Abrir menu principal

Comunero é um termo que identifica aqueles que participaram na Revolta dos Comuneros, uma rebelião de 1520 a 1522 em Castela.

Os comuneros foram os rebeldes que tentaram derrubar o Conselho Real e criar o seu próprio governo. A sua mais firme base de apoio eram as classes média e média-alta. A endinheirada elite tinha sido bem tratada sob o regime de Fernando e Isabel, contudo viu a sua situação entrar em decadência graças ao Conselho Real, onde os mais poderosos nobres estavam. O povo rural e os camponeses tinham geralmente lealdades divididas.

Na segunda fase da rebelião, a revolta conseguiu trazer para o seu lado o Bispo Antonio de Acuña e outras personalidades. Isso ajudou a fazer com que os camponeses ficassem mais amigáveis para com a causa dos comuneros de repelir muitos nobres poderosos preocupados apenas com os seus privilégios.

Nobres e CavaleirosEditar

  • Pedro de Girón, um nobre castelhano. Ele ganhou destaque na junta e, eventualmente, tornou-se um capitão do exército.
  • Pedro López de Ayala, Conde de Salvatierra e Capitão do exército Comunero.
  • Ramiro Núñez de Guzmán, um vereador, e Senhor de Porma e da aldeia de Toral.
  • Pedro Maldonado, herdeiro da Casa de las Conchas de Salamanca e Capitão do exército.
  • María Pacheco, um nobre castelhano. Ela dirigiu a cidade de Toledo, na ausência de seu marido, Juan de Padilla, e depois da morte de Padilla tornou-se líder do que restou da revolta.
  • Luis de Quintanilla, um capitão do exército.
  • Juan de Mendoza, nobre senhor de Cubas e Griñón.
  • Juan de Padilla, um nobre castelhano e comandante geral do exército Comunero.
  • Juan Bravo, nobre castelhano.
  • Francisco Maldonado, um nobre castelhano.
  • Pedro Laso de la Vega, um importante conselheiro da cidade de Toledo, e um moderado que se opôs mais tarde à eevolta contra os nobres.

PlebeusEditar

  • Luis de Cuéllar, um exportador e comerciante.
  • Antonio Suárez, um comerciante de lã.
  • Antonio de Aguilar, um boticário.
  • Gonzalo de Ayora, um historiador oficial.
  • Bernaldino de los Ríos, um juiz.
  • Alonso de Zúñiga, um professor.
  • Alonso de Arreo, um vereador e advogado de Navalcarnero.

ClérigosEditar

  • Antonio de Acuña, Bispo de Zamora e de um Capitão do exército.
  • Juan de Bilbao, um Franciscano, um dos teóricos e iniciadores do movimento.
  • Alonso de Medina, um Dominicano.
  • Alonso de Bustillo, um Dominicano e o chefe do departamento de teologia no seminário de Valladolid.

Referências

BibliografiaEditar

  • Haliczer, Stephen. The Comuneros of Castile: The Forging of a Revolution, 1475-1521. [S.l.: s.n.] ISBN 0-299-08500-7