Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Cimpor
Razão social Cimpor - Cimentos de Portugal, SGPS, S.A.
Empresa de capital aberto
Atividade Cimento
Fundação 1976 (43 anos)
Sede Lisboa, Portugal Portugal
Proprietário(s) InterCement (Camargo Corrêa)
Pessoas-chave Daniel Proença de Carvalho (Presidente do Conselho de Administração)
Ricardo Lima (Presidente da Comissão Executiva)
Empregados 8.451
Produtos Cimento, Betão, Agregados, Argamassa
Valor de mercado Aumento EUR 2 150 milhões (Abr/2014)[1]
Lucro Baixa EUR -71,2 milhões (2015)[2]
Faturamento Aumento EUR 2 624 milhões (2013)[3]
Website oficial http://www.cimpor-portugal.pt/
Unidade Cimpor Lamarosa, com ligação ao Ramal de Tomar.
Unidade Cimpor no Cabo Mondego

A Cimpor - Cimentos de Portugal, SGPS, SA, fundada em 1976 e com sede em Portugal, está entre os dez maiores grupos cimenteiros a operar no mercado mundial. Está presente em oito países (Portugal, Brasil, Argentina, Paraguai, Cabo Verde, Egipto, Moçambique e África do Sul) e conta com cerca de 8900 colaboradores, de 30 nacionalidades.

A principal atividade da Cimpor é a produção e comercialização de cimento. Com 40 unidades de produção no mundo e com uma capacidade anual de produção de cimento de 46 milhões de toneladas, o grupo Cimpor produz e comercializa também betões, agregados e argamassas, numa ótica de integração vertical dos negócios.

Em termos consolidados, as vendas de cimento e clínquer da Cimpor atingiram em 2011 27,5 milhões de toneladas, das quais 3,7 milhões de toneladas foram produzidas nas fábricas portuguesas, para consumo interno e para exportação.

Em Portugal a Cimpor detém três fábricas de produção de cimento com clínquer próprio, em Alhandra, Souselas e Loulé.

A Cimpor acredita que a criação de valor económico é compatível com o aumento da qualidade de vida das pessoas e com a preservação do meio ambiente. Por isso, há muito que assumiu o compromisso de promover o desenvolvimento sustentável em todas as suas atividades e em todos os países, pois essa é a única forma de garantir o crescimento consistente da empresa e da sua capacidade de responder aos desafios futuros, assegurando o seu papel na sociedade.[4]

Em 20 de junho de 2012 o grupo empresarial brasileiro Camargo Corrêa adquiriu 94% da Cimpor por cerca de 1,5 bilhão (mil milhões e meio) de euros.[5]

A 21 de Junho de 2017, foi aprovada pelos acionistas da Cimpor a retirada da empresa da bolsa portuguesa. As ações que circulavam em bolsa, correspondentes a 4.9% do capital da empresa, serão adquiridas pela Camargo Corrêa.[6]

Índice

HistóriaEditar

A Cimpor - Cimentos de Portugal E.P foi fundada em 1976 através da expropriação ilegal e posterior fusão e nacionalização das cimenteiras existentes em Portugal. Em 1982 já entrava em funcionamento a 3ª linha do centro de produção em Souselas, com capacidade para 1 milhão de toneladas por ano.

Em 1991 a Cimpor constituiu se como sociedade anonima passando a designar-se CIMENTOS DE PORTUGAL,S.A.

Em 2012 o Grupo Brasileiro Camargo Corrêa passa a deter 94,81% do capital da Cimpor depois da OPA por 5,5 euros por ação, atráves da sua subsdiária InterCement, que gere os negócios de cimento do grupo. Ainda em 2012, depois da aquisição da Cimpor, o grupo Camargo Corrêa reorganiza e permuta ativos. A Cimpor permutou os seus ativos em Espanha, Marrocos, Tunísia, Turquia, Índia, China e Peru pelos ativos e operações de cimento e betão da Intercement na América do Sul (Brasil, Argentina e Paraguai) e Angola. [7]

Em 2019, a InterCement vendeu das operações da Cimpor em Portugal e Cabo Verde ao grupo turco chamado OYAK. O volume de negócios da Cimpor em Portugal foi de 258 milhões de euros em 2017, um crescimento de 3,1% em relação ao ano anterior. Em Cabo Verde, que integra a mesma unidade de negócios, o volume criado foi de 30 milhões, uma quebra homóloga de 7,6%. Com esta operação a Cimpor SGPS vai alterar os estatutos, passando a chamar-se InterCement Portugal. As unidades vendidas ao grupo OYAK passam a designar-se Cimpor Portugal SGPS. Desde o dia 17 de Janeiro de 2019 que a Cimpor Portugal, bem como a marca “Cimpor”, passaram a ser detidas pelo grupo OYAK. A antiga Cimpor – Cimentos de Portugal, SGPS, S.A., passou a ser denominada InterCement Portugal, S.A.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências