Constantino Cúmano

Constantino Cúmano (Trieste, 1811 - 1873), foi um político e médico italiano que exerceu medicina em Faro (Portugal).

Dr. Constantino Cúmano
Notícia no jornal "O Algarve" de 8 de Fevereiro de 1888

FamíliaEditar

Filho de Gian Paolo Cúmano (Veneza, Bragosa, San Antonio, 8 de Dezembro de 1775 - ?), Médico, e de sua mulher (Faro, Igreja da Misericórdia, 12 de Agosto de 1805) Antonia Maria Marina Doglioni (Veneza, San Martino (?) - ?), neto paterno de Constantino Cúmano e de sua mulher Caterina Balotta e neto materno de Francisco Doglioni e de sua mulher Angela Mandichi, todos da República de Veneza.[1]

BiografiaEditar

Licenciado em Medicina, mas activista convicto da causa da unificação italiana, o Dr. Constantino Cúmano viu-se obrigado a exilar-se na Alemanha. Neste país especializou-se no tratamento da sífilis, tendo aperfeiçoado um medicamento (a tisana de Zittman, na altura já caído em desuso) com excelentes resultados no tratamento da doença.

Com saudades da família (esposa e dois filhos), voltou clandestinamente a Itália, tendo acabado por ser descoberto e denunciado às autoridades. Por intervenção da sua mulher foi libertado, sob condição de voltar a exilar-se no estrangeiro.

Terá sido nessa época que veio, pela primeira vez a Portugal, em 1856, a pretexto de visitar os seus tio e irmão, Lázaro Doglioni e Justino Cúmano, igualmente médicos, radicados em Faro. Tendo permanecido somente uns quinze dias, a sua fama como médico terá sido tal que, ao regressar a Faro em 1865 se viu obrigado a montar um consultório clínico e a escolher um ajudante. A escolha terá recaído em José Maria Assis, barbeiro de profissão, que era desde há uns anos amigo de seu irmão, o Dr. Justino Cúmano.

Entre Dezembro de 1865 e Outubro de 1866 o Dr. Constantino Cúmano exerceu clínica na cidade de Faro notabilizando-se no tratamento da sífilis com a sua tisana, tendo regressado a Itália, já doente, deixando contudo Assis à frente da Clínica de Saúde entretanto montada na capital algarvia.

Entre as primeira e última visitas a Faro, terá voltado a Itália, tendo exercido cargos políticos, nomeadamente o de Presidente do Conselho Territorial de Trieste.

No Museu Municipal de Faro existe um busto do Dr. Constantino Cúmano (mandado erigir pelo seu colaborador José Maria Assis).

FontesEditar

  1. "Costados", D. Gonçalo de Mesquita da Silveira de Vasconcelos e Sousa, Livraria Esquina, 1.ª Edição, Porto, 1997, N.º 17