Abrir menu principal
Cirurgia Moral
Informação geral
Origem Ceilândia,  Distrito Federal
País  Brasil
Gênero(s) Rap
Período em atividade 1993-presente
Gravadora(s) Discovery
Faro Fino Fonográfica
Afiliação(ões) Tribo da Periferia
DJ Jamaika
Realidade Cruel
Viela 17
Inquérito
Câmbio Negro
Integrantes Rei
Zalla
DJ W
Ex-integrantes Kalako
DJ China

Cirurgia Moral é um grupo brasileiro de rap e hip hop formado em Ceilândia, no Distrito Federal. Iniciou suas atividades em 1993, e desde então, lançou diversos álbuns sob a liderança do vocalista Rei.[1]

HistóriaEditar

O Cirurgia Moral iniciou suas atividades em 1993 no Distrito Federal, com Rei (MC) e os DJs China e W. Seguindo o padrão de outros grupos criados no mesmo período como Racionais MC's, Pavilhão 9 e Facção Central a banda usou como seus principais temas a desigualdade social e o relato da vida nas periferias brasileiras.[2] Após realizar diversos shows por Brasília, lançaram uma fita demo para conseguir uma gravadora para o lançamento do primeiro disco. No ano seguinte, o primeiro álbum foi gravado e colocado no mercado pelo selo independente Discovery: Cérebro Assassino.[3] Foi lançado apenas no formato de vinil, contando com faixas acústicas e a participação do grupo Câmbio Negro. O disco vendeu 6 mil cópias e fez com que Cirurgia Moral fosse escolhido como o grupo "Revelação do Ano" na categoria Rap em um evento da Metrô FM de São Paulo.[2]

Em 1995, o grupo contou com a participação de DJ Jamaika, ex-Câmbio Negro, para produzir o segundo álbum, este intitulado A Minha Parte Eu Faço, que foi feito apenas por Rei e o DJ W.[3] As músicas que obtiveram maior sucesso foram "Gospel Gangsta" e "Falsa Malandragem", que ajudaram a venda a girar em torno das 12 mil cópias.[2] Em 1998, o grupo fez a regravação do CD Cérebro Assassino com a inclusão de três faixas bônus e logo em seguida lançou o terceiro álbum, Respeito a Quem Merece.[3] Ele mostra a evolução na maturidade dos dois integrantes, que compuseram músicas com grande repercussão na periferia brasileira, nomeadamente “Mortos Amados”, “Quem Vive do Crime - Sinal da Cruz”, “Dorme Neném” e a faixa título. Após, o grupo lançou outro álbum, Coroa Você Vive, Cara Você Morre.[4] Em 2008, Rei e W agora contando com a participação de Kabala, lançaram Num Dá Nada... Se Der é Pouca Coisa!, que contou com aparições especiais de Tribo da Periferia, Realidade Cruel, Inquérito e DJ Jamaika.[1] E 2010 ele lança um CD com Duckjay (Tribo Da Periferia) chamado "L.A.T.R.O - Terra de Gladiador".

DiscografiaEditar

Álbuns de estúdioEditar

ColetâneasEditar

Referências

  1. a b «Rei – Cirurgia Moral | Portal Rap Nacional 2010». www.rapnacional.com.br. Consultado em 29 de Junho de 2010 
  2. a b c «Biografia de Cirurgia Moral – Descubra músicas, vídeos, shows, estatísticas e fotos na Last.fm». www.lastfm.com.br. Consultado em 29 de Junho de 2010 
  3. a b c «Cirurgia Moral - Yahoo! Música». yahoo.imusica.com.br. Consultado em 29 de Junho de 2010. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2009 
  4. «Cirurgia Moral - Coroa Você Vive, Cara Você Morre - Cirurgia Moral - Gringos records». www.gringoscds.com.br. Consultado em 29 de Junho de 2010