Caxirola

instrumento musical do tipo chocalho criado por Carlinhos Brown para ser o instrumento musical oficial da copa do mundo de futebol de 2014

Caxirola é um instrumento musical do tipo chocalho criado por Carlinhos Brown para ser o instrumento musical oficial da copa do mundo de futebol de 2014. A caxirola foi certificada dia 27 de setembro de 2012 pelo Ministério do Esporte. Sua concepção teve inspiração no caxixi, que é espécie de chocalho utilizado na capoeira. Embora o caxixi seja feito de palha e sementes, a caxirola é de plástico e material sintético,[1] que, segundo ele, "são mais ecológicos que o bambu usado, há séculos, pelas comunidades indígenas" no caxixi.[2] A questão é polêmica, pois o chamado PE (Polietileno) verde retira CO2 (dióxido de carbono) da atmosfera tal como os vegetais com que se confecciona a palha do caxixi, mas possui baixa degradabilidade, tal como o polietileno convencional, tornando-se fundamental a correta destinação do lixo, enquanto os defensores da não-degradabilidade afirmam que a degradabilidade não-controlada libera gases do efeito estufa.[3]

Caxirola
Caxirola
O criador, Carlinhos Brown proximo do instrumento.
Informações
Classificação Hornbostel-Sachs Idiofone
Instrumentos relacionados
Chocalho
Relacionados
Carlinhos Brown

Carlinhos Brown informou que houve preocupação para que o som emitido pela caxirola não fosse desagradável aos ouvidos, como no caso das vuvuzelas.

A caxirola respeita os limites sonoros. Ela reproduz sons da natureza, do mar, por isso trabalhamos com os melhores engenheiros acústicos para que o som fosse gostoso, agradável.[4]

Ainda segundo Brown, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e a Fifa acompanharam de perto a concepção do instrumento, que faz parte da linha de produtos oficiais da Fifa.[4]

O instrumento foi apresentado ao público durante a abertura da mostra "O Olhar que Ouve", composta por 19 obras do artista baiano e que ficou em exposição na sede da presidência da República, em 2013. A presidente Dilma Roussef aprovou o instrumento.[5][6]

O Carlinhos é um autor e um grande artista. E ele expressa um mundo diverso, mas muito específico, do Brasil, e especialmente da Bahia. A pluralidade, o fato de que esse mundo tem milhões de aspectos. (…) Nos encanta porque ele combina essa imagem verde e amarela da caxirola, esse fato que… estamos falando de um plástico verde, de um país que tem a liderança da sustentabilidade no mundo e ao mesmo tempo é um objeto capaz de fazer duas coisas: de combinar a imagem com som e nos levar a gols.[7]

Em março de 2013, a FIFA tentou proibir o uso do instrumento alegando que o mesmo poderia ser usado como arma ou como método de publicidade (autocolante).[8]

Críticas editar

Em 2010, especialistas ligados à preservação e à promoção das culturas tradicionais e ao direito intelectual criticaram a certificação dada pelo Ministério dos Esportes ao instrumento, uma vez que, segundo eles, a caxirola é uma cópia do caxixi. Para eles, faltou cuidado das autoridades ao promover iniciativas privadas sem se atentar para a proteção ao patrimônio cultural brasileiro. Por isso, eles defendem que o governo deve pensar em como beneficiar os artesãos e os povos tradicionais pelo uso de seus conhecimentos.

Somos contrários ao registro desse objeto pela iniciativa privada sem que as comunidades tradicionais que criaram os instrumentos originais sejam beneficiadas. É necessário discutir melhor a questão da propriedade intelectual e como recompensar os povos tradicionais por iniciativas como essas.[9]
— Josilene Magalhães, diretora substituta do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro da Fundação Palmares

No primeiro dia em que o instrumento foi distribuído ao público, no jogo do Bahia contra o Vitória em 28 de abril de 2013, a torcida do Bahia jogou centenas de caxirolas no gramado da Arena Fonte Nova demonstrando o potencial negativo da iniciativa.[10][11]

Proibição editar

Em 27 de maio de 2013, o Comitê Organizador Local (COL) anunciou que o instrumento não seria permitido nos estádios. Esta proibição valeu, inclusive, para o jogo amistoso entre Brasil e Inglaterra. O mesmo valeu para a Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014.[12]

Referências

  1. «Caxirola, apresentada por Carlinhos Brown, vai embalar a Copa do Mundo de 2014». Bom Dia Brasil. Globo. Setembro de 2012 
  2. Poder em linha (colunia), Carlinhos Brown diz que caxirola é mais sustentável que caxixi, BR: iG, 23 de abril de 2013 .
  3. Plástico ambientalmente correto 🔗, BR: RV ambiental .
  4. a b «Em exposição no Planalto, Carlinhos Brown ensina a tocar a caxirola» 🔗, DF, BR: Globo, G1, abril de 2013 .
  5. Presidente Dilma conhece a caxirola e elogia: ‘mais bonito que a vuvuzela’, «Futebol», Globo, Globo Esporte, 2013 .
  6. Dilma elogia caxirola e diz que é mais bonita que a vuvuzela, BR: Rede TV .
  7. Presidente Dilma Roussef abre exposição e conhece a caxirola, BR: Governo do Brasil .
  8. «FIFA proíbe vuvuzela, pedhuá e caxirola na Copa de 2014», BR, 97 news .
  9. «Especialistas criticam reconhecimento do governo a instrumentos musicais para a Copa», BR: EBC, Agêcia Brasil, 4 de dezembro de 2012 .
  10. «Revolta da Caxirola: indignação e falta de educação causam vexame», Globo, Globo esporte, abril de 2013 .
  11. «Caxirola vira mico – e Brown pode perder jogada bilionária». Placar - O futebol sem barreiras para você. Consultado em 22 de abril de 2022 
  12. «No Rio, ministro da Justiça confirma veto da caxirola na Copa». G1. 31 de maio de 2013. Consultado em 2 de junho de 2013 

Ligações externas editar