Abrir menu principal

Na Rússia governada pelos soviéticos, as autoridades bolcheviques estabeleceram os Comitês de Camponeses Pobres (em russo: Комитеты Бедноты , komitety bednoty ou em russo: комбеды , kombedy) durante a segunda metade de 1918 como instituições locais que reuniam camponeses empobrecidos para avançar políticas do governo. Os comitês tiveram como principal tarefa a requisição de grãos em nome do Estado soviético; também distribuíram produtos manufaturados em áreas rurais.

Índice

História institucionalEditar

EstabelecimentoEditar

Na primavera de 1918, a situação da falta crônica de alimentos existia nas cidades da Rússia soviética e a manufatura urbana ameaçou interromper.[1] As assembleias das aldeias locais eram insuficientes para a tarefa de recolher alimentos para as cidades, uma crise que os bolcheviques atribuíam ao domínio do governo local pelos adversários ricos do novo regime.[1]

Uma nova "guerra de classe" foi desejada na aldeia para capacitar os pobres rurais em apoio ao regime soviético.[1] De acordo com a doutrina bolchevique, o campesinato russo foi dividido em três categorias: camponeses pobres (bednyaks), indivíduos que foram forçados a vender seu trabalho a outros para sobreviver e foram assim considerados como aliados naturais do novo regime soviético; camponeses "médios" (serednyaks), que realizaram operações agrícolas em suas próprias terras com seu próprio trabalho; e camponeses ricos (kulaks; ou culaques), que lucravam com o trabalho contratado dos outros.

Em 11 de junho de 1918, o Comissariado do Povo para Fornecimento de Alimentos (Narkomprod) da Rússia Soviética foi instruído pelo Comitê Executivo Central de Toda a Rússia do Congresso dos Sovietes para estabelecer uma nova instituição para ajudá-lo na coleta de alimentos para as cidades famintas do país, os Comitês de Camponeses Pobres.[2]

A adesão a esses kombeds foi negada a todos os camponeses ricos, bem como a quem contratou mão-de-obra ou manteve grãos excedentes.[2] Os kombeds receberam a tarefa de ajudar a localizar e confiscar o excedente de grãos de outros camponeses da mesma aldeia. Os grupos também foram encarregados da distribuição de alimentos, produtos manufaturados e os implementos agrícolas limitados que estavam disponíveis para os membros da aldeia.[2] Esta atividade trouxe inevitavelmente os membros do crime em conflito com outros na aldeia de quem o grão foi levado.

NaturezaEditar

Na opinião de muitos especialistas, os kombeds estavam condenados por uma má compreensão da verdadeira essência do campesinato soviético. Na visão do historiador Orlando Figes:[1]

A maioria das aldeias se consideravam comunidades agrícolas de membros iguais relacionadas por parentes — costumavam se chamar de "família camponesa" — e, como tal, eram hostis à ideia de um corpo separado para os pobres. Não conseguiram eleger um kombedy, deixando-o para agitadores externos, ou então montaram um em que cada camponês se juntou com o fundamento de que todos os moradores eram pobres... Os camponeses pobres simplesmente não estavam conscientes de si mesmos como "proletários". Todos se consideravam como aldeões e olhavam os esforços dos bolcheviques para dividi-los com suspeita e hostilidade.


Consequentemente, a maioria dos kombedy foram criados por elementos de fora da comuna. Estes não eram os camponeses pobres, mas moradores e soldados imigrantes, artesãos sem terra e trabalhadores excluídos da comuna... Desconectados da comuna camponesa, de onde dependia todo o governo rural, não podiam realizar suas tarefas sem recorrer à violência. Era mais uma máfia local do que um órgão do estado soviético.

Figes observa que muitos membros desses kombeds foram rápidos em recorrer a tal brutalidade na "luta desesperada para adquirir alimentos e suprimentos militares" e que às vezes eram um meio para as autoridades locais "operarem redes de corrupção e extorsão dos camponeses".[3]

A grande maioria dos membros dos Comitês dos Camponeses Pobres não estavam afiliados ao Partido Comunista, com uma maioria categorizada como indivíduos "não-Festa" e uma pequena minoria listada em registros oficiais como "simpatizante" com o partido.[4] A maioria apoiava a Revolução de 1917, e muitos se viram como "verdadeiros representantes do governo do povo" e procuraram desempenhar seus deveres atribuídos lealmente.[5]

Desestabilização e legadoEditar

No outono de 1918, a necessidade do Estado soviético de forjar relações mais estreitas com os camponeses diante da Guerra Civil Russa e um desejo de eliminar o "duplo poder" emergente em cada aldeia entre o soviético culposo e a aldeia levou à pressão para a abolição dos kombeds e a transferência de suas funções para os sovietes das aldeias.[2]

Além de alienar as massas esmagadoras do campesinato do estado soviético através de seus métodos frequentemente abusivos de apreensão de grãos, os kombeds também vieram a ser vistos como uma instituição que usurpou a autoridade das instituições regulares do governo soviético, os sovietes da aldeia.[2]

Em 2 de dezembro de 1918, o Comitê Executivo Central de Toda a Rússia dos sovietes decretou a amalgamação dos kombeds com os sovietes das aldeias. Os Kombeds foram efetivamente eliminados na Rússia até o final da primavera de 1919. Na Ucrânia, existiam até a Nova Política Econômica (NEP).[6]

Embora seu estabelecimento tenha sido breve, durando menos de um ano, o número de kombeds estabelecidos na Rússia soviética foi grande e sua influência em 1918-1919 foi generalizada. Segundo o historiador soviético V.R. Garasimiuk, um total de 131 637 kombeds foram estabelecidos nas várias províncias da Rússia soviética neste período.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d Orlando Figes, "The Village Commune and Rural Government," in Edward Acton, Vladimir Iu. Chernalaev, and William G. Rosenberg (eds.), Critical Companion to the Russian Revolution, 1914-1921. Bloomington, IN: Indiana University Press, 1997; pp. 464-465.
  2. a b c d e George Jackson and Robert Devlin (eds.), Dictionary of the Russian Revolution. Westport, CT: Greenwood Press, 1989; pp. 145-146.
  3. Orlando Figes, Peasant Russia, Civil War: The Volga Countryside in Revolution, 1917-1921. Oxford, England: Clarendon Press, 1989; pg. 187.
  4. Aaron B. Retish, Russia's Peasants in Revolution and Civil War: Citizenship, Identity, and the Creation of the Soviet State, 1914-1922. Cambridge, England: Cambridge University Press, 2008; pg. 196.
  5. Retish, Russia's Peasants in Revolution and Civil War, pg. 198.
  6. Кара-Мурза С. Г. «Истоpия госудаpства и пpава России». — М.: Издательство "Былина", 1998. Chapter 3
  7. V.R. Gerasimiuk, "Nekotorye novye statisticheskie dannye o kombedaky RSFSR" ("A few new statistical facts regarding the kombedy of the RSFSR"), Voprosy istorii, 1963, No. 6, pp. 209-210. Cited in Aaron B. Retish, Russia's Peasants in Revolution and Civil War, pg. 193.