Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2013). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Carlos José de Ligne
Nascimento 20 de agosto de 1661
Morte 20 de janeiro de 1713 (51 anos)
Progenitores Pai:Claude Lamoral, 3.º Príncipe de Ligne
Filho(s) Luísa Casimira de Sousa Nassau e Ligne, duquesa de Lafões

Carlos José de Ligne nasceu em Baudeur, Hainault, em 20 de agosto de 1661, e morreu em 20 de janeiro de 1713, em Pádua.

Foi o 5º conde de Miranda e 2º marquês de Arronches. Príncipe do Sacro Império Romano, Cavaleiro da Ordem de Santiago, foi do conselho de D. Pedro II de Portugal, e seu embaixador ao imperador da Alemanha, Leopoldo I. Era filho de Cláudio Lamoral, Príncipe de Ligne, de Amblisse e do Sacro Império Romano, Grande de Espanha de 1.ª classe, etc., e da princesa Clara Maria de Nassau. Educado na Itália, ali acompanhara o pai, vice-Rei da Sardenha e governador de Milão.

Casou em 23 de abril de 1684 com D. Mariana Luísa Francisca de Sousa Tavares da Silva e Mascarenhas (morta em Lisboa em 30 de dezembro de 1743), 5ª condessa de Miranda, 29.ª senhora da Casa de Sousa, e sucessora de todos os bens da coroa e Ordens, morgados, padroados, etc., a ela pertencentes. Era filha do 4º conde de Miranda, Diogo Lopes de Sousa, primogênito do 1º marquês de Arronches e 3º conde de Miranda, Henrique de Sousa Tavares.

Diogo Lopes de Sousa tinha primeiro casado com D. Margarida de Vilhena, filha única e herdeira de D. João Mascarenhas, 3.º conde de Sabugal, Meirinho-mor do reino, Comendador de Alpedrinha na Ordem de Cristo, e da condessa D. Brites de Castelo Branco, herdeira do Condado de Sabugal. O título do marquesado de Arronches só reviveu na 5.ª condessa de Miranda, D. Mariana, neta do 1º marquês de Ligne.

Conde de Miranda e Marquês de Arronches pelo seu casamento, e nomeado em 1695 embaixador de Portugal em Viena, onde apareceu morto em 1696 num bosque dos arredores da cidade o Conde de Halveil, fidalgo polaco. Houve suspeitas de que tivesse sido assassinado pelo Marquês por questões de jogo. O povo se revoltou contra o embaixador, que saiu de Viena incógnito para se refugiar em Veneza. Em 1697 descobriu-se o criminoso, polaco. Em 1700 a Mesa da Consciência e Ordens declarou por sentença o Marquês absolvido e reabilitado. Contudo, apesar da reabilitação e de lhe ser concedida licença para voltar, o Marquês continuou vivendo em Veneza.

Sua filha, Luísa Casimira de Sousa Nassau e Ligne (Lisboa 1694-1729 Lisboa), duquesa (titular) de Lafões, foi casada com D. Miguel de Bragança, bastardo de D. Pedro II de Portugal e deixou descendência na Casa Ducal de Lafões.