Cine Brasília

Cine Brasília
Cine brasilia df.jpg
Uso atual Sala de cinema
Localização EQS 106/107, AE s/nº - Asa Sul, Brasília, DF
Inauguração 22 de abril de 1960 (61 anos)
Salas de exibição 1
Capacidade 606 assentos
Página oficial

O Cine Brasília é um tradicional cinema brasileiro, situado na entrequadra EQS 106/107[1] de Brasília, no Distrito Federal, compondo o Lúcio Costa idealizou como Quadra Modelo. Representa hoje um raridade: os cinemas fora dos shoppings e grandes complexos culturais; os cinemas de rua.

O prédio foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, com calculo estrutural do engenheiro Joaquim Cardozo[2][3] e construído pela Novacap, que logo o arrendou para a Companhia Cinematográfica Luiz Severiano Ribeiro. Foi inaugurado em 22 de abril de 1960, durante os festejos de inauguração da capital brasileira, e serve desde o início até hoje como a sede do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro[4][5]

O cinema foi inaugurado um dia depois da cidade (Brasília) e iria contar com a presença do presidente JK, mas devido ao atraso nas homenagens ao Cardeal Cerejeiras essa função foi assumida por Israel Pinheiro, que procedeu ao corte da fita inaugural, dando início a primeira sessão de cinema no Cine Brasília que contou com os filmes norte-americanos Anáguas a bordo (1959) e A Canoa Furou (1959) com cinema lotado[6]. Juscelino chegou acompanhado de sua esposa e filhas, mas participou brevemente pois havia ainda outros compromissos a participar. Além dos filmes, houve apresentação de quatro orquestras: Sinfônica de Belo Horizonte, Teatro Municipal de São Paulo, Teatro Municipal do Rio de Janeiro e Sinfônica Brasileira[7]

Já havia na cidade outros dois cinemas, mas ambos eram localizados na Cidade Livre, e nenhum tinha o conforto e a sofisticação do Cine Brasília. No início tinha a função de entreter os trabalhadores que foram trabalhar na capital [8], mas devido a sua localização acabou atendendo ao público das asas sul e norte.

Niemeyer fez o projeto do Cinema.

Em 1975 passou por uma grande reforma, e foi reaberto em 7 de julho de 1976, exibindo os filmes A Pedra da Riqueza, de Vladimir Carvalho e Lição de Amor, de Eduardo Escorel. Além de sua programação cinematográfica, realiza exposições de arte, cursos, seminários e outros eventos. Tem uma capacidade de 606[9] assentos (originalmente 1.200) e uma tela de 14 x 6,30 metros.

A outra grande reforma foi concluída em 2013 e o cinema passou por obras estruturais, troca das poltronas, do telão, do sistema de ar condicionado, adaptação para acessibilidade. Tudo isso foi entregue ao público para o 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro[10].

Apesar de já ter exibido filmes comerciais por longo período, principalmente durante o tempo em que ficou arrendado para a iniciativa privada, com o tempo passou a valorizar a exibição de produções nacionais, e produções internacionais, que em sua maioria são oriundas de embaixadas de países com uma cinematografia rara e original.

O cinema hoje faz parte dos espaços culturais da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal - SECEC[11] e exibe filmes que fogem do mainstream e trabalha a perspectiva de formação de plateia e enriquecimento da cultura nacional[12].

ProjetosEditar

Em parceria com as secretarias de Educação e Cultura o Cine Brasília abraça dois projetos:

Concertos Didáticos: apresentação da Orquestra Sinfônica de Brasília para os alunos da rede pública de ensino do DF.[13]

Escola vai ao cinema: o cinema faz uma sessão cinema toda semana para uma média de 500 alunos da rede pública de ensino.[14]

TombamentoEditar

O Cine Brasília faz parte daquilo que chamamos de três instâncias de tombamento: pela UNESCO - Lista do patrimônio Mundial Inscrição nº 445 de 1987, pelo Governo do Distrito Federal - Decreto nº 10.829 de 1987[15] (Tombamento Distrital) e pelo IPHAN - Portaria nº 314 de 1992[16] (Tombamento Federal)[17].

Referências

  1. «Decreto 28519 de 07/12/2007» (PDF). www.tc.df.gov.br. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  2. «Niemeyer e Joaquim Cardozo: uma parceria mágica entre arquiteto e engenheiro». EBC. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  3. «Joaquim Cardozo». Museu Virtual de Brasília. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  4. «Brasília 50 anos» (PDF). VEJA. Consultado em 19 de janeiro de 2014 
  5. «PINI Web - O engenheiro da poesia». 1 de agosto de 1998. Consultado em 25 de outubro de 2008 
  6. Tamanini, L. Fernando (Lourenço Fernando), 1923- (2003). Brasília : memória da construção. v. 1 2 ed. Brasília, DF: Projecto Editorial. p. 344. 360 páginas. OCLC 61763212 
  7. Tamanini, L. Fernando (Lourenço Fernando), 1923- (2003). Brasília : memória da construção. V. 1 2 ed. Brasília, DF: Projecto Editorial. p. 345. 360 páginas. OCLC 61763212 
  8. Brasília, Agência. «Cine Brasília: a história da cidade contada na telona». Agência Brasília. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  9. «Cine Brasília». Consultado em 10 de agosto de 2020 
  10. Brasília, Agência. «Festival de Brasília do Cinema Brasileiro reuniu 27 mil pessoas». Agência Brasília. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  11. «SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA». Consultado em 11 de agosto de 2020 
  12. «Cine Brasília». Consultado em 10 de agosto de 2020 
  13. «Dedicado ao Dia das Crianças, Concerto Didático lota o Cine Brasília». Consultado em 10 de setembro de 2020 
  14. «Escola vai ao cinema – Agência Brasília». www.agenciabrasilia.df.gov.br. Consultado em 10 de setembro de 2020 
  15. «Decreto 10829 de 14/10/1987». www.sinj.df.gov.br. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  16. IPHAN. «28/11/2011». www.iphan.gov.br. Consultado em 10 de agosto de 2020 
  17. ASCOM IPHAN (28 de novembro de 2011). «Iphan-DF realiza seminário sobre a Unidade de Vizinhança de Brasília». Consultado em 9 de agosto de 2020 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Cine Brasília
  Este artigo sobre cinema é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.