Conferência de Ialta

(Redirecionado de Conferência de Yalta)

A Conferência de Ialta, ou Conferência de Yalta, também chamada de Conferência da Crimeia, é composta por um conjunto de reuniões ocorridas entre 4 e 11 de fevereiro de 1945 no Palácio de Livadia, na estação balneária de Yalta, nas margens do Mar Negro, na Crimeia. Foi a segunda das três conferências em tempo de guerra entre os líderes das principais nações aliadas (a anterior ocorreu em Teerã, e a posterior em Potsdam) e as potências capitalistas comemoraram a vitória na reunião.[1]

Churchill, Roosevelt e Stalin durante a conferência.

Os chefes de estado dos Estados Unidos (Franklin D. Roosevelt) e da União Soviética (Josef Stalin), e o chefe de governo e primeiro-ministro do Reino Unido (Winston Churchill) reuniram-se em segredo em Ialta para decidir o fim da Segunda Guerra Mundial e a repartição das zonas de influência entre o Oeste e o Leste.

Em 11 de fevereiro de 1945, eles assinam os acordos cujos objetivos são de assegurar um fim rápido à guerra e a estabilidade do mundo após a vitória final.

Estes acordos são essenciais para a compreensão do mundo pós-guerra. Mesmo se suas interpretações pelos historiadores sejam diversas e variadas, vários deles estão de acordo sobre diversos pontos dos acordos. As diretrizes afirmadas nesta reunião determinaram boa parte da ordem durante a Guerra Fria,[2] precisando as zonas de influência e ação dos blocos antagônicos, capitalista e socialista. Contudo, em 1991, após a queda da União Soviética, o ambiente internacional entrou em um período de transição, abandonando estes preceitos.

Declaração da Europa LibertadaEditar

Diplomatas soviéticos, americanos e britânicos durante a conferência de Yalta

A Declaração da Europa Libertada foi criada por Winston Churchill, Franklin D. Roosevelt e Joseph Stalin durante a Conferência de Yalta. Foi uma promessa que permitiu ao povo da Europa "criar instituições democráticas de sua própria escolha". A declaração prometia "o estabelecimento mais rápido possível por meio de eleições livres, governos que atendam à vontade do povo". Isso é semelhante às declarações da Carta do Atlântico, que diz, "o direito de todas as pessoas de escolher a forma de governo sob a qual viverão".[3]

Os pontos-chaves da reunião foram os seguintesEditar

  • Acordo com a prioridade da rendição incondicional da Alemanha nazista. Após a guerra, a Alemanha e Berlim seriam divididas em quatro zonas ocupadas.
  • Stalin concordou que a França teria uma quarta zona de ocupação na Alemanha, mas ela teria de ser formada a partir das zonas americana e britânica.
  • A Alemanha passaria por desmilitarização e desnazificação.
  • As reparações alemãs seriam em parte na forma de trabalho forçado. O trabalho forçado seria usado para reparar os danos que a Alemanha infligiu às suas vítimas.[4] No entanto, os trabalhadores também foram forçados a fazer colheitas, minerar urânio e fazer outros trabalhos.
  • Criação de um conselho de reparação que seria localizado na União Soviética.
  • O status da Polônia foi discutido. Concordou-se em reorganizar o Governo Provisório comunista da República da Polônia, que havia sido instalado pela União Soviética "em uma base democrática mais ampla".[5]
  • A fronteira oriental polonesa seguiria a Linha Curzon, e a Polônia receberia compensação territorial no oeste da Alemanha.
  • Stalin prometeu permitir eleições livres na Polônia.
  • Roosevelt obteve o compromisso de Stalin de participar das Nações Unidas.
  • Stalin solicitou que todas as 16 repúblicas socialistas soviéticas fossem admitidas como membros da ONU. Isso foi levado em consideração, mas 14 repúblicas tiveram suas admissões negadas.[6]
  • Stalin concordou em entrar na luta contra o Império do Japão "em dois ou três meses depois que a Alemanha se rendeu e a guerra na Europa terminou", e que, como resultado, os soviéticos tomariam posse do Sul de Sakhalin e das Ilhas Curilas, o O porto de Dalian seria internacionalizado e o arrendamento soviético de Port Arthur seria restaurado, entre outras concessões.[7]
  • Para o bombardeio do Japão, um acordo foi alcançado em basear os B-29s americanos perto da foz do rio Amur na área de Komsomolsk-Nikolaevsk (não perto de Vladivostock como proposto anteriormente), embora isso não tenha acontecido. O General Antonov também disse que o Exército Vermelho tomaria a metade sul da Ilha Sakhalin como um de seus primeiros objetivos, e a ajuda americana na defesa de Kamchatka seria desejável.[8]
  • Os criminosos de guerra nazistas deveriam ser encontrados e julgados nos territórios onde seus crimes foram cometidos; Os líderes nazistas deveriam ser executados.
  • Um "Comitê de Desmembramento da Alemanha" estava para ser criado. Seu objetivo era decidir se a Alemanha seria dividida em várias nações.

Eleições democráticasEditar

Líderes dos Três Grandes na mesa de negociações na conferência de Yalta

Os Três Grandes concordaram ainda que seriam estabelecidas democracias, todos os países satélites europeus e ex-satélites do Eixo libertados realizariam eleições livres e que a ordem seria restaurada.  Nesse sentido, prometeram reconstruir os países ocupados por processos que lhes permitirão "criar instituições democráticas de sua própria escolha. Este é um princípio da Carta do Atlântico - o direito de todos os povos de escolher a forma de governo segundo que eles vão viver".[9] O relatório resultante afirmou que os três ajudariam os países ocupados a formar um governo interino que "se comprometeu a estabelecer o mais cedo possível por meio de eleições livres para os governos que atendessem à vontade do povo" e "facilitaria quando necessário a realização de tais eleições".[9]

O acordo convocou os signatários a "se consultarem sobre as medidas necessárias para cumprir as responsabilidades conjuntas estabelecidas nesta declaração". Durante as discussões de Yalta, Molotov inseriu uma linguagem que enfraqueceu a implicação da aplicação da declaração.[10]

Com relação à Polônia, o relatório de Yalta afirmou ainda que o governo provisório deve "se comprometer a realizar eleições livres e irrestritas o mais rápido possível com base no sufrágio universal e voto secreto".[9] O acordo não escondeu a importância de aderir ao controle pró-soviético de curto prazo do governo de Lublin e de eliminar a linguagem exigindo eleições supervisionadas.[10]

De acordo com o presidente Roosevelt, "se tentarmos evitar o fato de que colocamos um pouco mais ênfase nos poloneses de Lublin do que nos outros dois grupos dos quais o novo governo será elaborado, sinto que nos exporemos às acusações de que somos tentando voltar atrás na decisão da Crimeia". Roosevelt admitiu que, nas palavras do almirante William D. Leahy, a linguagem de Yalta era tão vaga que os soviéticos seriam capazes de "esticá-la de Yalta a Washington sem nunca quebrá-la tecnicamente".[11]

O acordo final estipulou que "o Governo Provisório que agora está funcionando na Polônia deve ser reorganizado em uma base democrática mais ampla com a inclusão de líderes democráticos da Polônia e de poloneses no exterior".[9] A linguagem do texto de Yalta concedeu a predominância do governo pró-soviético de Lublin em um governo provisório, embora reorganizado.[10]

GalleriaEditar

ReferênciasEditar

  1. Jacques R. Pauwels, The Myth of the Good War: America in the Second World War, Toronto, 2002, p. 98 ff
  2. La Conférence de Yalta offrait une chance qui n’a pas été saisie
  3. «Soviet Satellite States | Schoolshistory.org.uk». web.archive.org. 2 de março de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  4. Pavel Polian. Against Their Will: The History and Geography of Forced Migrations in the USSR. Central European University Press 2003 ISBN 963-9241-68-7 pp. 244–49
  5. Osmańczyk, Edmund. Encyclopedia of the United Nations and International Agreements: T to Z. p. 2773. ISBN 978-0-415-93924-9.
  6. Department Of State. The Office of Electronic Information, Bureau of Public Affairs. «The Formation of the United Nations, 1945». 2001-2009.state.gov (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  7. «The Avalon Project : Yalta (Crimea) Conference». avalon.law.yale.edu. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  8. Ehrman, John (1956). Grand Strategy Volume VI, October 1944-August 1945. London: HMSO (British official history), p. 216
  9. a b c d February 11, 1945 Protocol of Proceedings of Crimea Conference, reprinted in Grenville, John Ashley Soames and Bernard Wasserstein, The Major International Treaties of the Twentieth Century: A History and Guide with Texts, Taylor and Francis, 2001 ISBN 0-415-23798-X, pp. 267–77
  10. a b c Leffler, Melvyn P. (1986). "Adherence to Agreements: Yalta and the Experiences of the Early Cold War". International Security. 11 (1): 88–123. doi:10.2307/2538877. JSTOR 2538877
  11. The American People in World War II: Freedom from Fear, Part Two By David M. Kennedy p. 377

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Conferência de Ialta
  Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.