Abrir menu principal

Conde de Penaguião

Brasão da família , Condes de Penaguião, Marqueses de Fontes e Marqueses de Abrantes.

Conde de Penaguião era um título nobiliárquico Português, atribuído pelo rei Filipe I de Portugal, em 10 de Fevereiro de 1583, a D. João Rodrigues de Sá.

Esta família obteve o marquesado de Fontes em 1659, que foi trocado pelo marquesado de Abrantes em 1718.

Por um decreto especial do rei D. João V de Portugal, de 24 de Junho de 1718, Conde de Penaguião tornou-se um título automaticamente atribuído ao herdeiro do Marquês de Abrantes.

Condes de Penaguião (1583)Editar

  1. D. João Rodrigues de Sá (c.1555–?);
  2. D. Francisco de Sá de Meneses (1598–1647), filho do anterior;
  3. D. João Rodrigues de Sá e Meneses, 3º conde de Penaguião (1619–1658), filho do anterior;
  4. D. Francisco de Sá e Meneses (c.1640–1677), filho do anterior, também 1.º marquês de Fontes;
  5. D. João Rodrigo de Sá e Meneses, filho do anterior;
  6. D. João Rodrigues de Sá Meneses (1674–1688), filho do anterior, também 2.º marquês de Fontes;
  7. D. Rodrigo Anes de Sá Almeida e Meneses (1676–1733), irmão mais novo do anterior, também 3.º marquês de Fontes, que foi trocado por 1.º marquês de Abrantes;
  8. D. Joaquim Francisco de Sá Almeida e Meneses (1695–1756), filho do anterior, também 2.º marquês de Abrantes;
  9. D. Ana Maria Catarina Henriqueta de Lorena (1691–1761), irmã do anterior, também 3.ª marquesa e 1.ª duquesa de Abrantes;
  10. D. Maria Margarida de Lorena (1713–1780), filha da anterior, também 4.ª marquesa e 2.ª duquesa de Abrantes;
  11. D. José Maria de Lancastre e Távora de Almeida Sá e Meneses (1742–1771), 2.º primo da anterior, também 6.º conde de Vila Nova de Portimão;
  12. D. Pedro de Lancastre da Silveira Castelo Branco Sá e Meneses (1762–1828), filho do anterior, também 5.º marquês de Abrantes e 7.º conde de Vila Nova de Portimão;
  13. D. José Maria da Piedade de Lancastre Silveira Castelo Branco de Almeida Sá e Meneses (1784–1827), filho do anterior, também 6.º marquês de Abrantes e 8.º conde de Vila Nova de Portimão;
  14. D. Pedro José Maria da Piedade de Alcântara Xavier de Lancastre (1816–1847), filho do anterior, também 7.º marquês de Abrantes e 9.º conde de Vila Nova de Portimão;
  15. D. João Maria da Piedade de Lancastre e Távora (1864–1917), sobrinho do anterior, também 8.º marquês de Abrantes e 11.º conde de Vila Nova de Portimão;

Após a proclamação da República e o fim do sistema nobiliárquico, foram pretendentes ao título D. José Maria da Piedade de Lancastre e Távora (1887-1961), D. Luís Gonzaga de Lancastre e Távora (1937–1993) e, actualmente, D. José Maria da Piedade de Lancastre e Távora (1960–).

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • ”Nobreza de Portugal e do Brasil" – Vol. III, páginas 112/113. Publicado por Zairol Lda., Lisboa 1989.
  Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.