferativas na vida pós-natal. Isso inclui neurônios, células cardíacas, células do músculo esquelético[1] e glóbulos vermelhos.[2] Embora essas células sejam consideradas permanentes, pois não se reproduzem nem se transformam em outras células, isso não significa que o corpo não possa criar novas versões dessas células. Por exemplo, as estruturas da medula óssea produzem novos glóbulos vermelhos constantemente, enquanto o dano ao músculo esquelético pode ser reparado por células satélite subjacentes, que se fundem para se tornar uma nova célula do músculo esquelético.[3]

Cultura de células cerebrais de rato coradas com anticorpo para MAP2 (verde), Neurofilament NF-H (vermelho) e DNA (azul). MAP2 é encontrado em dendritos neuronais, enquanto o neurofilamento é encontrado predominantemente em axônios. Anticorpos e imagem cortesia da EnCor Biotechnology

Os estudos de doenças e virologia podem usar células permanentes para manter a contagem de células e quantificar com precisão os efeitos das vacinas.[1] Alguns estudos de embriologia também usam células permanentes para evitar a colheita de células embrionárias de animais grávidas; como as células são permanentes, elas podem ser colhidas em uma idade posterior, quando o animal estiver totalmente desenvolvido.[4]

Ver tambémEditar

NotasEditar

  • Este artigo foi inicialmente traduzido, total ou parcialmente, do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Permanent cell».

Referências

  1. a b Schumacher, Daniel; Tischer, B. Karsten; Teifke, Jens-Peter; Wink, Kerstin; Osterrieder, Nikolaus (2002). «Generation of a permanent cell line that supports efficient growth of Marek′s disease virus (MDV) by constitutive expression of MDV glycoprotein E». Journal of General Virology, (8): 1987–1992. ISSN 0022-1317. PMID 12124462. doi:10.1099/0022-1317-83-8-1987. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  2. «Permanent cell | biology». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2020 
  3. Paxton, Steve; Peckham, Michelle; Knibbs, Adele (2003). «The Leeds Histology Guide» (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2020 
  4. Seiler, A.; Spielmann, H. (2011). «The validated embryonic stem cell test to predict embryotoxicity in vitro». Nature Protocols. PMID 21720311. doi:10.1038/nprot.2011.348. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.