Catathelasma imperiale

Catathelasma imperiale é uma espécie do gênero fúngico Catathelasma que pertence à família Tricholomataceae, da ordem Agaricales. Ela é encontrada na América do Norte e Europa.[2]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaCatathelasma imperiale
Catathelasma imperiale 107604.jpg
Classificação científica
Reino: Fungi
Divisão: Basidiomycota
Classe: Agaricomycetes
Ordem: Agaricales
Família: Tricholomataceae
Gênero: Catathelasma
Nome binomial
Catathelasma imperiale
(Quél.) Singer
Sinónimos[1]
1845 Agaricus imperialis Fr.

1872 Armillaria imperialis Quél.
1886 Omphalia imperialis (Quél.) Quél
1914 Armillaria nobilis Murrill
1914 Clitocybe imperialis (Quél.) Ricken
1922 Biannularia imperialis (Quél.) Beck

DescriçãoEditar

A descrição a seguir combina várias referências:[3][4][5][6][7][8]

  • Píleo: 8 - 40 cm, castanho alaranjado a castanho avelã, com manchas mais escuras. Muitas vezes permanecendo fechado com uma forma de cúpula, mas às vezes se expandindo e finalmente deprimido.
  • Lamelas: esbranquiçadas, recorrentes, cheias, às vezes bifurcadas.
  • Estipe: marrom pálido com dois anéis. Afunilando abaixo, muitas vezes parcialmente enterrado.
  • Odor: De farinha,[3][5][6] pepino[4][8] ou de melão pele não maduro.[7]
  • Esporos: Branco (em massa), 10 - 15 x 5 - 6 µm,[6] amiloide suave, em forma de fuso.
  • Habitat: Sob coníferas, especialmente pinheiros e abetos, em regiões montanhosas.

Algumas fontes europeias determinam o tamanho do píleo como até cerca de 20 cm,[3][4][5][7] enquanto os norte-americanos indicam um tamanho de no máximo 40 cm.[6][9]

O anel superior é derivado do véu parcial, que cobria a superfície inferior do píleo antes de abrir, enquanto o anel inferior mais fino formava, originalmente, parte do véu universal, que envolvia todo o cogumelo.[10]

Taxonomia e espécies similaresEditar

C. imperiale é a única espécie do gênero conhecida na Europa. Foi descrita pela primeira vez em 1845 por Fries, sob o nome Agaricus imperialis. Em 1872, Quélet classificou as espécies em Armillaria e, em 1922, o botânico austríaco Günther Beck von Mannagetta und Lerchenau inventou o gênero Biannularia para essa única espécie, tornando-a Biannularia imperialis. O gênero Catathelasma foi definido em 1910 por Ruth Ellen Harrison Lovejoy[11] baseado na espécie americana C. evanescens e, por um tempo, os dois gêneros foram considerados separados (embora intimamente relacionados), como por exemplo em um artigo de 1936 de Rolf Singer.[12] Alguns anos depois, em 1940, Singer uniu o gênero usando o nome de Lovejoy, que tinha precedência.[13]

O epíteto " imperiale ", que significa "imperial", refere-se ao tamanho (às vezes) grande do cogumelo. O nome da espécie deve terminar em "-e", não "-é", pois o gênero é neutro.[14]

GeralEditar

Na Europa, esta espécie tem algo de status icônico entre os micologistas como um impressionante e notável cogumelo para encontrar.

Ocorre no oeste da América do Norte[6] e em vários países europeus (principalmente na Europa central), onde sua frequência varia de "bastante rara" a "rara".[4]

C. imperiale é comestível, mas de carne dura. Dizem que é bom em conserva.[2]

ReferênciasEditar

  1. «Catathelasma imperiale (Quél.) Singer 1940». MycoBank. International Mycological Association. Consultado em 9 de dezembro de 2010 
  2. a b Wood S, Stevens F. «Catathelasma imperiale». California Fungi. Consultado em 11 de março de 2012 
  3. a b c Marcel Bon (1987). The Mushrooms and Toadstools of Britain and North-Western Europe. [S.l.]: Hodder & Stoughton. p. 162. ISBN 0-340-39935-X 
  4. a b c d Courtecuisse, R.; Duhem, B. (1994). Guide des champignons de France et d'Europe. [S.l.]: Delachaux et Niestlé. p. 208. ISBN 2-603-00953-2 .
  5. a b c Funga Nordica. Copenhague: Nordsvamp. 2008. 429 páginas 
  6. a b c d e Kuo, M. (2006, October). Catathelasma imperiale. See the MushroomExpert.Com Web site.
  7. a b c See Meinhard Moser, translated by Simon Plant (1983). Keys to Agarics and Boleti. 15a Eccleston Square, Londres: Roger Phillips. p. 150. ISBN 0-9508486-0-3 
  8. a b See the MycoDB entry (em Francês).
  9. See the healing-mushrooms.net entry Arquivado 2012-04-27 no Wayback Machine.
  10. Robert Kühner & Henri Romagnesi (1974). Flore analytique des champignons supérieurs (agarics, bolets, chanterelles) (em francês). Paris: Masson. p. 143. ISBN 2-225-53713-5 
  11. Ruth Harrison Lovejoy (1910). «Some New Saprophytic Fungi of the Middle Rocky Mountain Region». The Botanical Gazette. 50: 383 
  12. Rolf Singer (1936). «Das System der Agaricales». Annales Mycologici. 34 (4-5): 317 
  13. Singer R. (1940). «Notes sur quelques Basidiomycètes». Revue de Mycologie (em francês). 5: 3–13 
  14. The Species Fungorum page shows the full naming history.

Ligações externasEditar