Linguagem neutra de gêneros gramaticais

uma vertente recente da língua
(Redirecionado de Comum)

A neutralidade de gêneros em neolinguagem[1] ou linguagem gênero-neutra, do ponto de vista sociolinguístico e gramatical, é uma vertente recente das demandas por maior igualdade entre homens, mulheres e pessoas não binárias. Algumas publicações mostram que falantes de línguas com gênero gramatical (p.ex. português, espanhol, francês e outras) tendem a ter pensamentos mais sexistas.[2][3][4] O uso de pronomes pessoais neutros, como hen em sueco, elle em espanhol, they singular em inglês e ri em esperanto, ajudam a diminuir a discriminação de gênero.[5][6][7][8]

Devido às semelhanças entre as gramáticas portuguesa e espanhola, analisam-se ambas as línguas conjuntamente nesta página.

Tipos neutros de gênero gramaticalEditar

O gênero neutro não deve ser confundido com gênero-neutro, enquanto o primeiro é um gênero gramatical, paralelo aos masculino e feminino, o outro é um adjetivo que atribui a diferenciação genérica, embora no inglês haja a distinção de neuter para neutral, ambos são traduzidos como neutro, ou neutral em casos raros, no português.

O gênero neutro se encontra nos pronomes mostrativos isto, isso e aquilo, que são proximal, medial e distal, respectivamente, sendo invariáveis em número e, na maioria das vezes, considerados inanimados ou não humanos.[9] Contudo, não há uma forma oficial ou dicionarizada de ilo, pronome de terceira pessoa derivado de aquilo, neutro de aquele e aquela, no português.[10][11] Outras vezes são considerados sem gênero, masculinos ou vacilantes.[12]

Comum de dois refere-se ao gênero gramatical de palavras que não distinguem o gênero natural dos seres animados, bem como substantivos sobrecomuns,[13] sendo a epicenidade especialmente para aquelas palavras que apresentam uma forma invariável em gênero, como em "a testemunha" ou "o tigre",[14] sendo gramaticalmente incorreto usar o masculino para se referir à testemunha, como seria em "o testemunho" designando uma pessoa testemunha, por exemplo, pois testemunha, mesmo sendo uma palavra de gênero gramaticalmente feminino, não atribui uma feminilidade, femealidade ou mulheridade identitária, biológica, social ou psicológica.[15] Contudo, palavras podem sofrer feminização e neutralização, como formas neologísticas, dicionarizadas ou consideradas informais, como presidenta, chefa e membre.[16][17]

O gênero comum (em sueco: utrum), semelhante ao que chamamos em português de sobrecomuns, denomina lexemas que se aplicam seres independente do sexo, como em sobreviventes, personagem ou profissionais (em inglês: suvivors, character e professionals).[18]

O gênero vacilante denota substantivos que vacilam em gênero, aqueles que podem ser denotados tanto no masculino quanto no feminino, como moral, alguns podem mudar de significado, quando mudam de gênero, como capital, ou quando viram adjetivos, como pessoal, que viraria comum de dois gêneros na forma adjetivada.[19] Em espanhol, usa-se o termo género ambíguo para se referir a substantivos de gênero vacilante, definindo palavras que admitem indistintamente artigos feminino e masculino, como acmé e azúcar.[20]

Masculino e femininoEditar

Tanto em espanhol quanto em português, o gênero feminino é geralmente marcado por -a: cirujano, cirujana (es; cirurgião, cirurgiã); abogado, abogada (em castelhano: advogado, advogada); el doctor, la doctora (em castelhano: o doutor, a doutora).

No entanto, ambas as línguas — assim como outras línguas neolatinas — determinam que o plural dos substantivos, quando abrange indivíduos do gênero feminino e masculino, é feito com base no masculino: "vinte editoras" e "dez editores", juntos são "trinta editores". Essa forma de formação do plural é considerada sexista por certos grupos e indivíduos,[21][22] daí resultando propostas por um gênero plural neutro a ser adotado em português e em espanhol.

Na tentativa de ressaltar a inclusão de mulheres, discursos muitas vezes têm usado "todos e todas", "brasileiros e brasileiras", entre outras frases reforçando ambos os gêneros.[23][24][25][26]

Propostas para neutralidade na ortografiaEditar

A proposta mais conhecida para neutralidade de gêneros em relação à ortografia é o uso do sinal gráfico arroba (@) no lugar de -o, -a ou mesmo -e: "@s trabalhador@s" (pt), "l@s niñ@s" (es). Esse uso do [sinal] arroba é observado sobretudo entre os falantes de espanhol, apesar de condenado explicitamente pela Real Academia Espanhola,[27] que regula oficialmente a língua. No mundo lusófono, o uso do arroba como neutralizador de gênero é muito menos difundido; vem, no entanto, crescendo, como observado por exemplo em certas faculdades de ciências humanas de universidades brasileiras, como a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade de Brasília (UnB) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).[28][29]

Terminações e sufixos em x também vêm sido adotados para neutralizar palavras, como em todxs em vez de "todos e todas", meninxs para "meninos e meninas", no pronome elx em vez de ele e ela,[30] e no adjetivo latinx em vez de latino ou latina.[31][32][33][34][35][36]

Usos de arroba e x nos lugares de radicais o e a foram considerados capacitistas e elitistas,[37][36][38][39] logo a vogal -e foi adotada para uma linguagem mais inclusiva "todes es garotes juntes"[40][41] e os pronomes "elu", "éle", "êla"[42][43][44][45] e "ile" começaram a ser usados.[46][47][48][49][50][51][52][53][54] Em espanhol, propostas como as de desinência em -e ocorrem desde pelo menos 1976.[55]

Éle é uma alternativa vinda do espanhol elle, por vezes escrito com acento élle, que é a junção, tanto de pronúncia quanto de escrita, de ella e él, pronome que ainda é tido como neologismo, noutras palavras, neopronome.[56][57][58][59][60][61][62][63][64][65]

Outra proposta é a do emprego do "a anarquista" (Ⓐ), usado da mesma forma que "@" em substituição a "a/o", sobretudo em textos políticos radicais: (¡CompañerⒶs, hay que ocupar y resistir, hasta la victoria!). Também se observa, com essa mesma função, o emprego da da letra "x" (por exemplo, em certos manifestos do movimento zapatista).[66] Zapatistas vêm empregando as sufixações de "oa" como, por exemplo, em otroas (outroas), unoa (um(a)) e loa (o/a), especificamente para designar um gênero natural para pessoas não binárias, em vez de apenas ser uma ambiguação de gênero.[67][68]

Historicamente, a barra (/) foi o símbolo mais utilizado com essa função, como em candidato/a. Em exemplos como esse, no entanto, seu uso mantém a marca de separação entre os dois gêneros. Ela é recomendável, portanto, apenas quando não é possível fazer a síntese de letras: "el/la estudiante" (es), "o/a estudante" (pt); ou quando um dos dois vocábulos é formado não por substituição de uma letra, mas por seu acréscimo/supressão: "o vencedor será escolhido pelo juiz", logo, deveria ser grafado, de forma neutra, "o/a vencedor/a será escolhido/a pelo/a juiz/a". Porém, na forma clássica seria com parênteses: "os(as) senhores(as) alunos(as)".[69][70]

Há o símbolo æ, proposto em Português com Inclusão de Gênero (PCIG)[71][72] em substituição a "e/a". A proposta é igualmente válida para o espanhol. Assim, "escritoras e escritores" ou "escritores/as" deveria ser substituído por "escritoræs". O sufixo -ae também foi proposto, bem como elae e elæ.[73]

Há também a proposta de difusão do chamado "arroba minúsculo", por razões estéticas e a fim de diminuir a impressão negativa que um @ em tamanho natural no interior de palavras costuma causar aos leitores. Como as fontes gráficas padrões não trazem um arroba minúsculo, a sugestão feita pelo PCIG é a de manualmente escolher uma fonte menor para o arroba (a sugestão é de algo entre 25% e 40% menor que a fonte das demais letras).[71] Exemplo: "muit@s menin@s".

Propostas de pronomes neutrosEditar

 Ver artigo principal: Pronome neutro de terceira pessoa

A tabela abaixo apresenta as principais propostas de pronomes pessoais neutros:[74][75][76][77][78]

ilu elu el elx ile ili éle el@ elæ
ele/a(s) ilu(s) elu(s) el(s) elx(s) ile(s) ili(s) éle(s) el@(s) elæ(s)
dele/a(s) dilu(s) delu(s) del(s) delx(s) dile(s) dili(s) déle(s) del@(s) delæ(s)
nele/a(s) nilu(s) nelu(s) nel(s) nelx(s) nile(s) nili(s) néle(s) nel@(s) nelæ(s)
este/a(s) istu(s) estu(s) est(s) estx(s) iste(s) isti(s) éste(s) est@(s) estæ(s)
esse/a(s) issu(s) essu(s) ess(s) essx(s) isse(s) issi(s) ésse(s) ess@(s) essæ(s)
aquele/a(s) aquilu(s) aquelu(s) aquel(s) aquelx(s) aquile(s) aquili(s) aquéle(s) aquel@(s) aquelæ(s)
daquele/a(s) daquilu(s) daquelu(s) daquel(s) daquelx(s) daquile(s) daquili(s) daquéle(s) daquel@(s) daquelæ(s)
naquele/a(s) naquilu(s) naquelu(s) naquel(s) naquelx(s) naquile(s) naquili(s) naquéle(s) naquel@(s) naquelæ(s)

Em português, ele e ela vêm do latim ille (nom. m. sing.) e illa (nom. f. sing.), então de illud (nom. n. sing.) derivam elu e ilu. El é formado eliminando a vogal que denota o gênero, e elx trocando essa vogal por um "x".[79][80][81] O pronome ile é outra alternativa, utilizando a letra i em vez de e.[82][83]

Com ambiguação do e-agudo de éla (sonoro de ela) e do e-circunflexo de êle (sonoro de ele), forma-se éle (pronunciado [ˈɛ.le]), consequentemente éste (proximal ambíguo de este e esta) ésse (medial ambíguo de essa e esse) e aquéle (distal ambíguo de aquele e aquela). Outra sugestão é o pronome êla (pronunciado [ˈe.lɐ]).[84][53]

Propostas para neutralidade na pronúnciaEditar

Oponentes do uso do arroba e æsc como letras consideram-nas como uma forma de degradação das línguas. Levanta-se também, com frequência, a questão sobre como se pronunciar essas duas novas letras.

O PCIG possui sua própria proposta de pronúncia neutra: segundo eles, o som do @, em substituição a a/o, poderia ser pronunciado como um "ó aberto" ([ɔ], como em "pó", "morte", "sogra") e o æ, no lugar de a/e, como um "é aberto" ([ɛ], como em "pé", "mel", "testa").

Isso se explica porque o som /ɛ/, chamado "é aberto" em português, é foneticamente intermediário entre o /a/ e o /e/, o chamado "ê fechado". Similarmente, o som /ɔ/ (em português conhecido como "ó aberto") é um intermediário em termos fonéticos entre os sons /a/ e /o/ ("ô fechado").

Assim, "duas garotas" e "dois garotos", juntos, seriam "quatro garot@s" - pronunciado [ga'rotɔs], isto é, como o último "o" aberto.

Várias "professoras" e "professores" juntos, igualmente, seriam vários "professoræs", pronunciado [pɾofeˈsoɾɛs], com o último "e" aberto, ou váries "professories".[85][86]

Em espanhol, no entanto, essa proposta parece fadada ao fracasso, uma vez que o sistema fonético espanhol não abrange diferentes pronúncias, mais abertas ou fechadas, para as vogais "e" e "o". Assim, a maioria dos falantes de espanhol não perceberia uma diferença na pronúncia de "niñ@" (/'niɲɔ/) daquela de "niño" (/'niɲo/), ou entre a pronúncia de /ɛ/ "neutro" e a do /e/ "masculino".[87][88][89]

Linguagem inclusivaEditar

Frente às necessidades de pessoas com as mais variadas dificuldades de leitura, como dislexia, processamento de dados visuais também acabam não conseguindo ler e compreender os textos, ou também no caso de pessoas que necessitam de leitores de tela quando há a substituição de vogais por @, x, Ⓐ ou æ, existem ainda formas alternativas.[90][91][92]

Para isso, certos estudos[93][91][92] sugerem formas mais simples, tornando acessível a todas pessoas:

  • Mudar a estrutura da frase, o que não é relativamente simples, acessível e não é incômodo para quem lê;
  • Usar generosamente superlativos sem gênero: termos como “pessoa”, “indivíduo”, “sujeito” (esse está se começando a generificar, principalmente em círculos feministas), “gente”, “população”, etc., para poder generificar a palavra de acordo com essa, sem perder o sentido e a concordância. Por exemplo: em vez de “todos os presentes concordaram”, usar “todas as pessoas presentes concordaram”;
  • Suprimir pronomes e artigos desnecessários ou repita o nome. Em muitas frases o pronome está lá meramente por costume. Por exemplo, em “A Maria nasceu dia cinco”, pode-se dizer “Maria nasceu dia cinco”. Em “Todo mundo esperou até que ela chegasse”, pode-se dizer “Todo mundo esperou até que chegasse”;
  • Usar alguns termos sem gênero que ignoramos. Tente usar “de” (em vez de da/do) e “lhe” (em vez de a/o). Na Bahia, por exemplo, usa-se muito o “de”. Nada impede usar essa linguagem em qualquer lugar do Brasil. Em vez de dizer “Essa é a blusa dx Juno”, pode-se dizer “Essa é a blusa de Juno”;
  • Utilizar o gerúndio e a voz passiva, entre outras mudanças, são formas interessantes de degenerificar: do semântico: "Os estudantes não poderão receber visitas femininas nos dormitórios", optar pela alternativa: "Não se permitem visitas nos dormitórios";
  • Mudar a estrutura dos verbos na frase: em vez de "Você está cansada?" opte por "Você se cansou?", em vez de "Você está linda", optar uma das opções: "Você está uma pessoa linda" / "Que lindeza você está" / "Sua roupa está linda" / "Seu corpo é lindo".

Esse tipo de proposta é conhecida como linguagem inclusiva,[94][95] ou ainda como "linguagem não discriminatória",[96] muitas vezes sendo descrita como distinta da linguagem neutra, ou como uma variação dela.[97][98][99] Esse tipo de linguagem visa uma comunicação que não exclua ou diminua algum grupo de pessoas, mas sem modificar o idioma.[100]

Uso político e sátiraEditar

Certos políticos têm começado a policiar-se fortemente a fim de evitar sexismo em seus discursos. O ex-presidente mexicano Vicente Fox Quesada, por exemplo, utilizava-se extensivamente da repetição de termos em seus dois gêneros (ciudadanos y ciudadanas). Além de condenado pela Real Academia Espanhola, que o considera desnecessário e redundante, esse estilo de discurso logo tornou-se alvo de sátiras. Muitos imitadores do ex-presidente Fox efetivamente criavam palavras novas unicamente para poder contrastá-las em termos de gênero: "estamos, todos y todas, muy contentos y contentas, muy felices y felizas", ou "eso lo verificaron mujeres y hombres de gran valor, verdaderas especialistas y verdaderos especialistos".[101][102][103][104]

Em 2 de agosto de 2022, o então presidente do Brasil Jair Bolsonaro ironizou pelo Twitter o uso da linguagem neutra na Argentina, alegando "[...] que agora há "desabastecimente", "pobreze" e "desempregue". [...]",[105][106] em resposta ao Ministério de Obras Públicas da Argentina utilizar o uso da linguagem em documentos, registros e atos administrativos,[107] contudo isso não é um reconhecimento oficial do governo.[108]

ProibiçãoEditar

Projetos de lei e leis, que visam proibir a neutralização de palavras em instituições de ensino e bancas examinadoras de concurso público, surgem em países iberófonos, como Brasil, Chile e Argentina.[109][110][111] Em dezenas de estados e municípios brasileiros, bolsonaristas e apoiadores do movimento conservador Escola sem Partido pautam a proibição da chamada "ideologia de gênero" na administração pública e no setor cultural, incluindo a neolinguagem, bem como educação sexual, discussões sobre orientação sexual e questões de gênero na educação como alvo.[112][113] Ao menos 34 propostas legislativas foram protocoladas até 2022.[114][115]

Em novembro de 2021, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu lei de Rondônia que proíbe linguagem neutra nas escolas do estado.[116][117] Em 2022, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina concluiu que lei contra linguagem neutra em Joinville é inconstitucional.[118]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Brevilheri, Ursula Boreal Lopes; Lanza, Fabio; Sartorelli, May Romeiro (1 de setembro de 2022). «Neolinguagem e "linguagem neutra": potencialidades inclusivas e/ou reações conservadoras». Research, Society and Development (11): e523111133741–e523111133741. ISSN 2525-3409. doi:10.33448/rsd-v11i11.33741. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  2. Wasserman, Benjamin D.; Weseley, Allyson J. (novembro de 2009). «¿Qué? Quoi? Do Languages with Grammatical Gender Promote Sexist Attitudes?». Sex Roles (em inglês). 61 (9-10): 634–643. ISSN 0360-0025. doi:10.1007/s11199-009-9696-3 
  3. Swaddle, The (12 de julho de 2019). «From 'Cunt' to 'Careerwoman': the Many Ways in Which Language Propagates Sexism». The Swaddle (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  4. Pappas, Stephanie (21 de fevereiro de 2012). «Gendered Grammar Linked to Global Sexism». livescience.com (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  5. Lindqvist, Anna; Renström, Emma Aurora; Gustafsson Sendén, Marie (16 de outubro de 2018). «Reducing a Male Bias in Language? Establishing the Efficiency of Three Different Gender-Fair Language Strategies». Sex Roles. 81 (1-2): 109–117. ISSN 0360-0025. doi:10.1007/s11199-018-0974-9 
  6. Sample, Ian (5 de agosto de 2019). «He, she, or...? Gender-neutral pronouns reduce biases – study». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  7. Tavits, Margit; Pérez, Efrén O. (5 de agosto de 2019). «Language influences mass opinion toward gender and LGBT equality». Proceedings of the National Academy of Sciences. 116 (34): 16781–16786. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.1908156116 
  8. Jacobs, Tom (5 de agosto de 2019). «Using Gender-Neutral Pronouns May Reduce Sexism». Pacific Standard (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  9. «Pronomes Interrogativos». Só Português. Consultado em 18 de maio de 2021 
  10. Portuguese, Department of Spanish &; UW-Madison (19 de janeiro de 2016). «Lição 2». L&S Learning Support Services, UW-Madison (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2021 
  11. «2 Os demonstrativos: um breve percurso histó.Os demonstrativos: um breve percurso histórico Para». pdfslide.tips. Consultado em 21 de maio de 2021 
  12. Viana, Guilherme. «Pronomes demonstrativos: o que são, usos, exemplos». Português. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  13. «sustantivos epicenos: género gramatical y concordancia correctos». www.fundeu.es (em espanhol). Consultado em 21 de maio de 2021 
  14. «Substantivos epicenos». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 21 de maio de 2021 
  15. Costa, Francisco (17 de junho de 2003). «Substantivos: comum de dois, sobrecomum e epiceno». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 21 de maio de 2021 
  16. sindicato, Jornalista:. «Presidenta, sim!». SINPRO-DF. Consultado em 21 de maio de 2021 
  17. «Membres » Orientando». Consultado em 21 de maio de 2021 
  18. «Common Gender: Grammar: Letters: Parts of Speech: Alphabets». English for Students. Consultado em 21 de maio de 2021 
  19. Gouveia, Maria Carmen de Frias e (2005). A categoria gramatical de género do português antigo ao português actual. [S.l.]: Universidade do Porto. Faculdade de Letras 
  20. «Traducción y Terminología Médicas – Sustantivos de género ambiguo». temas.sld.cu. 10 de setembro de 2014. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  21. Nature, Stephanie Pappas 2012-02-21T20:17:44Z Human. «Gendered Grammar Linked to Global Sexism». livescience.com (em inglês). Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  22. Robinson, Ishena (16 de junho de 2017). «3 Easy Things You Can Do to Support Other Women». Classy Career Girl (em inglês). Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  23. Caeiro, Alberto (20 de agosto de 2012). «Artigo - O famigerado "a todos e a todas"». RedeGN. Consultado em 8 de junho de 2020. Arquivado do original em 8 de junho de 2020 
  24. «Todos e todas, brasileiros e brasileiras | Sobre Palavras». VEJA. 16 de setembro de 2010. Consultado em 8 de junho de 2020 
  25. Marques, Carla (12 de dezembro de 2018). «Boa noite a todos vs. Boa noite a todos e a todas». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 8 de junho de 2020 
  26. Salomon, Marta (29 de agosto de 2004). «Brasil - Lula agora usa "todos e todas" em discurso». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de junho de 2020 
  27. «GÉNERO²». Real Academia Española. Diccionario panhispánico de dudas. Arquivado do original em 10 de março de 2008 
  28. Pinto Leal, Maria Lúcia; Pinto Leal, Maria de Fátima; Coimbra Libório, Renata Maria (25 de setembro de 2007). «Tráfico de Pessoas e Violência Sexual (Estudo)» (PDF). Grupo de Pesquisa sobre Violência, Exploração Sexual e Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes – VIOLES. ANDI – Comunicação e Direitos 
  29. «Resoluções do Encontro dos Funcionários da USP» (PDF). Jornal do SINT-USP. Setembro de 2007. Consultado em 22 de maio de 2010. Arquivado do original (PDF) em 24 de maio de 2010 
  30. Muniz, Andressa (2 de janeiro de 2018). «Elx, el@s, todxs? Na língua portuguesa, sem gênero neutro: apenas masculino e feminino». Gazeta do Povo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  31. Love Ramirez, Tanisha; Blay, Zeba (5 de julho de 2016). «Why People Are Using The Term 'Latinx'». HuffPost. Consultado em 9 de dezembro de 2018 
  32. «#Curiosidade: Você sabe o motivo do uso de "x" ou "@" para a linguagem neutra?». Consultado em 8 de junho de 2020 
  33. Pazin, Arthur (18 de setembro de 2020). «Elas, eles e elxs: entenda como funciona o uso de pronomes neutros». Diário da Região. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  34. Ruiz Martilla, Jesús (30 de março de 2019). «El lenguaje inclusivo tensa a 'todes' en Argentina | Cultura». El País. Consultado em 8 de junho de 2020 
  35. «Linguagem neutra de gênero: a importância no conteúdo das marcas». Brand Publishing Brasil. 24 de outubro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  36. a b Freitas, Ana (10 de julho de 2016). «Todxs contra x língua: os problemas e as soluções do uso dx linguagem neutrx». Nexo Jornal. Consultado em 8 de junho de 2020 
  37. «"Deixando o X para trás na linguagem neutra de gênero", por Juno». PIRATAS. 31 de março de 2016. Consultado em 9 de dezembro de 2018 
  38. «▷ A Pisada Feia na Bola do Carrefour ao Usar Linguagem Neutra de Gênero». Maira Reis. 29 de outubro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  39. Tenente, Luiza (8 de julho de 2016). «Escrever 'todxs' ou 'amig@s' atrapalha softwares de leitura, dizem cegos». G1. Consultado em 14 de junho de 2020 
  40. «¿Todes juntes? El lenguaje inclusivo como batalla cultural». Anuario de Glotopolítica (em espanhol). 27 de agosto de 2018. Consultado em 9 de dezembro de 2018 
  41. Allegretti, Fernanda (12 de fevereiro de 2016). «Amigues para sempre». VEJA. Consultado em 8 de junho de 2020 
  42. Carvalho, Danniel; Jardim Da Silva, Ian (abril de 2019). «Êla é muito cobiçado: um pronome neutro que não o é». Portal de Anais de Eventos da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Consultado em 3 de março de 2021 
  43. Salhani, Jorge (30 de março de 2015). «Uma língua neutra como meio de inclusão social». Plural | Observatório de Comunicação e Cidadania - Unesp. Consultado em 3 de março de 2021. Arquivado do original em 24 de julho de 2016 
  44. Carvalho, Danniel da Silva (30 de novembro de 2020). «As genitálias da gramática». Revista da ABRALIN: 1–21. ISSN 0102-7158. doi:10.25189/rabralin.v19i1.1693. Consultado em 3 de março de 2021 
  45. Brevilheri, Urse Lopes (18 de março de 2020). «Por uma linguagem mais inclusiva». Parada LGBTI+ de Londrina. Consultado em 3 de março de 2021 
  46. «» Tipos de linguagem». Orientando. Consultado em 9 de dezembro de 2018 
  47. Facciolla, Mar. (2020). Linguagem Neutra de Gênero - porque e como utilizá-la. (Neolinguagem). DOI: 10.13140/RG.2.2.11874.35520.
  48. De 2020, 22 De Enero. «El uso del lenguaje inclusivo en la provincia de Buenos Aires: "El peligro es que la ciudadanía lea en eso algún tipo de obligatoriedad"». Infobae (em espanhol). Consultado em 8 de junho de 2020 
  49. «Sobre el lenguaje inclusivo. Una nota del Presidente de la Academia Argentina de Letras | Academia Argentina de Letras». www.aal.edu.ar. Consultado em 8 de junho de 2020 
  50. «Crítica: 'Menines'». O Globo. 5 de abril de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  51. «Linguagem neutra pode ser considerada movimento social e parte da evolução da língua – Jornal da USP». jornal.usp.br. Consultado em 3 de março de 2021 
  52. «A estrutura da língua e a criação de gênero neutro». Roseta. Consultado em 3 de março de 2021 
  53. a b Schwindt, Luiz Carlos (17 de novembro de 2020). «Sobre gênero neutro em português brasileiro e os limites do sistema linguístico». Revista da ABRALIN: 1–23. ISSN 0102-7158. doi:10.25189/rabralin.v19i1.1709. Consultado em 3 de março de 2021 
  54. Guimarães, Veridiana de Souza (2 de outubro de 2020). «Inclusão na língua: as tentativas de neutralidade de gênero no português brasileiro». Revista da ABRALIN: 1–5. ISSN 0102-7158. doi:10.25189/rabralin.v19i2.1627. Consultado em 3 de março de 2021 
  55. «Álvaro García Meseguer - Sexismo y lenguaje». www.grijalvo.com. 11 de novembro de 1976. Consultado em 19 de maio de 2022 
  56. Peñuelas, Amanda (27 de agosto de 2015). «No, #ElleEnLaRAE no va por nosotros». ELLE (em espanhol). Consultado em 8 de junho de 2020 
  57. «El caso del pronombre "Elle"». cactuscom - el blog (em espanhol). 31 de agosto de 2015. Consultado em 8 de junho de 2020 
  58. «Cómo usar correctamente los pronombres no binarios». Homosensual (em espanhol). 2 de agosto de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  59. «La lengua no tiene sexo: "Elle está cansade"». El Español (em espanhol). 18 de junho de 2017. Consultado em 8 de junho de 2020 
  60. «Él, ella, elle: los estadounidenses exigen elegir su pronombre». chicagotribune.com. 17 de novembro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  61. «Yo, tú, elle, nosotres, vosotres, elles. El lenguaje inclusivo: ¿tiene algo que ofrecer?». Psyciencia (em espanhol). 14 de janeiro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  62. «Una guía para entender cómo el lenguaje inclusivo evolucionó alrededor del mundo». www.lanacion.com.ar (em espanhol). 17 de dezembro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  63. López, Ártemis. «Tú, yo, elle y el lenguaje no binario». La Linterna del Traductor (em espanhol). Consultado em 8 de junho de 2020 
  64. Monserrat Vicent, José (2017). «Más allá del género tradicional: una aproximación a la traducción de los pronombres no binarios» 
  65. «Should I avoid editing the forms including "@", "x" and "-e" when/if seen in posts?». Spanish Language Meta Stack Exchange. 24 de outubro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  66. Campaña Primero Nuestrxs Presxs
  67. Página, Pie de (26 de abril de 2021). «Delegación zapatista sale de la selva rumbo a Europa». Pie de Página (em espanhol). Consultado em 7 de maio de 2021 
  68. «O Muro e a Fenda Primeiro Apontamento sobre o Método Zapatista. SupGaleano». Enlace Zapatista (em espanhol). 16 de maio de 2015. Consultado em 7 de maio de 2021 
  69. Rodrigues, Sérgio (29 de abril de 2015). «Escrevemos 'alunos(as)' ou 'alunos/as'? Parênteses ou barra? | Sobre Palavras». VEJA. Consultado em 9 de dezembro de 2018 
  70. «Linguagem Neutra de gênero: o que é e como aplicar». Comunidade Rock Content. 14 de janeiro de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  71. a b «Coleção NÚMEROS POLÊMICOS» (PDF). Controversial Numbers. 2006. Consultado em 20 de maio de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 14 de julho de 2011 
  72. Simons, Thomas Michel. Números Polêmicos Tudo Menos Ensaios Matemáticos (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  73. Neumann, Jeanne; Ørberg, Hans H. (21 de dezembro de 2012). A College Companion: Based on Hans Oerberg's Latine Disco, with Vocabulary and Grammar (em inglês). [S.l.]: Hackett Publishing 
  74. «Linguagem não-binária ou neutra». Wiki Identidades. Consultado em 25 de outubro de 2019 
  75. «Guia Para a Linguagem Oral Não-binária ou Neutra». FGD. 30 de janeiro de 2016. Consultado em 25 de outubro de 2019 
  76. Movimento, Revista (28 de fevereiro de 2019). «O papel e a função da linguagem não binária ou neutral no contexto das redes online». Revista Movimento. Consultado em 25 de outubro de 2019 
  77. «Pronomes neutros». Gênero neutri. 11 de maio de 2016. Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  78. Rez Lobo, Cari; Gaigaia, V.; Lim, Kumiho (26 de agosto de 2014). «Guia para a Linguagem Oral Não-binária ou Neutra (PT-BR)». Espectrometria Não-Binária. Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  79. «O papel e a função da linguagem não binária ou neutral no contexto das redes online». Revista Movimento. Consultado em 8 de junho de 2020 
  80. «Guia Para a Linguagem Oral Não-binária ou Neutra». FGD. 30 de janeiro de 2016. Consultado em 8 de junho de 2020 
  81. «O uso do apóstrofo em pronomes pessoais referentes a divindades». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 8 de junho de 2020 
  82. Ribeiro, Victor (5 de maio de 2022). «Dia Mundial da Língua Portuguesa: uso de termo neutro é polêmico». Agência Brasil. Consultado em 12 de setembro de 2022 
  83. Fonseca, Adriana (8 de setembro de 2022). «Linguagem neutra começa a ser usada nas empresas». Valor Econômico. Consultado em 12 de setembro de 2022 
  84. Carvalho, Danniel (3 de maio de 2021). «Sobre gênero e a invenção de um pronome não-binário». Universidade Federal da Bahia. ResearchGate. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  85. Silveira, Éderson Luís; Santos, Merylin Ricieli dos; Cardoso, Maísa; Nitek, Ivete Oczust; Guilherme, Maria Lígia Freire; Puppi, Bárbara Branco; Denardin, Jaqueline Angelo dos Santos; Rebelo, Ana Cecília Trindade; Rucinski, Vilson Rodrigo Diesel (6 de janeiro de 2020). Pesquisar em tempos de resistência: a balbúrdia de quem faz Linguística Aplicada. [S.l.]: Pimenta Cultural 
  86. Lau, Héliton Diego (6 de janeiro de 2020). Pelo direito e orgulho de ser heterossexual no terceiro domingo de dezembro. [S.l.]: Pimenta Cultural 
  87. Fumaroli, Marc (31 de julho de 1998). «La querelle du neutre Suite de la première page». Le Monde (em francês) 
  88. «Banque de dépannage linguistique - Épicène, neutre, non binaire et inclusif». bdl.oqlf.gouv.qc.ca. Consultado em 8 de junho de 2020 
  89. East, Miriam Berger closeMiriam BergerReporter covering Middle; EmailEmailBioBioFollowFollow, Foreign Affairs. «A guide to how gender-neutral language is developing around the world». Washington Post (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2020 
  90. FRANCO, Paki Venegas & CERVERA, Julia Pérez. Manual para o uso não sexista da linguagem. UNIFEM e REPEM (Rede de Educação Popular entre Mulheres da América Latina). Dezembro de 2006. Consultado em 10 de setembro de 2020.
  91. a b «"Deixando o X para trás na linguagem neutra de gênero", por Juno». Partido Pirata. 31 de março de 2016. Consultado em 10 de setembro de 2020 
  92. a b «Linguagem inclusiva de gênero em trabalho acadêmico». Portal Geledés. 17 de agosto de 2013. Consultado em 10 de setembro de 2020 
  93. Pérez Cervera, Julia; Venegas Franco, Paki (dezembro de 2013). «Manual para o uso não sexista da linguagem». Observatório Brasil de Igualdade de Gênero. Consultado em 10 de setembro de 2020. Arquivado do original em 5 de julho de 2013 
  94. «Guia de Linguagem Inclusiva para Flexão de Gênero». Tribunal Superior Eleitoral. 27 de maio de 2021 
  95. «Guia de Linguagem Inclusiva para Flexão de Gênero». Tribunal Regional Eleitoral do Pará. 25 de agosto de 2021 
  96. «Linguagem não discriminatória na Defesa exige "maior reflexão" para passos "consistentes"». Jornal Expresso. Consultado em 14 de julho de 2022 
  97. Brasil, Endeavor (4 de abril de 2022). «Linguagem neutra e inclusiva: por que usar e como começar». Endeavor Brasil. Consultado em 14 de julho de 2022 
  98. «Linguagem inclusiva e linguagem neutra: entenda a diferença!». Politize!. 9 de março de 2021. Consultado em 14 de julho de 2022 
  99. «Linguagem inclusiva — Manual de Comunicação». www12.senado.leg.br. Consultado em 14 de julho de 2022 
  100. «Linguagem inclusiva nas empresas: entenda a importância». Conteúdos | Convenia. 28 de junho de 2021. Consultado em 14 de julho de 2022 
  101. «SEXISMO Y LENGUAJE». webs.ucm.es. Consultado em 8 de junho de 2020 
  102. «El pleno de la RAE suscribe un informe del académico Ignacio Bosque sobre Sexismo lingüístico y visibilidad de la mujer | Real Academia Española». www.rae.es. Consultado em 8 de junho de 2020 
  103. Internet, Unidad Editorial. «La RAE critica en un informe a los 'fundamentalistas' del lenguaje no sexista». www.elmundo.es (em espanhol). Consultado em 8 de junho de 2020 
  104. «La RAE cree que con el lenguaje no sexista "no se podría hablar"». www.publico.es. Consultado em 8 de junho de 2020 
  105. «"Desabastecimiente, pobreze y desemplee": Bolsonaro criticó el lenguaje inclusivo en Argentina». El Observador. 3 de agosto de 2022. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  106. «Bolsonaro ironiza linguagem neutra na Argentina: 'Há desempregue e pobreze'». Revista Oeste. 3 de agosto de 2022. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  107. «Argentina: ministério utilizará linguagem neutra em documentos oficiais». Gazeta do Povo. 28 de julho de 2022. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  108. «É enganoso o que Bolsonaro disse sobre oficialização de linguagem neutra na Argentina». Yahoo! Notícias. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  109. Queiroz, Nelson (10 de agosto de 2022). «Diputados presentan proyecto para prohibir el uso del lenguaje inclusivo en colegios». ADN (em espanhol). Consultado em 20 de agosto de 2022 
  110. M, Gustavo Fallas (10 de junho de 2022). «Prohíben uso de lenguaje inclusivo en escuelas de Buenos Aires, Argentina». ameliarueda.com (em espanhol). Consultado em 20 de agosto de 2022 
  111. Centenera, Mar (10 de junho de 2022). «La ciudad de Buenos Aires prohíbe el lenguaje inclusivo en las escuelas». El País Argentina (em espanhol). Consultado em 20 de agosto de 2022 
  112. Souza, Murilo; Triboli, Pierre (23 de novembro de 2020). «Projeto proíbe linguagem neutra de gênero em instituições de ensino e bancas de concurso - Notícias». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  113. «Justiça derruba veto do governo a linguagem neutra em projetos da Rouanet». Folha de S.Paulo. 31 de março de 2022. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  114. «Em ao menos 14 estados, Bolsonaristas querem proibir uso de linguagem neutra nas escolas». Extra Online. 13 de março de 2022. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  115. Basilio, Ana Luiza (13 de março de 2022). «A ofensiva de estados e municípios contra a linguagem neutra é, além de ilegal, ineficaz». CartaCapital. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  116. «Fachin suspende lei de Rondônia que proíbe linguagem neutra em escolas». Consultor Jurídico. 17 de novembro de 2021. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  117. de Souza, André (8 de dezembro de 2021). «Julgamento da 'linguagem neutra' no STF é interrompido e poderá ter participação de André Mendonça». O Globo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  118. Eble, Yasmim (4 de agosto de 2022). «TJ-SC conclui que lei contra linguagem neutra em Joinville é inconstitucional». O Município Joinville. Consultado em 20 de agosto de 2022